Condições de Trabalho e Utilização de Serviços de Saúde por Catadores de Materiais Recicláveis no Município de Limoeiro – PE

Autores

DOI:

https://doi.org/10.18310/2446-4813.2022v8n1p11-23

Palavras-chave:

Resíduos Sólidos, Catadores, Saúde e Meio Ambiente, Acesso aos Serviços de Saúde.

Resumo

Introdução: As pessoas catadoras de materiais recicláveis estão expostas diariamente a riscos no processo de trabalho. Objetivo: Analisar a percepção das pessoas catadoras de materiais recicláveis sobre as necessidades de saúde e sua relação com a atividade laboral e a utilização dos serviços de saúde. Métodos: Trata-se de uma pesquisa qualitativa, tipo estudo de caso, realizada no município de Limoeiro-PE, no período de janeiro a maio de 2018. Os dados foram coletados através de entrevista semiestruturada e submetidos à análise de conteúdo. Resultados: Os resultados indicam que a maioria das pessoas catadoras tem problemas de saúde, mas não os percebem como necessidades de saúde nem os associam ao trabalho no lixão. A baixa utilização dos serviços de saúde também foi observada.  O entendimento sobre os riscos laborais se fez presente, contudo, observa-se a não utilização de EPI. Considerações finais: Diante de um contexto de vulnerabilidades e inseguranças, é imprescindível a implementação de políticas públicas que assegurem direitos fundamentais, como melhor acesso ao sistema de saúde e qualidade de vida e trabalho aos trabalhadores que lidam com resíduos sólidos.

Biografia do Autor

Daiane da Silva Ferreira Lima, Centro Acadêmico de Vitória, Universidade Federal de Pernambuco (UFPE).

Bacharel em Saúde Coletiva pelo Centro Acadêmico de Vitória, Universidade Federal de Pernambuco (UFPE).

Petra Oliveira Duarte, Centro Acadêmico de Vitória, Universidade Federal de Pernambuco (UFPE).

Doutora em Saúde Pública, Professora Adjunta do Curso de Graduação em Saúde Coletiva, Centro Acadêmico de Vitória, Universidade Federal de Pernambuco (UFPE

Fabiana de Oliveira Silva Sousa, Centro Acadêmico de Vitória, Universidade Federal de Pernambuco (UFPE).

Doutora em Saúde Pública pelo Centro de Pesquisas Aggeu Magalhães (CPqAM). Professora adjunta do curso de Saúde Coletiva do Centro Acadêmico de Vitória (UFPE).

Referências

Freitas CM, Rocha V, Silva EL, Alpino TMA, Silva MA, Mazoto ML. Conquistas, limites e obstáculos à redução de riscos ambientais à saúde nos 30 anos do Sistema Único de Saúde. Ciência e Saúde Coletiva. 2018; 23(6):1981-1996. Disponível em: https://doi.org/10.1590/1413-81232018236.04702018 Acesso em: 01 Mai 2021

Siqueira MM, Moraes SM. Saúde coletiva, resíduos sólidos urbanos e os catadores de lixo. Ciênc. Saúde Coletiva. 2009; 14(6): 2115-2122.

Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada- IPEA. Situação social das catadoras e dos catadores de material reciclável e reutilizável. 2013. Disponível em: https://www.ipea.gov.br/igualdaderacial/index.php?id=741:situacao-social-das-catadoras-e-dos-catadores-de-material-reciclavel-e-reutilizavel-brasil-dezembro-2013&format=pdf&option=com_content Acesso em: 02 Fev 2020

Brasil. Tire suas dúvidas sobre a Política Nacional de Resíduos Sólidos, 2014. Disponível em: < http://www.brasil.gov.br/meio-ambiente/2014/08/tire-suas-duvidas-sobre-a-politica-de-residuos-solidos >. Acesso em: 28 de set. 2019.

Estarque T. Quase 70% dos municípios de PE ainda depositam resíduos sólidos em lixões, aponta TCE. G1 Pernambuco, Pernambuco, 07 fev. 2017. Disponível em: <<https://g1.globo.com/pernambuco/ noticia/quase-70-dos-municipios-ainda-depositam-residuos-solidos-em-lixoes-aponta-tce-pe.ghtml>>. Acesso em 23 de set. 2019.

Silva NLS. Aterro Sanitário para resíduos sólidos urbanos - RSU – Matriz para Seleção da Área de Implantação. (Trabalho de Conclusão de Curso). Feira de Santana: Universidade Estadual de Feira de Santana; 2011.

Cruvinel VRN, Machado GC, Marques CP, Araújo WN, Trindade JA, Jorge FAM, Dourado APFK. O fim do maior lixão da América Latina: inclusão socioprodutiva e cuidado com a saúde dos catadores de materiais recicláveis. CEPAL. 2020. Disponível em: https://archivo.cepal.org/pdfs/bigpushambiental/Caso79-OFimdoMaiorLixaodaAmerica Latina.pdf Acesso em 03 Mai 2021.

Movimento Nacional dos Catadores de Materiais Recicláveis (MNCR). Mulheres são maioria entre Catadores de Materiais Recicláveis. Disponível em: http://www.mncr.org.br/noticias/noticias-regionais/mulheres-sao-maioria-entre-catadores-organizados-em-cooperativas. Acesso em: 15 out. 2019.

Silva MC. Trabalho, Economia Solidária e Catadores de Recicláveis: desigualdades de gênero e de raça, em busca da cidadania. Revista da Abet. 2014: 13(2): 248-261.

Oliveira, MAD. Percepção de riscos ocupacionais em catadores de materiais recicláveis: estudo em uma cooperativa em Salvador-Bahia. (Dissertação). Salvador: Universidade Federal da Bahia; 2011.

Oliveira JA, Fernandes SCS, Almeida SSM. Análise das representações sociais de catadores de lixo de Sergipe acerca de sua realidade social. Psico. 2012; 43(1): 55-68.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Panorama de Limoeiro. Disponível em:< https://cidades.ibge.gov.br/brasil/pe/limoeiro/ panorama>. Acesso em: 23 de set. 2019.

Bardin, L. Análise de conteúdo. Lisboa: Edições 70; 2009.

Paim, JS. Desafios para a Saúde Coletiva no século XXI. Salvador: EDUFBA; 2006. Pág. 104.

Cavalcante S, Franco MFA . Profissão perigo: percepção de risco à saúde entre os catadores do Lixão do Jangurussu. Revista Mal-Estar e Subjetividade. 2007; 7(1): 211-231.

Ramos-Pintel, HM. Descarte de medicamentos e perfurocortantes no Distrito Federal: um olhar sobre a sociedade e os catadores de materiais recicláveis. (Dissertação). Brasília: Universidade de Brasília; 2017.

Colvero DA, Souza SM. Avaliação de riscos ocupacionais aos catadores de materiais recicláveis: estudo de caso no município de Anápolis, Goiás, Brasil. Revista Tecnologia e Sociedade. 2016;12(26):161-177.

Silva MJ, Silva MMD, Neves HJP. A qualidade do envelhecimento dos trabalhadores catadores da associação de Caruaru-PE. In: Congresso Nacional de Envelhecimento Humano. V. 2, n. 1. Campina Grande: Anais CIEH, 2015.

Ramos MMG. Importância do uso dos equipamentos de proteção individual para os catadores de lixo. (Dissertação). Salvador: Atualiza-Associação Cultural; 2012.

Dobrachinski L, Dobrachinski MMM. Condições de vida, trabalho e saúde dos catadores de materiais recicláveis do lixão de um município do oeste da Bahia. Hígia: Revista de Ciências da Saúde do Oeste Baiano. 2016; 1(1):18-45. Disponível em: file:///C:/Users/olive/Downloads/105-323-1-PB.pdf Acesso em 02 Mai 2021.

Cavalcante LPS, Silva MMP, Barros KNNO, Lima VLA. Catadores de materiais recicláveis e vulnerabilidades socioambientais: cenário de um lixão no sertão paraibano. In: Giovanni Seabra (Org.). Educação ambiental: ensino, pesquisa e práticas aplicadas. 1ed.Ituiutaba: Barlavento, 2017, p. 263-277.

Romano RN, Queiroga Filho E, Figueiredo EO, Lira IP, Lima EQ. Avaliação das Enteroparasitoses em Crianças e Adultos na Comunidade do Lixão Município Patos, Paraíba-Brasil. Brazilian Journal of health Review. 2019; 2(6):6124-6136. Disponível em: https://www.brazilianjournals.com/index.php/BJHR/article/view/5625 Acesso em 04 Mai 2021.

Gomes JR. O mundo do trabalho e a condição de vida dos trabalhadores da catação, uma breve análise. Revista Serviço Social em Perspectiva. 2018; Anais do I Encontro Norte Mineiro de Serviço Social – I ENMSS: 339-351.

LutinskI JA, Neves LM, Quadros SO, Busato MA, Ferraz L. Catadores de materiais recicláveis: perfil social e riscos à saúde associados ao trabalho. Revista Brasileira de Geografia Médica e da Saúde. 2017;13(24):162-174.

Lima SAV, Silva MRF, Carvalho EMF, Cesse EAP, Brito ESV, Braga JPR. Elementos que influenciam o acesso à atenção primária na perspectiva dos profissionais e dos usuários de uma rede de serviços de saúde do Recife. Physis- Revista de Saúde Coletiva. 2015; 25(2): 635-656.

Sousa FOS, Medeiros KR, Gurgel Júnior GD, Albuquerque PC. Do normativo à realidade do Sistema Único de Saúde: revelando barreiras de acesso na rede de cuidados assistenciais. Cienc. Saúde Coletiva. 2014; 19(4):1283-1293.

Santos MC, Andrade ML, Lima VS, Silva GC. Perfil da automedicação por clientes de uma farmácia privada em cidade do Agreste de Pernambuco. Rev. Bra. Edu Saúde. 2020; 10(2): 50-56.

Coelho APF, Beck CLC, Fernandes MNS, Freitas NQ, Prestes FC, Tonel JZ. Mulheres catadoras de materiais recicláveis: condições de vida, trabalho e saúde. Revista Gaúcha de Enfermagem. 2016; 37(3): e57321.

Downloads

Publicado

2022-05-10

Edição

Seção

Artigos Originais