FORMULAÇÃO E IMPACTO DO PROGRAMA MAIS MÉDICOS NA ATENÇÃO E CUIDADO EM SAÚDE: CONTRIBUIÇÕES INICIAIS E ANÁLISE COMPARATIVA

Autores

  • Janaina Matheus Collar Mestranda do Programa de Pós-Graduação em Saúde ColetivaUniversidade Federal do Rio Grande do Sul.
  • João Beccon de Almeida Neto Doutorando no Programa de Pós- Graduação em Bioética e Saúde Coletiva (UFF/UFRJ/UERJ/FIOCRUZ). Professor da Universidade Federal de Juiz de Fora – Faculdade de Direito.
  • Alcindo Antônio Ferla Doutor em Educação. Professor Adjunto da Escola de Enfermagem da Universidade Federal do Rio Grande do Sul. https://orcid.org/0000-0002-9408-1504

DOI:

https://doi.org/10.18310/2446-4813.2015v1n2p43-56

Palavras-chave:

Mais Médico, Integralidade em Saúde, Atenção Básica, Direitos Humanos

Resumo

O presente trabalho analisa a implantação do Programa Mais Médicos no Brasil e suas potenciais repercussões na atenção básica e seus potenciais reflexos na qualificação da rede e de infraestrutura necessária para potencializar e ampliar os atendimentos. Para tanto, foi realizada análise histórico-comparativa da relavância da  saúde nos contextos institucionais e políticos desde a Declaração de Alma-Ata e a Legislação do SUS até a implementação do Programa, contextualizado, comparativamente, a partir de duas experiências internacionais de política de distribuição de médicos reguladas pelo poder público. As análises foram feitas com base em pesquisa bibliográfica e documental. Ações desenvolvidas no Brasil hoje, com e a partir do Programa Mais Médicos, vão ao encontro da tendência de medidas que visam maximizar não apenas o acesso a um cuidado nas práticas em saúde de forma equânime para todos os brasileiros, mas fornece ferramentas, para o desenvolvimento de agentes que sejam protagonistas da atenção e das práticas dos direitos humanos, sejam eles usuários, profissionais de saúde ou gestores.

Referências

CECCIM, RB, CARVALHO, YM. ENSINO DA SAÚDE COMO PROJETO DA INTEGRALIDADE: A EDUCAÇÃO DOS PROFISSIONAIS DE SAÚDE NO SUS. IN: ENSINAR SAÚDE: A INTEGRALIDADE E O SUS NOS CURSOS DE GRADUAÇÃO NA ÁREA DA SAÚDE. RIO DE JANEIRO: ABRASCO; 2006: 69-92.

PNH, POLÍTICA NACIONAL DE HUMANIZAÇÃO. [201?] DISPONÍVEL EM: . ACESSO EM: 26 JUN 2014.

CECCIM, RB, FEUERWERKER, LCM. O QUADRILÁTERO DA FORMAÇÃO PARA A ÁREA DA SAÚDE: ENSINO, GESTÃO, ATENÇÃO E CONTROLE SOCIAL. PHYSIS, RIO DE JANEIRO, 14(1); 2004: 41-65. DISPONÍVEL EM: . ACESSADO EM: 18 JUN 2014.

HABERMAS, J. A INCLUSÃO DO OUTRO: ESTUDOS DE TEORIA POLÍTICA. SÃO PAULO: LOYOLA; 2002.

AYRES, JRCM. ORGANIZAÇÃO DAS AÇÕES DE ATENÇÃO À SAÚDE: MODELOS E PRÁTICAS SAÚDE E SOCIEDADE, SÃO PAULO, 18, SUPPL.2; 2009: 11-23. DISPONÍVEL EM:< HTTP://WWW.SCIELO.BR/SCIELO.PHP?SCRIPT=SCI_PDF&PID=S010412902009000600003&LNG=PT&NRM=ISO&TLNG=PT >. ACESSO EM: 14 OUT 2011.

FERLA, AA, MATOS, IB. PARTICIPAÇÃO NA SAÚDE: TEORIAS E PRÁTICAS REVITALIZADAS NOS TRABALHOS DO PRÊMIO SÉRGIO AROUCA DE GESTÃO PARTICIPATIVA NA SAÚDE. SAÚDE E SOCIEDADE. 21. SÃO PAULO; 2012: 8-17.

GIOVANELLA, L. ET AL. SISTEMAS DE SALUD EN SURAMÉRICA: DESAFIOS PARA LA UNIVERSALIDAD, LA INTEGRALIDAD Y LA EQUIDAD. RIO DE JANEIRO: ISAGS; 2012.

FRANCO, TB. AS REDES NA MICROPOLÍTICA DO PROCESSO DE TRABALHO EM SAÚDE, IN PINHEIRO E MATTOS (ORGS.). GESTÃO EM REDES. RIO DE JANEIRO: CEPESC-IMS/UERJ-LAPPIS; 2006.

OLIVEIRA ET AL. MAIS MÉDICOS: UM PROGRAMA BRASILEIRO EM UMA PERSPECTIVA INTERNACIONAL. BLOG INTERFACE: COMUNICAÇÃO, SAÚDE, EDUCAÇÃO; 2014. DISPONÍVEL EM . ACESSO EM: 28 NOV 2014.

INSTITUTO DE PESQUISA ECONÔMICA APLICADA (IPEA). SISTEMA DE INDICADORES DE PERCEPÇÃO SOCIAL (SIPS): SAÚDE. BRASILIA: IPEA; 2011. DISPONÍVEL EM: . ACESSO EM: 17 JUN 2015.

BRASIL. MINISTÉRIO DA SAÚDE. MAIS MÉDICOS. BRASÍLIA; 2014. DISPONÍVEL EM: . ACESSADO EM: 08 OUT 2014.

BRASIL. MINISTÉRIO DA SAÚDE. SECRETARIA DE GESTÃO DO TRABALHO E DA EDUCAÇÃO NA SAÚDE. PROGRAMA MAIS MÉDICOS – DOIS ANOS: MAIS SAÚDE PARA OS BRASILEIROS. BRASÍLIA: MINISTÉRIO DA SAÚDE, 2015.

BRASIL. MINISTÉRIO DA SAÚDE. SECRETARIA DE GESTÃO DO TRABALHO E DE EDUCAÇÃO NA SAÚDE . EDITAL Nº 50, DE 16 DE AGOSTO DE 2013. ADESÃO DOS MÉDICOS AO PROJETO MAIS MÉDICOS PARA O BRASIL. DIÁRIO OFICIAL DA UNIÃO, BRASÍLIA; 19 AGO. 2013. DISPONÍVEL EM: . ACESSO EM: 2 DEZ 2014.

BRASIL. MINISTÉRIO DA SAÚDE. MAIS MÉDICOS. BRASÍLIA; 2014. DISPONÍVEL EM: . ACESSADO EM: 08 OUT 2014.

BRASIL. MINISTÉRIO DA SAÚDE . MAIS MÉDICOS. BRASÍLIA; 2014. DISPONÍVEL EM: . ACESSADO EM: 08 OUT 2014.

CARVALHO, MS, SOUZA, MF. COMO O BRASIL TEM ENFRENTADO O TEMA PROVIMENTO DE MÉDICOS? INTERFACE, 17 (47). BOTUCATU; 2013. DISPONÍVEL EM: . ACESSADO EM: 02 DEZ 2014.

WIESE, M, JOLLEY, G, BAUM, F, FREEMAN, T, KIDD, M. AUSTRALIA’S SYSTEMS OF PRIMARY HEATHCARE – THE NEED FOR IMPROVED COORDINATION AND AMPLICATIONS FOR MEDICAR LOCALS. AUSTRALIAN FAMILY PHYSICIAN. 40 (12); DECEMBER 2011.

VISCOMI, M, LARKINS, S, GUPTA T. RECRUTMENT AND RETENTION OF GENERAL PRACTITIONERS IN RURAL CANADA AND AUSTRALIA: A REVIEW OF THE LITERATURE. CANADIAN JOURNAL OF RURAL MEDICINE, 18 (1); 2013: 13-23.

AUSTRALIAN GOVERNMENT DEPARTMENT OF HEALTH (AUSTRÁLIA). REVIEW OF THE AUSTRALIAN GOVERNMENT HEALTH WORKFORCE PROGRAMS, DE 24 MAI 2013. DISPONÍVEL EM: . ACESSO EM: 02 DEZ 2014.

CLARKE, TR, FREEDMAN, SB, CROFT, AJ. MEDICAL GRADUATES BECOMING RURAL DOCTOR: RURAL BACKGROUND VERSUS EXTENDED RURAL PLACEMENT. MED J, 199 (11); 2013: 779-782.

WORLD HEALTH ORGANIZATION. HEALTH SYSTEM IN TRANSITION, UNITED STATES OF AMERICA: HEALTH SYSTEM REVIEW, 15 (3); 2013. DISPONÍVEL EM: . ACESSO EM: 02 DEZ 2014.

LORIN, J. MEDICAL SCHOOL AT $278,000 MEANS EVEN BERNANKE SON HAS DEBT. REVISTA BLOOMBERG. [INTERNET] 08 DE ABRIL DE 2013. DISPONÍVEL EM: . ACESSADO EM: 02 DEZ 2014.

KAHN, MJ, RONALD, J, MARKERT, FA, LOPEZ, SS; RANDALL, H;KRANE, K. IS MEDICAL STUDENT CHOICE OF A PRIMARY CAR RESIDENCY INFLUENCED BY DEBT?MEDGENMED; 2006, 8(4):18.

ARAÚJO E, MAEDA A . HOW TO RECRUIT AND RETAIN HEALTH WORERS IN RURAL AND REMOTE AREAS IN DEVELOPING COUNTRIES. IN: BANK W, ED. WASHINGTON D.C., USA: WORD BANK; 2013.

CHOPRA, M, MUNRO, S, LAVIS, JN, VIST, G, BENNETT, S. EFFECTS OF POLICY OPTIONS FOR HUMAN RESOURCE FOR HEALTH: AN ANALYSIS OF SYSTEMATIC REVIEWS. LANCET, 371; 2008: 668-674.

WILSON ET AL. A CRITICAL REVIEW OF INTERVENTIONS TO REDRESS THE INEQUITABLE DISTRIBUTION OF HEALTHCARE PROFESSIONALS TO RURAL AND REMOTE ÁREAS. RURAL REMOTE HEALTH, 9; 2009:1060.

AUSTRALIAN GOVERNMENT (AUSTRÁLIA). DEPARTMENT OF HEALTH; 2014. WORK AS A DOCTOR IN AUSTRALIA. DISPONÍVEL EM . ACESSO EM: 02 DEZ 2014.

UNITED STATES DEPARTMENT OF HOMELAND SECURITY SECURITY (ESTADOS UNIDOS DA AMERICA). CITIZENSHIP AND IMMIGRATION SERVICES. CONRAD 30 PROGRAM; 2014. DISPONÍVEL EM: . ACESSADO EM: 02 DEZ 2014.

American Medical Associations, IMGs in the U.S. Physician Workforce Discussion Paper; 2009. Disponível em: <http://www.ama-assn.org/ama/pub/about-ama/our-people/member-groups-sections/international-medical-graduates/imgs-in-united-states.page?>. Acessado em: 2 dez 2014

Crisp, N, Chen, L. Global Supply of Health Professionals, N Engl J Med, 370; 2013: 950-957.

Krieger, N. Glossary for social epidemiology. J Epidemiol Community Health, 5; 2001: 693-700.

Organização das Nações Unidas. Declaração Universal dos Direitos Humanos; 1948. Disponível em: <http://portal.mj.gov.br/sedh/ct/legis_intern/ddh_bib_inter_universal.htm>. Acesso em 10 jul 2013.

Downloads

Publicado

2015-10-24

Edição

Seção

Artigos Originais