Um Breve Relato da Atenção Domiciliar em Manaus-AM.

Leida Reny Borges Bressane

Resumo


O aumento populacional, o processo de urbanização e o envelhecimento da população contribuem para o avanço das doenças crônico-degenerativas, psicossomáticas, neoplasias, violência urbana, acidentes no trânsito, entre outros fatores que convergem para uma transição epidemiológica. O modelo de Atenção Domiciliar no Sistema Único de Saúde surge como a possibilidade de potencializar soluções e respostas que atendam às demandas da população, que possa ser reconhecida como importante componente da Rede, integrada e articulada aos diversos serviços, contribuindo para o aumento da rotatividade dos leitos da Rede de Urgência e Emergência com vistas à promoção do cuidado humanizado na sua Integralidade. A Educação Permanente em Saúde Humanizada mostra-se como importante ferramenta a ser utilizada para a revisão das práticas, reorganização e qualificação dos processos de trabalho em saúde, envolvendo o profissional e o gestor na oferta de cuidados com perspectiva de aumentar a qualidade da atenção.


Texto completo:

PORTUGUÊS

Referências


Mendes EU. (2001). As redes de atenção à saúde. Brasília: Organização Pan-Americana da Saúde, 2ª edição, 549 p.: il. ISBN: 978-85-7967-075-6.

Schramm JMA, Oliveira AF, Leite IC, Valente JG, Jourdan AMG, Portela MC, Campos MRC. (2004). Transição Epidemiológica e o estudo de carga de doença no Brasil. Ciên. Saúde Coletiva. 9(4): 897-908. ISSN 1678-4561.

Backes, MTS; Rosa, LM; Fernandes, GCM; Becker, SG; Meirelles, BHS; Santos, SMA. (2009). Conceitos de saúde e doença ao longo da história sob o olhar epidemiológico e antropológico. Rev. Enfermagem. UERJ, Rio de Janeiro, jan/mar; 17(1):111.

Brasil. (2011). Ministério da saúde. Portaria GM n. 2527 de 27 de outubro de 2011. Redefine a Atenção Domiciliar no âmbito do Serviço Único de Saúde [Internet]. Brasília: Ministério da Saúde; [acesso em 20 Set 2020]. http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2011/prt2527_27_10_2011.html

Feuerwerker, LCM & Merhy, EE. (2008). A contribuição da atenção domiciliar para a configuração de redes substitutivas de saúde: desinstitucionalização e transformação de práticas. Ver. Panam. Salud Publica. 24(3):180–8.

Loyola CMD. (2008). Cuidado Continuado. In: Giovanella L, Escorel S, Lobato LVC, Noronha JC, Carvalho AI. (Orgs.). Políticas e Sistema de Saúde no Brasil. Rio de Janeiro: Editora Fiocruz; Centro Brasileiro de Estudos de Saúde. p. 959-978;

Brasil. (2006). Ministério da Saúde. Resolução RDC nº11 de 22 de janeiro de 2006. Dispõe sobre o regulamento Técnico do Funcionamento de serviços que prestam atenção domiciliar [Internet]. Diário Oficial da República Federativa do Brasil, Brasília, seção I, Supl. N.21, p. 1-2 de 30 de janeiro de 2006. http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/anvisa/2006/res0011_26_01_2006.html

Brasil. (2012). Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Caderno de Atenção Domiciliar. Volume 1. Brasília: MS;

Brasil. (2016). Ministério da Saúde. Portaria GM - MS nº 825 de 25 de abril de 2016. Redefine a Atenção Domiciliar no âmbito do Sistema Único de Saúde [Internet]. Brasília: Ministério da Saúde.

Cunha DA. (2020). Aprender a interagir: tensões e lições da educação permanente em saúde na atenção domiciliar na Secretaria de Estado de Saúde do Amazonas. Tese de doutorado, Universidade Federal do Amazonas, Manaus, AM, Brasil.




DOI: https://doi.org/10.18310/2446-4813.2021v7n2p%25p

DOI (PORTUGUÊS): https://doi.org/10.18310/2446-48132021v7n2.3566g678

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


A revista Saúde em Redes (ISSN 2446-4813) foi classificada pelo Sistema Qualis-Periódico da CAPES no Quadriênio 2014/2016, período de sua criação, no estrato B1 na área de Ensino, no estrato B4 nas áreas de Enfermagem, Interdisciplinar, Psicologia, Saúde Coletiva e Serviço Social e no estrato B5 nas áreas de Geociências e Medicina II. A Saúde em Redes é indexada na Base LILACS.

Indexada no LatindexDiadorim; Google Acadêmico; DOAJ; COLECIONASUS