A representação de um corpo grávido para a autoimagem da mulher

Autores

DOI:

https://doi.org/10.18310/2446-4813.2021v7n3p347-357

Palavras-chave:

Gravidez. Autoimagem. Saúde da mulher.

Resumo

Objetivo: Compreender a representação de um corpo grávido para a autoimagem da mulher. Métodos: Tratou-se de um estudo exploratório-descritivo com abordagem qualitativa. Foram entrevistadas vinte e cinco gestantes entre 20 e 24 semanas de gestação, atendidas em uma Instituição na cidade de Fortaleza (CE). A coleta de dados foi realizada por meio de entrevistas semiestruturadas, submetidas à técnica de análise de conteúdo. Foram criadas nuvens de palavras para as categorias, utilizando-se o software Invivo 11. Resultados: Foram organizados em duas categorias: “Mudanças Corporais” e “Reflexo da Gravidez no Espelho”. As palavras mais frequentes na primeira categoria foram: “aumento”, “barriga”, “seio” e “celulite”, demonstrando preocupação com o aumento das partes do corpo, além das consequentes alterações dermatológicas. O segundo núcleo apresentou os termos: “cabelo”, “autoestima”, “barriga”, “péssima” e “momento”, retratando a influência da gravidez na autoestima da gestante, sua vontade de se arrumar, e suas relações sociais. Conclusão: O período gestacional sendo de grandes mudanças, sentimentos e adaptações afeta de forma significativa a ideia de corpo e autoimagem da mulher. A compreensão de tais aspectos poderá favorecer a verbalização de incômodos e sentimentos que estejam conturbando o processo de gestação.

Biografia do Autor

Maria Raquel da Silva Lima, Centro Universitário Estácio do Ceará

Graduada em Nutrição pelo Centro Universitário Estácio do Ceará, especialista em Saúde da Família e Comunidade na modalidade de Residência Multiprofissional em Saúde e aperfeiçoamento em Terapia Comunitária Integrativa pela Escola de Saúde Pública do Ceará. Além disso, especialista em Nutrição Esportiva aplicada ao Exercício Físico pela Universidade Estadual do Vale do Acaraú e pós-graduada em Prescrição de Fitoterápicos e Suplementação Nutricional na Prática Cliníca e Esportiva pela Universidade Estácio de Sá, e mestre em Saúde Coletiva pelo Programa de Pós-graduação em Saúde Coletiva na Universidade de Fortaleza

Fernanda Teixeira Benevides, Universidade Federal do Ceará

Doutoranda em Saúde Pública pela Universidade Federal do Ceará. Mestre em Nutrição e Saúde pela Universidade Estadual do Ceará (UECE). Especialista em Nutrição Clínica Funcional e Fitoterapia pelo Instituto Ana Paula Pujol. Bacharel em Nutrição pelo Centro Universitário Estácio do Ceará (2009 - 2013). Atuou como Coordenadora e Professora no Curso de Nutrição da Cisne Faculdade de Quixadá. Foi Preceptora de Estágio em Saúde Pública no curso de Nutrição na Fanor Devry. Foi Nutricionista do Hospital Distrital Gonzaga Mota Messejana (HDGMM), atuando na área de Nutrição Clínica e Alimentação Coletiva. Apresenta experiência na área de Nutrição Clínica e Obesidade, atuando na Clínica Obesitrate. Foi Bolsista de Iniciação Científica do Centro Universitário Estácio do Ceará (2011 - 2013). Realizou estágio extracurricular em Nutrição Clínica no Hospital Geral Dr. Waldemar de Alcântara (2012 - 2013). Participou como extensionista do Centro de Tratamento de Transtornos Alimentares e Obesidade (CETRATA) do Ambulatório de Saúde Mental do Hospital Universitário Walter Cantídio (2012). Foi monitora da disciplina de Microbiologia de Alimentos (2011).

Maria Dinara de Araújo Nogueira, Universidade Estadual do Ceará

Graduada em Nutrição pela UniFanor - Wyden (CE); Pós-graduada em Nutrição Pediátrica, Escolar e na Adolescência pela Universidade Estácio de Sá (RJ). Mestranda em Nutrição e Saúde - UECE. Membro do Grupo de Estudo e Pesquisa em Micronutrientes e Doenças Crônicas (GMIC) - UECE

Valéria Cristina Nogueira, Instituto Federal do Ceará (IFCE)

Doutoranda em Biotecnologia (RENORBIO) pela Universidade Estadual do Ceará. Mestre em Nutrição e Saúde pela Universidade Estadual do Ceará (2016). Atualmente é professor do Instituto Federal do Ceará (IFCE). Tem experiência na área de Nutrição, com ênfase em DOCÊNCIA, atuando principalmente nos seguintes temas: acompanhamento nutricional, alimentação saudável, avaliação nutricional, trabalho noturno e hipertensão.

Carla Soraya Costa Maia, Universidade Estadual do Ceará (UECE)

Possui graduação em Nutrição pela Universidade Estadual do Ceará (1994) e mestrado e doutorado em Nutrição Humana Aplicada pela Universidade de São Paulo. Realizou pós-doutorado em Química Analítica na UFC. Atualmente é professora associado da Universidade Estadual do Ceará. Atua no curso de Graduação em Nutrição, Mestrado em Nutrição e Saúde e Mestrado profissional em saúde da criança e do adolescente. Tem experiência na área de Nutrição, com ênfase em Nutrição Clínica, atuando principalmente nos seguintes temas: avaliação nutricional, selênio aplicado a medicina, selênio e zinco: avaliação nutricional. Biologia molecular aplicada avaliação de selênio, doenças crônicas não transmissíveis.

Francisco Herlânio Costa Carvalho, Universidade Federal do Ceará (UFC)

Graduado em Medicina pela Universidade Federal do Ceará (1993). Durante a graduação fez Monitoria em Patologia e Medicina Legal (1991) e monitoria em Histologia e Embriologia Humanas (1989). Mestre em Medicina (Obstetrícia) pela Universidade Federal de São Paulo (2001) e Doutor em Medicina (Obstetrícia) pela Universidade Federal de São Paulo (2004). Fellowship de Medicina Fetal no King's College (Serviço do Professor K. Nicolaides) e na Universidade de Barcelona (Serviço do Professor E. Gratacós). Atualmente é professor Associado do Departamento de Saúde da Mulher, da Criança e do Adolescente e Professor Permanente do Mestrado Profissional em Saúde da Mulher e da Criança e do Programa de Pós-graduação em Saúde Coletiva da Faculdade de Medicina da Universidade Federal do Ceará. Coordenador do Setor de Medicina Fetal da Maternidade-Escola Assis Chateaubriand-EBSERH-UFC. Foi Tutor do PET-Saúde da Família (Programa de Educação pelo trabalho - Ministério da Saúde). Supervisor (2013-2014) e coordenador (2015/2016) do PROVAB (Programa de Valorização da Atenção Básica) pela UFC. Atuou como membro das Comissões Nacionais Especializadas de Assistência Pré-Natal, Gravidez de Alto Risco, Perinatologia e Medicina Fetal (FEBRASGO). Linhas de Pesquisa: Saúde da Mulher e Perinatal, atuando principalmente nos seguintes temas: mortalidade materna, gravidez de alto-risco, diagnóstico pré-natal, ultrassonografia, dopplervelocimetria, avaliação do bem estar fetal e Cirurgia Fetal.

Referências

Jung CG. A natureza da psique. Petropólis: Editora Vozes; 2011.

Petribú BGC , Mateos, MABA. Imagem corporal e gravidez. Junguiana. 2017; 35 (1):33-39.

Rodrigues CL. Cheias de Graça : Gestação e sentimento de plenitude espiritual A Experiência Místico-religiosa na gestação , parto e maternidade em dois grupos de mulheres. São Paulo. Dissertação. [Mestrado em Ciência da Religião]- Pontifícia Universidade Católica de São Paulo; 2008.

Gall K, Van Zutven K, Lindstrom J, Bentley C, Gratwick‐Sarll, K, Harrison C, Mond J. Obesity and emotional well-being in adolescents: Roles of body dissatisfaction, loss of control eating, and self-rated health. Obesity. 2016; 24(4): 837–842.

Brewis AA, Hruschka DJ, Wutich A. Vulnerability to fat-stigma in women’s everyday relationships. Soc. Sci. Med. 2011; 73(4): 491–497.

Rauter RV. A relação do sujeito contemporâneo com o corpo. Uma reflexão à luz da psicologia analítica. Inst. Junguiano do Rio de Janeiro [Internet] 2013 [acesso em ago 24]. Disponível em: http:// www.jung-rj.com.br/artigos/artigoraissavolkerijrj.pdf. Acesso em: 24. 2017.

Clark A, Skouteris H, Wertheim EH, Paxton SJ, Milgrom J. The relationship between depression and body dissatisfaction across pregnancy and the postpartum: a prospective study. J Heal. Psychol. 2009; 14(1): 27–35.

Brasil. Ministério da Saúde (MS). Secretaria de Atenção à Saúde Departamento de Ações Programáticas Estratégicas. Área Técnica de Saúde da Mulher. Gestação de Alto Risco Manual Técnico. Brasília, DF: MS; 2012. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/manual_tecnico_gestacao_alto_risco.pdf. Acessado em 24 de agosto de 2020.

Hodgkinson EL, Smith DM, Wittkowski A. Women’s experiences of their pregnancy and postpartum body image: A systematic review and meta-synthesis. BMC Pregnancy Childb. 2014; 14 (1): 130.

Watson B, Fuller-Tyszkiewicz M, Broadbent J, Skouteris H. The meaning of body image experiences during the perinatal period: A systematic review of the qualitative literature. Body Image. 2015; 14:102–113.

Meireles JFF, Neves CM, De Carvalho PHB, Ferreira MEC. Imagem corporal de gestantes: Associação com variáveis sociodemográficas, antropométricas e obstétricas. Rev. Bras. Ginecol. e Obstet. 2015; 37:319–324.

Marinho NN, Rocha MAV. Desenvolvimento de Produto para Consumidoras Grávidas: reflexões por meio da roupa predileta. Modapalavra e-periódico. 2016; 9(17): 250–267.

Ferreira MEC, Castro MR, Morgado, FFR. Imagem corporal: reflexões, diretrizes e práticas de pesquisa. Juiz de Fora: Editora UFJF; 2014.

Gerhardt TE; SILVEIRA DT (Org.). Métodos de Pesquisa. Porto Alegre: Editora da UFRGS, 2009.

Minayo MCS. O desafio do conhecimento: pesquisa qualitativa em saúde. 14. ed. São Paulo: Hucitec; 2004.

Turato ER. Tratado de metodologia da pesquisa clínico-qualitativa: construção teóricoepistemológica, discussão comparada e aplicação nas áreas da saúde e humanas. Petrópolis: Vozes; 2003.

Flügel, JC. A psicologia das roupas. São Paulo: Mestre Jou; 1966.

Velho MTAC, Riesgo I, Zanardo CP, Freitas AP, Fonseca R. A reincidência da gestação na adolescência: estudo retrospectivo e prospectivo em região do sul do Brasil. Saúde e Pesqui. 2014; 7(2): 261–73.

Tomaschewski-Barlem JG, Bordignon SS, Da Costa CFS. Promovendo a Autoestima Na Gestação: Foco No Acolhimento. Enferm. em Foco.2016; 7(2).

Simili IG. Roupas Para Mamães: Corpo E Gravidez Nas Representações Para a Maternidade Na Revista Manequim (1963). História: Questões & Debates.2017; 65(2) 127-148.

Ren P, Zhao W, Dai X. Risk factors for the formation of striae gravidarum in women in Jiangsu Province of China. Taiwan. J. Obstet. Gynecol. 2019; 58(5); 640–644.

Brennan M, Young G, Devane D. Topical preparations for preventing stretch marks in pregnancy. Cochrane Database Syst Rev. 2012; 11.

Saviani-Zeoti F, Petean EBL. Apego materno-fetal, ansiedade e depressão em gestantes com gravidez normal e de risco: Estudo comparativo. Estud. Psicol. 2015; 32(4) 675–683.

Guerra MJ, Braga MC, Quelhas I, Silva R. Promoção da saúde mental na gravidez e no pós-parto. Rev. Port. Enferm. Saúde Ment. 2014. SPE1: 117–124.

Dos Santos AB, Santos KEP, Monteiro GTR, Prado PR, Amaral TLM. Autoestima e Qualidade de Vida de uma série de Gestantes atendidas em rede pública de saúde. Cogitare Enferm. 2015; 20(2): 392–400.

Emmanuel E, St John W, Sun J. Relationship between social support and quality of life in childbearing women during the perinatal period. J. Obstet. Gynecol. Neonatal Nurs.2012; 41(6) E62–E70.

Junckes JM, Guesser JC, Zampieri MFM, Gregório VRP, de Oliveira ZC, Regis I. Grupo de gestantes e/ou casais grávidos e a inserção do acompanhante/pai no processo de nascimento. Extensio R. Eletr. Extensão. 2009; 6(7): 55–72.

Gandolfi FRR, Gomes MFP, Reticena KO. Mudanças na vida e no corpo da mulher durante a gravidez. BJSCR. 2019. 27(1): 126–131.

Corbacioglu A, Bakir V, Akbayir O, Goksedef BPC, Akca A. The role of pregnancy awareness on female sexual function in early gestation. J Sex Med. 2012. 9(7): 1897–903.

Mota CP, Moutta RJO, Caixeiro-Brandão, SMO. A sexualidade do casal no processo gravídico-puerperal: um olhar da saúde obstétrica no mundo contemporâneo In: Anais do Seminário Internacional Enlaçando Sexualidades. Educação, Saúde, Movimentos Sociais, Direitos Sexuais e Direitos Reprodutivos; 2009; Salvador. Bahia: Diadorim; 2009.p. 369-78. Disponível em: https://www.yumpu.com/pt/document/read/12844231/a-sexualidade-do-casal-no-processo-gravidico-puerperal-um-olhar-. Acessado em: 24 de agosto de 2020.

Sánchez JMB, Hernández BF, Negrín JGS. Influencia de la gestación en la sexualidad de la mujer. Rev Ciências Médicas.2014; 18(5): 811–22.

Jamali S, Mosalanejad L. Sexual dysfnction in Iranian pregnant women. Iran J Reprod Med. 2013;11(6):479-486.

Downloads

Publicado

2021-12-21

Edição

Seção

Artigos Originais