O FINANCIAMENTO DOS SISTEMAS DE SAÚDE DO BRASIL E PORTUGAL: QUAL O FUTURO?

Janice Dornelles de Castro, Soraya Vargas Cortes

Resumo


O artigo examina as diferentes alternativas de financiamento dos sistemas de saúde pública no Brasil e Portugal, identificando o processo de organização, as modalidades de financiamento e o papel dos diferentes atores. A caracterização
detalhada do financiamento, idéias, crenças, interesses das partes, arranjos institucionais, mobilização de comunidades profissionais, coligações e poder de decisão foram realizados. As informações foram analisadas à luz do legado
institucional e do contexto político macro. O objetivo foi identificar os processos endógenos e peculiares em cada país e as características comuns relacionados com a ação de atores e processos institucionais supranacionais em relação à discussão de como as políticas de financiamento são definidas.


Palavras-chave


Sistemas de saúde; Financiamento da Assistência à Saúde; Saúde pública.

Texto completo:

PDF

Referências


Blas E. Adressing social determinants of health inequities: what can state and civil society do? The Lancet.2008;372:1684-89.

Fleury S. Reforma Sanitária Brasileira: dilemas entre o instituinte e o instituído. CiêncSaúde Coletiva. 2009; 14(3): 743-753.

Macieira D. Actores y reformas ensaludenAmerica Latina. Buenos Aires:Banco Interamericano de Desarrollo; 2007. Nota Técnica de Saúde 1.

Meniccucci TMG. Implementação da Reforma Sanitária: formação de uma política. Saúde Soc. 2006;15(2):72-87.

Santos NR. Política pública de saúde no Brasil: encruzilhada, buscas e escolhas de rumos. Ciência Saúde Coletiva. 2008; 13(sup 2):2009-2018.

Gallo E et al. Saúde Desenvolvimento e Globalização. Saúde Debate. 2005 29(71).

Mollo MLR, Fonseca PCD. Desenvolvimento e novo desenvolvimentismo: raízes teóricas e precisões conceituais. RevEcon Pol.2013 Abr/Jun 33(2): 222-239.

Jomo KS. Globalization, Liberalization and Equitable Development: Lessons from East Asia. Genebra: Unrisd; 2003.Paper No: 3: 35.

Morel CA pesquisa em saúde e os objetivos do milênio: desafios e oportunidades globais, soluções e políticas nacionais. Ciênc Saúde Coletiva. 2004 9(2): 261.

Gadelha CAG. Desenvolvimento, complexo industrial da saúde e política industrial. Rev SaúdePública. 2006 40: 11-23.

Who. Final Report Commissionon the Social Determinants of Health: Closing the gap in a generation. Genebra. WHO; 2008.

Mirvis DM, Chang, C. The relationship between health and development: health as an economic engine. J Health Human Serv Adm. 2008 31(1):30-57.

Borrell C, Artazcoz L. Las Politicas para disminuirlas desigualdades ensalud. GacSanit. 2008 22(5):446-73.

Fleurbaey M,Schokkarert E. Unfair inequalities in health and health care. E. J Health Econ. 2009 28: 73-90.

Marmot M. Achieving health equity: from root causes to fair outcomes. The Lancet. 2007 370.

Gadelha CAG, et al. Saúde e territorialização na perspectiva do desenvolvimento. Ciênc Saúde Coletiva. 2011junho 16(6): 3003-3016.

Viana ALD, Elias PEM. Saúde e Desenvolvimento. Ciên saúde coletiva. 2007 12 (Sup): 1765-1777.

Luiz OC, et al. Diferenciais intermunicipais de condições de vida e saúde: construção de um indicador composto. Rev. Saúde Pública. 2009 34(1):115-22.

Offe C. Problemas Estruturais do Estado Capitalista. Rio de Janeiro: Tempo Brasileiro; 1984.

Cohen JL. Sociedade civil e globalização: repensando categorias: repensando categorias. Dados: Rev Ciências Sociais. 2003 3(46):419-459.

PaimJ, et al. O sistema de saúde brasileiro: a historia, avanços e desafios. The Lancet [Internet]. 2011 [cited 2011 maio 9] 11-31. Available from: www.thlancet.com.

Bêrni DA. Técnicas de pesquisa em economia. São Paulo: Saraiva; 2002.

Cortes SMV. Relatório de Pesquisa. Sociedade e Políticas Públicas: construção da agenda governamental na área de saúde. Porto Alegre: UFRGS; 2013.




DOI: https://doi.org/10.18310/2446-4813.2015v1n2p31-42

DOI (PDF): https://doi.org/10.18310/2446-48132015v1n2.590g39

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


A revista Saúde em Redes foi classificada pelo Sistema Qualis-Periódico da CAPES no Quadriênio 2014/2016, período de sua criação, no estrato B1 na área de Ensino, no estrato B4 nas áreas de Enfermagem, Interdisciplinar, Psicologia, Saúde Coletiva e Serviço Social e no estrato B5 nas áreas de Geociências e Medicina II. Novidade 2019: a Saúde em Redes foi aprovada para indexação na Base LILACS.

Indexada no LatindexDiadorimDOAJ; COLECIONASUS