A interprofissionalidade qualificando o atendimento às gestantes na Atenção Primária à Saúde

Autores

DOI:

https://doi.org/10.18310/2446-4813.2021v7n2p295-304

Resumo

Objetivo: Relatar a experiência referente a atendimentos compartilhados às gestantes na Atenção Primária à Saúde no município de Guaiuba (CE), evidenciando a oferta do cuidado ampliado como recurso para o fortalecimento de vínculos entre usuárias e  Equipes de Saúde da Família e, também, analisando a importância do exercício da interprofissionalidade para a qualificação da atenção à saúde. Métodos: Trata-se de um relato de experiência de natureza descritiva e abordagem qualitativa, desenvolvido a partir da atuação conjunta entre uma assistente social (residente) e duas enfermeiras nas consultas de pré-natal  em duas Unidades Básicas de Saúde de Guaiuba (CE), entre 11 de março e 25 de junho de 2020. Resultados:  Com escuta qualificada e uso de uma linguagem mais acessível, orientamos as usuárias sobre seus direitos e discutimos sobre os determinantes e condicionantes que afetam sua saúde. Discussão: O exercício da interprofissionalidade contribui para melhorar a segurança do paciente, colabora para humanizar as práticas e o bem-estar dos próprios trabalhadores e  abre a possibilidade de uma praxis diferente devido à integração de conhecimentos. Considerações finais: A experiência foi bem sucedida e fundamental para a efetivação do cuidado integrado às gestantes com base em um serviço acolhedor e inclusivo, servindo como parâmetro para as usuárias dos territórios adscritos das UBS participantes. Ademais, o(a) assistente social na saúde precisa buscar a efetivação do Projeto Ético-Pólítico da profissão para atingir seus objetivos e fazer com que os demais profissionais compreendam sua atuação, entendendo quais demandas devem ser compartilhadas com o Serviço Social. Palavras-chave: Atenção Primária à Saúde; escuta qualificada; integralidade em saúde; interprofissionalidade.

Biografia do Autor

VÂNIA ALVES ALVES DE ARAÚJO, ESCOLA DE SAÚDE PÚBLICA DO CEARÁ

ASSISTENTE SOCIAL RESIDENTE DO PROGRAMA DE RESIDÊNCIA INTEGRADA COM ÊNFASE EM SAÚDE DA FAMÍLIA E COMUNIDADE DA ESCOLA DE SAÚDE PÚBLICA DO CEARÁ.

Referências

BRASIL. Lei n. 8.080, de 19 de setembro de 1990: dispõe sobre as condições para a promoção, proteção e recuperação da saúde, a organização e o funcionamento dos serviços correspondentes e dá outras providências. Brasília, 1990.

Ministério da Saúde. Portaria de Consolidação nº 02, Anexo XXII, de 28 de setembro de 2017. Aprova a Política Nacional de Atenção Básica. Brasília: Ministério da Saúde, 2017. Disponível em: <http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2017/prc0002_03_10_2017.html> Acesso em 16 de abr. de 2021.

BRASIL. Ministério da Saúde. Portaria 154 de 24 de janeiro de 2008. Cria os Núcleos de Apoio à Saúde da Família - NASF. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Brasília, DF, 2008. Disponível em: . Acesso em: 16 de abr. 2021.

Departamento de Saúde da Família, Secretaria de Atenção Primária à Saúde, Ministério da Saúde. Nota Técnica nº 3/2020-DESF/SAPS/MS. Núcleo Ampliado de Saúde da Família e Atenção Básica (NASF-AB) e Programa Previne Brasil. Brasília: Ministério da Saúde; 2020. Disponível em: Acesso em: 13 de fev. 2020.

ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DA SAÚDE (OMS). Diminuindo diferenças: a prática das políticas sobre determinantes sociais da saúde. Genebra: OMS, 2011. Disponível em: < www.who.int/sdhconference/discussion_paper/Discussion_Paper_PT.pdf > Acesso em: 05 de jan. 2020.

Ministério da Saúde (BR). Secretaria de Atenção à Saúde. Politica Nacional de Humanização da Atenção e Gestão do SUS. Clínica Ampliada e Compartilhada. Brasília: Ministério da Saúde, 2009. Disponível em: < hp://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/clinica_ampliada_comparlhada.pdf > Acesso em: 05 de jan. 2020.

MATUDA, Caroline Guinoza et al. Colaboração interprofissional na Estratégia Saúde da Família: implicações para a produção do cuidado e a gestão do trabalho. Ciência & Saúde Coletiva, [s.l.], v. 20, n. 8, p.2511-2521, ago. 2015. FapUNIFESP (SciELO). http://dx.doi.org/10.1590/1413-81232015208.11652014.

CECCIM, Ricardo Burg. Interprofissionalidade e experiências de aprendizagem: inovações no cenário brasileiro. Interprofissionalidade e formação na saúde: onde estamos?. Porto Alegre, ed. 1, p. 49-67. Rede Unida, 2017.

BRAVO. Maria Inês Souza. Saúde e serviço social. – 2. Ed. – São Paulo, Cortez, 2006. p. 117-134.

Japiassu H. Interdisciplinaridade e patologia do saber. Rio de Janeiro: Imago; 1976.

FRANKE, Carolime Maia; IANISKI, Valéria Baccarin; HAAS, Linda Cristina Sangoi. O atendimento compartilhado na perspectiva da atuação multiprofissional na Atenção Primária à Saúde. Revista Contexto & Saúde. vol. 18, n. 35, p. 111-115. jul./dez. 2018.

BRASIL. Resolução nº 466, de 12 de dezembro de 2012. Dispõe sobre diretrizes e normas regulamentadoras de pesquisas envolvendo seres humanos. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Brasília, DF, 13 jun. 2013. Disponível em: <http://bit.ly/1mTMIS3> Acesso em: 10 de abr. 2020.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Gestão Estratégica e Participativa. Política Nacional de Educação Popular em Saúde. Brasília, DF: MS; Sgep, 2012. Disponível <http://www.crpsp.org.br/diverpsi/arquivos/PNEPS-2012.PDF> Acesso em: 05 de mai. 2020.

BRASIL. Lei nº 9.263, de 12 de Janeiro de 1996. Regula o §7º do art. 226 da Constituição Federal, que trata do planejamento familiar, estabelece penalidades e dá outras providências. Brasília, DF: Presidência da República, [1996]. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l9263.htm>. Acesso em: 03 de out. 2020.

BRASIL. Lei n. 11.108, de 7 de abril de 2005. Altera a Lei no 8.080, de 19 de setembro de 1990, para garantir às parturientes o direito à presença de acompanhante durante o trabalho de parto, parto e pós-parto imediato, no âmbito do Sistema Único de Saúde [Internet]. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2004-2006/2005/Lei/L11108.htm> Acesso em: 03 de out. 2020.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Ações Programáticas Estratégicas. Política nacional de atenção integral à saúde da mulher: princípios e diretrizes – Brasília: Ministério da Saúde, 2004.

ANUNCIAÇÃO, Patrícia Sampaio de et al. Revés de um parto: relatos de mulheres que perderam o filho no período neonatal. Cadernos de Saúde Pública. São Luis, v. 12, n. 34. 2018. Disponível em: <http://www.scielo.br/pdf/csp/v34n12/1678-4464-csp-34-12-e00190517.pdf> Acesso em: 15 de out. 2020.

CECCIM, Ricardo Burg. Conexões e Fronteiras da Interprofissionalidade: forma e formação. Interface: Comunicação, Saúde e Educação. Botucatu, v. 2, n. 22, p. 1739-1749, 27 ago. 2018.

MERCER, Hugo. Interprofissionalidade e ousadia: sobre “Conexões e fronteiras da interprofissionalidade: forma e formação”. Debates: Interface Comunicação, Saúde e Educação, Botucatu, n. 22, p. 1757-1759, 29 ago. 2018. Disponível em: < www.scielosp.org/article/icse/2018.v22suppl2/1757-1759/pt/> Acesso em: 02 de dez. 2020.

PEDUZZI, Marina et al. Trabalho em equipe, prática e educação interprofissional. Clínica médica. Disponível em: https://edisciplinas.usp.br/pluginfile.php/3011330/mod_resource/content/1/Trabalho%20em%20equipe.pdf Acesso em: 04 de jan.2021.

IAMAMOTO, Marilda, Vilela. O Serviço Social na Contemporaneidade: trabalho e formação profissional. - 3. ed. - São Paulo, Cortez, 2000. Parte I.

Downloads

Publicado

2021-12-01