EMPREGABILIDADE DE PESSOAS COM DEFICIÊNCIA: RELATO DE PRÁTICAS DE INCLUSÃO EM UM CENTRO DE REABILITAÇÃO

Silvia Tavares de Amorim, Mariana Pinheiro do Nascimento, Paola Alejandra Valenzuela Reyes, José Batista Luz Neto

Resumo


O reconhecimento das deficiências é uma expressão da diversidade humana e consequência da relação da condição física, sensorial, intelectual e mental das pessoas com o ambiente, o sistema e a sociedade. Pesquisas apontam que menos de 1% das pessoas com deficiência em idade ativa possuem vínculo empregatício. Considerando este panorama populacional, social e compreendendo o desenvolvimento profissional como algo imprescindível para o amadurecimento e construção da autonomia da pessoa com deficiência, foi idealizado e executado no Centro Integrado de Inclusão e Reabilitação (CIIR), localizado em Belém do Pará, o projeto “IncluiCIIR: capacitação profissional da PcD para o mundo do trabalho”.  A metodologia utilizada foi a do Emprego Apoiado e se estabeleceu como possibilidade profissional à PcD. Os participantes do projeto foram envolvidos em oficinas de ações educativas em caráter pontual e efetivo, paralelo a atividades, a priori, de cunho administrativo, num processo de imersão nas atividades laborais. O CIIR é aliado na busca por uma sociedade verdadeiramente inclusiva, apontando a necessidade e importância do direito à cidadania que a PcD possui. Entendemos que a inclusão da PcD no Mundo do Trabalho, vai além do cumprimento legal, é um direito previsto na Declaração Universal dos Direitos Humanos. Fomentar o acesso de PcDs em espaços socialmente negados é uma ação que corrobora para melhoria da saúde, autoestima, qualidade de vida e garantia de direitos do/a cidadão/ã com deficiência, além de atender a dimensão do valor do trabalho em nossa sociedade como atividade terapêutica e social.


Texto completo:

Sem título

Referências


Who. Organização Mundial da Saúde. Relatório Mundial sobre a deficiência. The World Bank. 2011.

Dias, A. Por uma genealogia do capacitismo: da eugenia estatal a narrativa capacitista social. I Simpósio Internacional de Estudos sobre a Deficiência. 2013.

Ibge. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Atlas do censo demográfico 2010. Rio de Janeiro: Brasil. 2013.

Brasil. Ministério do Trabalho. Relação Anual de Informações Sociais, Brasília, DF, 2015. Available from: http://pdet.mte.gov.br/anuario-rais.

Onu. Organização das Nações Unidas. Centro de Informações das Nações Unidas para o Brasil. Transformando Nosso Mundo: A Agenda 2030 para o Desenvolvimento Sustentável. Rio de Janeiro: Brasil. 2015.

Its Brasil. Instituto de Tecnologia Social. O que é emprego apoiado. São Paulo: Brasil. 2018.

Simonelli, A.P., & Camarotto, J.A. Industrial task analysis aproach as a tool for inclusion of peoples whit special needs in the work market. Occupational Therapy International. São Carlos: Brasil.2008.

Santos, A., Gomide, U., & Rezende, E. Profissionalização da pessoa com deficiência: aspectos históricos. A pessoa com deficiência no mercado de trabalho. São Carlos: Brasil.

Meletti, SMF. O significado do processo de profissionalização para o indivíduo com deficiência mental. Brasil. 2001.

Onu. Declaração Universal dos Direitos Humanos. Assembleia Geral das Nações Unidas em Paris. Paris: França. 1948.




DOI: https://doi.org/10.18310/2446-4813.2021v7n2p%25p

DOI (Sem título): https://doi.org/10.18310/2446-48132021v7n2.3479g724

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


A revista Saúde em Redes (ISSN 2446-4813) foi classificada pelo Sistema Qualis-Periódico da CAPES no Quadriênio 2014/2016, período de sua criação, no estrato B1 na área de Ensino, no estrato B4 nas áreas de Enfermagem, Interdisciplinar, Psicologia, Saúde Coletiva e Serviço Social e no estrato B5 nas áreas de Geociências e Medicina II. A Saúde em Redes é indexada na Base LILACS.

Indexada no LatindexDiadorim; Google Acadêmico; DOAJ; COLECIONASUS