AVALIAÇÃO DA FORMAÇÃO MÉDICA PARA A APS: PERCEPÇÕES DE EGRESSOS DE UMA UNIVERSIDADE PÚBLICA

Autores

  • Ana Carolina Souza Torres Instituto de Saúde Coletiva da Universidade Federal da Bahia
  • Maria Vaudelice Mota Departamento de Saúde Comunitária, Faculdade de Medicina (FM), Universidade Federal do Ceará (UFC)
  • Maria do Socorro de Sousa Departamento de Saúde Comunitária, Faculdade de Medicina (FM), Universidade Federal do Ceará
  • Sarah Maria Fraxe Pessoa 4- Departamento de Saúde Comunitária, Faculdade de Medicina (FM), Universidade Federal do Ceará (UFC)
  • Maria Marlene Marques Ávila 5- Departamento de Ciências da Nutrição, Centro de Ciências da Saúde, Universidade Estadual do Ceará (UECE)

DOI:

https://doi.org/10.18310/2446-4813.2021v7n3p101-113

Palavras-chave:

Educação Médica, Atenção Primária à Saúde, Educação Superior.

Resumo

Esse estudo buscou avaliar a formação médica na perspectiva da Atenção Primária à Saúde (APS) com base nas percepções dos egressos do curso de Medicina da Universidade Federal do Ceará, à luz das Diretrizes Curriculares Nacionais e dos eixos do Pró-Saúde. Pesquisa qualitativa, desenvolvida no período de setembro de 2015 a junho de 2016, na Rede de APS da cidade de Fortaleza-CE. Os informantes foram 10 médicos egressos do curso graduados entre 2003 e 2011. Realizou-se entrevistas semiestruturadas, transcritas e analisadas pela técnica da Análise Temática. A análise evidenciou  como fragilidades na formação: pedagogia tradicional dos docentes no módulo de Assistência Básica em Saúde (ABS); descontinuidade nas disciplinas de ABS em relação à inserção dos discentes no cenário de práticas da Estratégia Saúde da Família (ESF); poucos docentes e preceptores com especialização em Medicina de Família na condução do módulo; deficiente Integração Ensino-Serviço, ações de Educação Permanente  desconectadas das necessidades dos profissionais e da comunidade. Como potencialidades: a prática no território da ESF é potente transformadora da formação, e as vivências em cenários de práticas diversificados, propiciados sobretudo pelos projetos de extensão, PET-Saúde, e pelo movimento estudantil agregaram à formação competências para atuar na APS, capacidade crítico-reflexiva e alinhamento ao princípio da integralidade. Nossa pesquisa pode contribuir no processo de reflexão-ação visando aperfeiçoar o processo formativo de profissionais médicos para atuação na APS.

Referências

Vendruscolo C, Trindade LL, Krauzer IM, Prado ML. A inserção da universidade no quadrilátero da educação permanente em saúde: relato de experiência. Texto & Context Enferm. 2016;25(1):2-7.

Ceccim RB, Cyrino EG. Formação profissional em saúde e protagonismo dos estudantes: percursos na educação pelo trabalho. Porto Alegre: Rede UNIDA; 2017.

Brasil. Ministério da Educação. Conselho Nacional de Educação. Câmara de Educação Superior. Resolução CNE/CES 3/2014 nº 3 de 20 de junho de 2014. Institui Di¬retrizes Curriculares do Curso de Graduação em Medicina e dá outras providências. Diário Oficial da União. Brasília, 23 jun. 2014; Seção 1, p. 8-11.

Varela DSS, Carvalho MMB, Barbosa MUF, Silva IZF, Gadelha RRM, Machado MFAS. Diretrizes curriculares nacionais e a formação de profissionais para o SUS. Rev Bras Educ Saúde. 2016;6(3):39-43.

Brasil. Ministério da Educação. Ministério da Saúde. Portaria Interministerial nº 2.101 de 3 de novembro de 2005. Institui o Programa Nacional de Reorientação da Formação Profissional em Saúde - Pró-Saúde - para os cursos de graduação em Medicina, Enfermagem e Odontologia. Diário Oficial da União. Brasília, 3 nov. 2005; Seção 1, p. 111.

Minayo MCS. O desafio do conhecimento: pesquisa qualitativa em saúde. São Paulo: Hucitec; 2015.

Brasil. Conselho Nacional de Saúde. Resolução n° 466, de 12 de dezembro de 2012. Diretrizes e normas regulamentadoras de pesquisa envolvendo seres humanos. Diário Oficial da União. Brasília, 13 jun. 2013; Seção 1, p. 59.

Xavier NF, Monteiro JCMS, Caldas CAM, Pires CAA. Pet-Saúde: o impacto do Programa na Formação do Profissional Médico. Rev Bras Ciênc Saúde. 2018;22(1):37-44.

Vasconcelos ACF, Stedefeldt E, Frutuoso MFP. Uma experiência de integração ensino-serviço e a mudança de práticas profissionais: com a palavra, os profissionais de saúde. Interface Comum Saúde Educ. 2016;20(56):147-58.

Sordi MRL, Mendes GSCV, Cyrino EG, Alexandre FLF, Manoel CM, Lopes CVM. Experiência de construção coletiva de instrumento autoavaliativo a serviço da formação médica referenciada nas Diretrizes Curriculares Nacionais (DCN) pautadas no Programa Mais Médicos. Interface Comum Saúde Educ. 2020;24:1-14.

Cruz KT, Merhy EE, Santos MFL, Gomes MPC. PET-Saúde: micropolítica, formação e o trabalho em saúde. Interface Comum Saúde Educ. 2015;19 Suppl 1:S721-30.

Sodré F, Andrade M, Lima R, Garcia A. Formação em saúde: práticas e perspectivas no campo da saúde coletiva. Vitória: EDUFES; 2016.

Campos GW. Saúde Paidéia. São Paulo: Hucitec; 2003.

Coêlho BP, Miranda GMD, Coutinho Neto OB. A formação-intervenção na atenção primária: uma aposta pedagógica na educação médica. Rev Bras Educ Méd. 2019;43(1 Suppl 1):S632-40.

Sousa M. A complexidade da formação médica na epara atenção básica como parte de dois sistemas e um sistema à parte [Tese] Fortaleza (CE): Universidade Estadual do Ceará, Universidade Federal do Ceará, Universidade de Fortaleza; 2014.

Freire, P. Pedagogia da autonomia: saberes necessários à prática educativa. São Paulo: Paz e Terra; 2009.

Alves MNT, Marx M, Bezerra MMM, Landim JMM. Metodologias pedagógicas ativas na educação em saúde. Rev Psic. 2017;10(33):339-46.

Palácio MAV, Gonçalves LBB, Struchiner M. A narrativa do aluno de medicina na formação em atenção primária à saúde: potencializando espaços de aprendizagem mediados pelas tecnologias digitais. Rev Bras Educ Méd. 2019;43(1 Suppl 1):330-40.

Gigante RL, Campos GWS. Política de formação e educação permanente em saúde no Brasil: bases legais e referências teóricas. Trab Educ Saúde. 2016;14(3):747-63.

Ferreira MJM, Ribeiro KG, Almeida MM, Sousa MS, Ribeiro MTAM, Machado MMT, Kerr LRFS. New National Curricular Guidelines of medical courses: opportunities to resignify education. Interface Comum Saúde Educ. 2019;23 Suppl 1:S1-15.

Almeida Filho N. Reconhecer Flexner: inquérito sobre produção de mitos na educação médica no Brasil contemporâneo. Cad Saúde Pública. 2010;26(12):2234-49.

Vilas Boas LM, Daltro MR, Garcia CP, Menezes MS. Educação médica: desafio da humanização na formação. Saúde Redes. 2017;3(2):172-82.

Downloads

Publicado

2021-12-21

Edição

Seção

Artigos Originais