VIGILÂNCIA DA CRIANÇA EXPOSTA AO HIV NO MUNICÍPIO DE PORTO ALEGRE: ANÁLISE DE GESTANTES COM HIV E CRIANÇAS EXPOSTAS À TRANSMISSÃO VERTICAL NAS DIFERENTES GERÊNCIAS DISTRITAIS DE PORTO ALEGRE

Rafael Henrique Flores Ribeiro

Resumo


Objetivo: Analisar gestantes com HIV e crianças expostas em Porto Alegre, fornecendo subsídios para discussão de possíveis melhorias assistenciais no enfrentamento ao HIV. Métodos: Trata-se de uma coorte retrospectiva, com dados provenientes do Sistema de Informação de Agravos de Notificação – SINAN de Porto Alegre, de 2002 a 2019. Resultados: Observou-se que das gestantes com HIV 58% são brancas, a faixa etária predominante é de 21 a 35 anos (72%) e maior concentração entre as que cursaram da 4ª a 7ª série incompleta (49,6%). Entre as gestantes, 58,7% já tinha diagnóstico do HIV antes do pré-natal e o início do pré-natal após a 12ª semana ocorreu para 73%. Na comparação entre as gerências distritais da cidade, evidenciou-se diferença estatística no perfil das gestantes com HIV em relação à raça (<0,001), escolaridade (<0,001), percentual de mulheres com diagnóstico do HIV antes do pré-natal (p=0,047) e percentual de mulheres com início do pré-natal até a 12ª semana de gestação (p=0,045). Em relação à criança exposta, observou-se diferença entre as gerências quanto ao encerramento do caso (<0,001), com maior percentual de crianças infectadas na gerência NHNI e PLP, maior percentual de perda de seguimento na gerência centro e maior percentual de óbitos na gerência NEB. Conclusões: o estudo apresenta elevado percentual de gestantes com baixa escolaridade, com diagnóstico do HIV antes do pré-natal, mas que iniciam o pré-natal tardiamente, apontando fragilidade assistencial. Além disso, observam-se diferenças entre perfil de gestantes e encerramento dos casos das crianças entre as gerências.


Palavras-chave


Gestante com HIV; Criança exposta ao HIV; Transmissão vertical.

Texto completo:

PORTUGUÊS

Referências


Almeida, Labronici. A Trajetória Silenciosa De Pessoas Portadoras Do Hiv Contada Pela História Oral. Ciênc. Saúde Coletiva [Online], 2007 Vol.12, N.1.

Who. Antiretroviral therapy. [acesso em 10/04 /2019]; disponível em: http://www.wpro.who.int/health_topics/antiretroviral_thereapy/

Brasil. Ministério da Saúde. Recomendações para profilaxia da transmissão vertical do HIV e terapia anti-retroviral. Brasília, DF, 2014. (Coleção DST/AIDS - Séries Manuais, n. 46).

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Departamento de DST, Aids e Hepatites Virais. Boletim Epidemiológico HIV e Aids. Brasília: Ministério da Saúde, 2019.

ObservaPoa. Prefeitura Municipal de Porto Alegre. ObservaPoa. 2018

Brasil. Ministério da Educação. Biblioteca Virtual em Saúde (População Negra) Ministério da Educação, 2016.

Brasil. Ministério da Saúde. Departamento de DST, Aids e Hepatites Virais. HIV: Estratégias para Diagnóstico no Brasil. Brasília, 2010. 82 p. Série Telelab.

Plano Municipal De Saúde Porto Alegre Rio Grande Do Sul – Porto Alegre 2018 A 2021.From:http://Lproweb.Procempa.Com.Br/Pmpa/Prefpoa/Sms/Usu_Doc/Plano_Municipal_De_Saude_-_Pms_2018-2021_-_Revisado_Em_16_01_18.Pdf

Parker, R. O estigma e a discriminação relacionados ao HIV/AIDS. Boletim Associação Brasileira Interdisciplinar de AIDS (ABIA) 2002, (48): 3-5.




DOI: https://doi.org/10.18310/2446-4813.2021v7n3p%25p

DOI (PORTUGUÊS): https://doi.org/10.18310/2446-48132021v7n3.3434g778

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


A revista Saúde em Redes (ISSN 2446-4813) foi classificada pelo Sistema Qualis-Periódico da CAPES no Quadriênio 2014/2016, período de sua criação, no estrato B1 na área de Ensino, no estrato B4 nas áreas de Enfermagem, Interdisciplinar, Psicologia, Saúde Coletiva e Serviço Social e no estrato B5 nas áreas de Geociências e Medicina II. A Saúde em Redes é indexada na Base LILACS.

Indexada no LatindexDiadorim; Google Acadêmico; DOAJ; COLECIONASUS