O cuidado e a formação como lugar de invenção na atuação de terapeutas ocupacionais no NASF

Autores

  • Antonio Rêgo da Silva Júnior Universidade de Brasília/Hospital Universitário de Brasília
  • Grasielle Silveira Tavares Universidade de Brasília/Faculdade de Ceilândia

DOI:

https://doi.org/10.18310/2446-4813.2022v8n1p145-160

Palavras-chave:

Palavras chaves, Terapia Ocupacional, Atenção primária à saúde, cuidado, formação profissional em saúde.

Resumo

Objetivos: Este relato de pesquisa visa discutir e analisar sobre a formação e o cuidado na prática de terapeutas ocupacionais no NASF, compreendendo o “cuidar” em suas diversas manifestações humanas, e a formação baseada no fazer criativo, na experiência dos processos organizacionais de trabalho, nas relações interpessoais e atos cuidadores. Metodologia: O procedimento metodológico consiste numa pesquisa qualitativa de caráter descritivo exploratória. O grupo participante do estudo foi composto de oito terapeutas ocupacionais atuantes no Núcleo Ampliado de Saúde da Família e atenção básica. Para a produção de dados utilizou-se o grupo focal, que consiste no debate racional entre pessoas de características em comum, cuja produção de dados objetiva a compreensão das percepções, atitudes, pontos de vistas, opiniões e as representações sociais advindas do grupo. Para a análise empregou-se o discurso do sujeito coletivo no qual se fundamenta na teoria da representação social objetivando a representação do pensamento coletivo para tanto se estrutura em ancoragem, ideia central, expressões chaves e o discurso coletivo. Conclusão: A formação aconteceu no fazer cotidiano, entre dificuldades, desafios e sentimentos de querer produzir saúde e vida, transpondo o reducionismo dos currículos para um olhar em direção as singularidades, apartando-se da concepção biomédica por intermédio das tecnologias leves de cuidado.  Dentro do cotidiano dos serviços de saúde, as profissionais foram criando linhas de fuga para interrogar o instituído, e estabelecer instituinte de novos sentidos e práticas de cuidado que ressignificaram o fazer humano, a saúde e o cotidiano dos sujeitos.

Biografia do Autor

Antonio Rêgo da Silva Júnior, Universidade de Brasília/Hospital Universitário de Brasília

Graduado em Terapia OcupacionalResidente em Atenção Cardiopulmonar

Referências

Brasil. Ministério da Saúde. Portaria nº 2.203, de 5 de novembro de 1996. Brasília, v. 134, n. 216, nov. 1996. Seção1, p. 22932-22940.

Brasil. Ministério da Saúde. Diretrizes do NASF: Núcleo de Apoio a Saúde da Família. Brasília, 2008. pág. 45

Brasil Ministério da Saúde. Portaria Nº 122, de 25 de janeiro de 2011. pág. 05. Disponível em: <http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2012/prt0122_25_01_2012.html> Acesso em: 10 de Março de 2020.

Brasil Ministério da Saúde. Portaria Nº963, de 27 de maio de 2013. Disponível em: <:http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2013/prt0963_27_05_2013.html>. Acesso em: 10 de março de 2020.

Oliver FC, Pimentel, A, Figueiredo-Uchôa, LR, Nicolau SM. Formação do terapeuta ocupacional para o trabalho na atenção primária à saúde. Cadernos Brasileiros de Terapia Ocupacional. 2012; 3(20):327-340. Disponível em: http://www.cadernosdeterapiaocupacional.ufscar.br/index.php/cadernos/article/view/677

Silva RAS, Menta SA. Abordagem de terapeutas ocupacional em núcleos de apoio à saúde da família (NASF) no estado de Alagoas. Cadernos de Terapia Ocupacional da UFSCAR 2014; 2(22): 243-250. Disponível em: http://www.cadernosdeterapiaocupacional.ufscar.br/index.php/cadernos/article/view/604/532

Bassi BGC, Malfitano APS, Bianchi PCO. Terapeuta Ocupacional na Atenção Básica em Saúde: a representatividade em revistas e nos congressos brasileiros da área. Cad. Ter. Ocup. UFSCar. 2012. 3(20):p. 443-454.

Soares LBT. Terapia ocupacional: lógica do capital ou do trabalho? São Paulo:Editora Hucitec, 1991. 217 p.

Brasil. Resolução CNE/CES, nº 6, de 19 de fevereiro 2002. Instituiu as Diretrizes Curriculares Nacionais do Curso de Graduação em Terapia Ocupacional. Brasília, DF:Ministério da Educação, 2002. 34p.

Heidegger M. Ser e tempo. Petrópolis: Vozes, 1995. 105p

Ayres JRCM. O cuidado, os modos de ser (do) humano e as práticas de saúde. Saúde e Sociedade. 2004. 3(13): 16 – 29.

Deleuze G, Guattari F. Mil platôs – Capitalismo e esquizofrenia. São Paulo: Editora 34. 1995. 83p.

Filho Saletti HC. Cuidado e criatividade no contínuo da vulnerabilidade: contribuições para uma fenomenologia hermenêutica da atenção à saúde. [dissertação]. São Paulo, SP. Universidade de São Paulo/USP; 2007. 117p.

Bondía JL. Notas sobre a experiência e o saber de experiência. Revista Brasileira de Educação. 2002.19: 20 -28. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/rbedu/n19/n19a02.pdf

Gadamer HG. Verdade e método. Traços fundamentais de uma hermenêutica filosófica. 4.ed. Petrópolis, 2002. 100p.

Ibge. Diretoria de pesquisas - DPE. Coordenação de População e Indicadores Socias. Estimativas da população residente com data de referência de 1º de julho; 2010, 46p.

Corrêa DSRC, Moura AGOM, Quito MV, Souza LM, Leuzzi S, Gottems LBD et al. Movimentos de reforma do sistema de saúde do Distrito Federal: a conversão do modelo assistencial da Atenção primária à saúde. Ciência&Saúde Coletiva. 2019. 24(6):2031-2041.

Fonseca LP. A reforma da saúde de Brasília, Brasil. Ciência&Saúde Coletiva. 2019. 24(6):1981-1990.

Minayo MCS. Pesquisa Social. Teoria, método e criatividade. Petrópolis: Vozes. 2001. 22p.

Gil AC. Métodos e técnicas de pesquisa social. São Paulo: Atlas, 2008. 87p.

Tradi LAB. Grupos focais: conceitos, procedimentos e reflexões baseadas em experiências com o uso da técnica em pesquisas de saúde. Physis Revista de Saúde Coletiva. 2009. 3 (19): 777-796.

Lefevre F, Lefevre, AMC. O Sujeito coletivo que fala. Interface – Comunicação, saúde e educação. 2006. 20 (10):517-24. Disponível em: <http://www.scielo.br/pdf/icse/v10n20/17.pdf>

Emerich BF, Onocko-Campos R. Formação para o trabalho em Saúde Mental: reflexões a partir das concepções de Sujeito, Coletivo e Instituição. Interface (Botucatu). 2019; 23: e170521. https://doi.org/10.1590/Interface.170521.

Rodrigues E, Damico JGS. Dispositivos pedagógicos de educação em Saúde Coletiva. 2018; 22(64):285-94. DOI: 10.1590/1807-57622017.001

Abrahão AL, Merhy EE. Formação em saúde e micropolítica: sobre conceitos-ferramentas na prática de ensinar. 2014; 18(49):313-24. DOI: 10.1590/1807-57622013.0166

Mello ACC. A construção de sentidos nas intervenções em Terapia Ocupacional. [dissertação]. São Carlos, SP: Universidade Federal de São Carlos/ UFSCar; 2019.

Rolnik S. Subjetividade antropofágica. In: Machado LD, Lavrador MCC, Barros MEB., organizadores. TEXTURAS DA PSICOLOGIA: SUBJETIVIDADE E POLITICA NO CONTEMPORANEO. 1º edição. 2001, pag. 1 – 188.

Lopes RE, Borba PLO, Monzeli GA. Expressão livre de jovens por meio do Fanzine: recurso para a terapia ocupacional social. Saúde e Sociedade. 2013. 3(22):937-948p.

Gramsci A. Textos selecionados. In: MONASTA, A. Antonio Gramsci. Recife: Editora Massangana, 2010, 154 p.

Downloads

Publicado

2021-11-04

Edição

Seção

Artigos Originais