ESTRATÉGIAS EDUCATIVAS PARA AUMENTAR A ADESÃO AO EXAME PAPANICOLAU: a experiência da UBSF O-16, Manaus-AM.

Autores

  • Thalita Renata Oliveira das Neves Guedes Secretaria Municipal de Saúde de Manaus Instituto Leônidas e Maria Deane https://orcid.org/0000-0002-0146-2755
  • Josefa de Abreu Pereira Filha Escola de Saúde Pública de Manaus Secretaria Municipal de Saúde
  • Roxana Maribel Santillan Espinar Escola de Saúde Pública de Manaus Secretaria Municipal de Saúde
  • Rose Frank Paulina De Souza Escola de Saúde Pública de Manaus Secretaria Municipal de Saúde
  • Edmary Ribeiro Cavalcante Escola de Saúde Pública de Manaus Secretaria Municipal de Saúde
  • André Silva Veiga Escola de Saúde Pública de Manaus Secretaria Municipal de Saúde
  • Izi Caterini Paiva Alves Martinelli dos Santos Instituto Leônidas e Maria Deane – ILMD/Fiocruz Amazônia https://orcid.org/0000-0002-3641-0859
  • Júlio César Schweickardt Laboratório de História, Políticas Públicas e Saúde na Amazônia Instituto Leônidas e Maria Deane – ILMD/Fiocruz https://orcid.org/0000-0002-8349-3482
  • Ivamar Moreira da Silva Escola de Saúde Pública de Manaus Secretaria Municipal de Saúde

DOI:

https://doi.org/10.18310/2446-4813.2021v7n2p61-71

Resumo

O câncer do colo do útero é um problema de saúde pública no Brasil e atinge principalmente mulheres com maior dificuldade de acesso aos serviços de saúde, o exame papanicolau é de suma importância na prevenção do câncer de colo do útero. Objetivo: de Relatar os resultados das atividades educativas realizadas para usuárias da UBSF O-16 localizada no bairro da Compensa III, Manaus-AM, com a finalidade de aumentar a adesão ao exame Papanicolau. Método: A pesquisa-ação foi realizada em quatro etapas, sendo a inicial a capacitação da equipe de saúde e a criação do fluxo de atendimento, seguida da sensibilização dos(as) usuários(as) através da roda de conversa e oficina educativa com as mulheres na faixa etária estabelecida e no final a análise dos dados. Conclusões: Os resultados mostraram um aumento de 36,4% de coletas na faixa etária, em relação ao mesmo período do ano anterior. Conclui-se que a adequação no processo de trabalho, a implantação do fluxograma de atendimento e o aumento da oferta de coletas, culminaram em modificações de posturas cristalizadas, de modo a permitir o vínculo entre a equipe e as usuárias.

Referências

Instituto Nacional De Câncer José Alencar Gomes Da Silva. Exposições, a mulher e o câncer do colo do útero-2018. Disponível em: https://www.inca.gov.br/exposicoes/mulher-e-o-cancer-do-colo-do-utero-2018. Acesso em: 01 set. 2019.

Ministério da Saúde. Instituto Nacional De Câncer José Alencar Gomes Da Silva. Coordenação de Prevenção e Vigilância. Estimativa 2018: Incidência de câncer no Brasil. Rio de Janeiro: INCA, 2017.

Vanessa RA; Rodrigo VM; Clarany AL; Maria AL. Exame preventivo do câncer de colo do útero: conhecimento de mulheres. (2016). UFPE online, Recife, 10(Supl. 5):4208-18, nov. 2016.

Letícia Ferreira Castro, Exame papanicolaou: o conhecimento das mulheres sobre o preventivo e a estratégia do PSF no combate ao câncer de colo do útero. Uberaba/ Minas Gerais 2010. Pg.

Instituto Nacional De Câncer José Alencar Gomes Da Silva. Monitoramento das ações de controle dos cânceres do colo do útero e de mama. Informativo Detecção Precoce, Rio de Janeiro, ano 4, n.1, jan./abr. 2013. Disponível em: http://www1.inca.gov.br/inca/Arquivos/informativo_detecca_precoce_1_2013_4.pf. Acesso em: 01 set. 2019

A pesquisa-ação colaborativa como instrumento para construção de práticas educativas em creche / Stella Grimaldi — 2018. Tese (Doutorado em Educação Escolar) — Universidade Estadual Paulista "Júlio de Mesquita Filho", Faculdade de Ciências e Letras (Campus Araraquara). Orientador: Silvia Regina Ricco Lucato Sigolo.

Oliveira MAC, Fernandes ETBS, Merces MC, Fernandes TSS, Gomes AMT. Conhecimento e acesso de mulheres à prevenção do câncer de colo uterino. Enferm. Brasil. 2018; 17(6):685-693.

Nilza MAL; Ana KBP; Saiwori JSBA; Camila TMV; Nobre, Rianna NSN. Avaliação dos laudos citopatológicos de mulheres atendidas em um serviço de enfermagem ginecológica. REME rev. Min. enferm; 12(4): 508-515, out.-dez. 2008. tab, graf. Article de Portugais LILACS, BDENF - Infirmière |ID:lil-546848 Bibliothèque responsable: BR21.1

Rayane OAS, Thais AM, Alzira SBSM, Marcela AR. Adesão das mulheres ao serviço de prevenção de câncer de colo de útero no Município de Guanambi – BA. 2010 e 2013.

Brasil. Ministério da Saúde. Instituto Nacional do Câncer. Parâmetros técnicos para o rastreamento do câncer de colo do útero. Rio de Janeiro: Inca, 2019.

Brasil. Ministério da Saúde. Portaria nº 2.436, de 21 de setembro de 2017. Aprova a Política Nacional de Atenção Básica, estabelecendo a revisão de diretrizes para a organização da Atenção Básica, no âmbito do Sistema Único de Saúde (SUS). Brasília, DF: Ministério da Saúde, 2017.

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Controle dos cânceres do colo do útero e da mama / Ministério da Saúde, Secretaria de Atenção à Saúde, Departamento de Atenção Básica. – 2. ed. – Brasília: Editora do Ministério da Saúde, 2013.

Diretrizes brasileiras para o rastreamento do câncer do colo do útero / Instituto Nacional de Câncer José Alencar Gomes da Silva. Coordenação de Prevenção e Vigilância. Divisão de Detecção Precoce e Apoio à Organização de Rede. – 2. ed. rev. atual. – Rio de Janeiro: INCA, 2016.

Falkenberg, Mirian Benites Et al. Educação em saúde e educação na saúde: conceitos e implicações para a saúde coletiva. Ciênc. saúde coletiva, Rio de Janeiro, v. 19, n.3, p. 847-852, Mar. 2014. A

Instituto Nacional De Câncer José Alencar Gomes Da Silva. Monitoramento das ações de controle dos cânceres do colo do útero e de mama. Informativo Detecção Precoce, Rio de Janeiro, ano 4, n.1, jan./abr. 2013.

Instituto Nacional De Câncer José Alencar Gomes Da Silva. Monitoramento das ações de controle dos cânceres do colo do útero e de mama. Informativo Detecção Precoce, Disponível em: http://www1.inca.gov.br/inca/Arquivos/informativo_detecca_precoce_1_2013_4.pf. Acesso em: 01 set. 2019.

Brasil. Ministério da Saúde. Instituto Nacional do Câncer. Parâmetros técnicos para o rastreamento do câncer de colo do útero. Rio de Janeiro: Inca. 2019.

Brasil. Ministério da Saúde. Portaria nº 2.436, de 21 de setembro de 2017. Aprova a Política Nacional de Atenção Básica, estabelecendo a revisão de diretrizes para a organização da Atenção Básica, no âmbito do Sistema Único de Saúde (SUS). Brasília, DF: Ministério da Saúde, 2017.

Jeová Rodrigues Barbosa, o perigo no colo da mulher. Palmas Tocantins: Clube de Autores, 2017. p6

Reis VM, David HMSLD. O fluxograma analisador nos estudos sobre o processo de trabalho em saúde: uma revisão crítica. Rev APS. 2010; 13(1):118-125.

Downloads

Publicado

2021-12-01