Cartografia e configuração da rede de políticas públicas: a experiência da RAIA em Chapecó-SC.

Autores

  • Murilo Cavagnoli Universidade Comunitária Regional de Chapecó https://orcid.org/0000-0003-0363-3017
  • Deborah Cristina Amorin Emais Editora.
  • Linda Margarethe Boniatti Tonini Universidade Comunitária da Região de Chapecó - Unochapecó
  • Helen Beatriz Martins Universidade Comunitária da Região de Chapecó - Unochapecó
  • Gabriela Costacurta Universidade Comunitária da Região de Chapecó - Unochapecó
  • Morgana Luiza Sbrussi Granella Universidade Comunitária da Região de Chapecó - Unochapecó

DOI:

https://doi.org/10.18310/2446-4813.2021v7n2p11-24

Palavras-chave:

Cartografia, Trabalho em Rede, Políticas Públicas, infância e adolescência

Resumo

Nesse artigo expomos contribuições do método cartográfico ao trabalho em rede de Políticas Públicas, analisando suas potências na tessitura da Rede de Atendimento a Infância e Adolescência (RAIA), no município de Chapecó, Santa Catarina. Considerando nossa imersão nesta rede, enquanto extensão Universitária, desde o ano de 2006, abordamos fundamentos ontológicos e teórico-metodológicos da Cartografia, destacando suas contribuições à configuração do fazer intersetorial.  A rede será apreendida em diálogo com as noções de rizoma, multiplicidade e singularização. Dentre os recursos metodológicos da cartografia, dois eixos serão explorados: a dimensão ético-afetiva relacionada a configurar encontros, que transversalizam modos de subjetivação em processos coletivos; e a criação de dispositivos de pesquisa-intervenção, desenvolvidos na busca por soluções protetivas dos direitos da infância e adolescência frente a complexos cenários de vulnerabilidade social que se evidenciaram, no município, nos anos de 2019 e 2020.

Biografia do Autor

Murilo Cavagnoli, Universidade Comunitária Regional de Chapecó

Doutor em Psicologia pela Universidade Federal de Santa Catarina - UFSC. Professor na Universidade Comunitária da Região de Chapecó - Unochapecó. Atua nos campos do ensino, pesquisa e extensão, com enfase em Psicologia Social e Políticas Públicas, Trabalho intersetorial e em rede, Estética e Política e construção de dispositivos de atenção psicossocial.

Deborah Cristina Amorin, Emais Editora.

Doutora em Serviço Social. Atuou, entre os anos de 2006 e 2019, na construção da Rede de Atendimento a Infância e Adolescência de Chapecó. Atualmente é Produtora editorial da Emais Editora.

Linda Margarethe Boniatti Tonini, Universidade Comunitária da Região de Chapecó - Unochapecó

Acadêmica da Graduação em Psicologia na Unochapecó. Extensionsista no Projeto de Extensão RAIA Unochapecó.

Helen Beatriz Martins, Universidade Comunitária da Região de Chapecó - Unochapecó

Acadêmica da Graduação em Psicologia na Unochapecó. Extensionsista no Projeto de Extensão RAIA Unochapecó.

Gabriela Costacurta, Universidade Comunitária da Região de Chapecó - Unochapecó

Bacharel em Psicologia pela Unochapecó. Atuou no projeto de extensão universitária RAIA, na Unochapecó, dentre os anos de 2017 a 2020.  gabriela.costacurta@unochapeco.edu.br

Morgana Luiza Sbrussi Granella, Universidade Comunitária da Região de Chapecó - Unochapecó

Bacharel em Psicologia pela Unochapecó. Atuou no projeto de extensão universitária RAIA, na Unochapecó, dentre os anos de 2017 a 2020. 

Referências

Direito Público: Lei n° 8.069, de 13 de julho de 1990. Dispõe sobre o Estatuto da Criança e do Adolescente e dá outras providências. Diário Oficial da República Federativa do Brasil, Brasília, DF, 16 jul. 1990.

Silva MOS, Yazbek MC, Di Giovanni G. A Política Brasileira no Século XXI: a prevalência dos programas de transferência de renda. 2ª ed. São Paulo: Cortez Editora; 2004.

Behring ER. Acumulação capitalista, fundo público e política social. In: BOSCHETTI I, et al. organizadores. Política social no capitalismo: tendências contemporâneas. São Paulo: Cortez; 2008.

Behring ER. Política social no capitalismo tardio. 6ª ed. São Paulo: Cortez Editora, 2015.

Maia AP. A escola na rede de proteção dos direitos de crianças e adolescentes: guia de referência. ?ª ed. São Paulo: Ação Educativa, 2018.

CONANDA. Resolução nº 113 – Dispõe sobre os parâmetros para a institucionalização e fortalecimento do Sistema de Garantia dos Direitos da Criança e do Adolescente.- 19/04/2006.

Deleuze G, Guattari F. Mil Platôs: capitalismo e esquizofrenia. Tradução de Aurélio Guerra Neto e Celia Pinto Costa. 34 ed. São Paulo: Minuit, 1995.

Sifuentes TR; Dessen, MA; Oliveira, MCSL. Desenvolvimento humano: desafios para a compreensão das trajetórias probabilísticas. Psicologia: Teoria e Pesquisa, 2007; 23 (4): 379-385. Português.

Aquino LMC. A rede de proteção a crianças e adolescentes, a medida protetora abrigo e o direito à convivência familiar e comunitária: A experiência em nove municípios. In: SILVA ERA. O direito à convivência familiar e comunitária: os abrigos para crianças e adolescentes no Brasil. Brasília/DF: Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada, 2004. p. 325-365.

Alvarez J; Passos E. CARTOGRAFAR É HABITAR UM TERRITÓRIO EXISTENCIAL. In: Passos E; Kastrup V; Escóssia, L. Pistas do método da cartografia: Pesquisa-intervenção e produção de subjetividade. Porto Alegre: Sulina, 2009. p. 131-149.

Cavagnoli M, Maheirie K. A cartografia como estratégia metodológica à produção de dispositivos de intervenção na Psicologia Social. Fractal: Revista de Psicologia, 2020; 32 (1): 64-71. Português.

Barros LP, Kastrup V. Cartografar é acompanhar processos. In: Passos E, Kastrup V, Escossia L. Pistas do método da Cartografia. Porto Alegre: Sulina; 2009. p. 52-75.

Foucault M. Gerir os ilegalismos. In: Droit RP. Michel Foucault: entrevistas a Roger Pol-Droit. São Paulo: Graal; 2006. p. 41-52.

Alvarez, Johnny; Passos, Eduardo. Cartografar é habitar um território existencial. In: Passos E, Kastrup V, Escóssia L. Pistas do método da cartografia: pesquisa-intervenção e produção de subjetividade. Porto Alegre: Sulina, 2009. p. 131-150.

Passos E, Barros RB. A cartografia como método de pesquisa-intervenção. In: Passos E, Escóssia L, Kastrup V. Pistas do método da cartografia: pesquisa-intervenção e produção de subjetividade. Porto Alegre: Sulina; 2009. p. 17-31.

Rolnik S. Toxicômanos de identidade: subjetividade em tempo de globalização. In: Lins D. Cultura e subjetividade: saberes nômades. Campinas: Papirus; 1997. p. 19-24.

Guattari F. As três ecologias. Campinas: Papirus, 1990.

Sawaia B, Albuquerque R, Busarello F, organizadores. Afeto & comum: reflexões sobre a práxis psicossocial. 1ª ed. Embu das Artes: Alexa Cultural, 2018.

Pereira ER, Sawaia B, organizadores. Práticas grupais: espaço de diálogo e potência. 1ª ed. São Carlos: Pedro & João, 2020.

Guattari F, Rolnik S. Micropolítica: cartografias do desejo. 3ª ed. Petrópolis: Vozes, 2005.

Merhy EE. Micropolítica do encontro intercessor apoiador-equipe, substrato para um agir intensivista. Revista Saúde em Debate, 2010; 34 (86): 433-435. Português.

Chauí M. A nervura do real II: imanência e liberdade em Espinosa. 1ª ed. São Paulo: Editora Companhia das Letras, 2016.

Maheirie, K. Questões teóricas e empíricas pautadas na dialética inclusão-exclusão social. In: Sawaia, B.; Albuquerque, R.; Busarello, F. Afeto & comum: reflexões sobre a práxis psicossocial. 2018, p.11-16.

American Psychiatric Association. DSM-5: manual diagnóstico e estatístico de transtornos mentais. 5ª ed. Porto Alegre: Artmed Editora, 2014.

Sant'Ana IM. Autoautolesión no suicida en la adolescencia y la actuación del psicólogo escolar: una revisión narrativa. Revista de Psicologia da IMED, 2019; 11 (1): 120-138. Espanhol.

Barros RB. Grupo: a afirmação de um simulacro. 2ª ed. Porto Alegre: Sulina, 2007.

Rancière, J. Política da Arte. Urdimento, 2010; 1 (15): 45-60.

Hur DU. O dispositivo de grupo na Esquizoanálise: tetravalência e esquizodrama. Vínculo-Revista do NESME, 2012; 9 (1): 18-26. Português.

Deleuze G. Michel Foucault, filósofo. Deleuze G. ¿Qué es un dispositivo? 1990. p. 155-163.

Siqueira, H. C. B., Silva, V. O. B., Pereira, A. L. S., Guimarães Filho, J. D., & da Silva, W. R. (2020). Pandemia de COVID-19 e Gênero: Uma Análise sob a Perspectiva do Princípio Constitucional da Isonomia. Revista Psicologia & Saberes, 9(18), 216-226.

Downloads

Publicado

2021-12-01