AVALIAÇÃO DA ATENÇÃO BÁSICA: A OUVIDORIA ATIVA COMO ESTRATÉGIA DE FORTALECIMENTO DO CUIDADO E DA PARTICIPAÇÃO SOCIAL

Hêider Aurélio Pinto, Andréia Burille, Mirceli Goulart Barbosa, Alcindo Antônio Ferla

Resumo


Objetivo: Refletir sobre os dados divulgados pelo “Relatório de Pesquisa de Satisfação com cidadãos usuários e não usuários do Sistema Único de Saúde (SUS)”, elencados pelo dispositivo de Ouvidoria Ativa em Saúde. Métodos: Apresenta-se uma análise crítica-reflexiva a partir de dados secundários, apresentados em 3 eixos: 1) quem são os usuários do SUS; 2) Atenção Básica (AB)- referência do cuidado; 3) Satisfação com o SUS. Resultados: Dentre os 26.692 usuários ouvidos pela pesquisa, 70% mencionaram a utilização do SUS, em contrapartida a 30% que não utilizaram estes serviços. Em relação ao perfil dos entrevistados, evidencia-se no grupo que utilizou nos últimos 12 meses o serviço de AB ou de urgência do SUS que 77% das pessoas entrevistadas não possuem plano de saúde. Dentre os entrevistados que responderam ter utilizado algum serviço do SUS, 85% deles haviam sido atendidos nas Unidades Básicas de Saúde (UBS). Dentre aqueles que buscaram algum serviço do SUS, 36% atribuíram o conceito de muito bom ou bom, 34% de regular, seguido de 29% que consideraram como ruim ou muito ruim. No grupo composto por entrevistados que não acessaram nenhum serviço do SUS nos últimos 12 meses os percentuais ficaram em 25% com avaliação muito boa ou boa, 30% como regular e 45% como ruim ou muito ruim. Conclusões: O panorama elucidado mostra avanços significativos em relação ao SUS, e em especial, ao que corresponde à AB. Cabe destacar a potência da Ouvidoria Ativa no fortalecimento do SUS e na operacionalização dos seus princípios, diretrizes e serviços.


Palavras-chave


ouvidoria dos pacientes; atenção básica à saúde; Sistema Único de Saúde.

Texto completo:

PDF

Referências


SILVA JUNIOR, Aluisio Gomes da; MASCARENHAS, Mônica Tereza Machado. Avaliação da Atenção Básica em Saúde sob a ótica da Integralidade: aspectos conceituais e metodológicos. In: PINHEIRO, Roseni; MATTOS, Rubén Araújo de. Cuidado: as fronteiras da integralidade. Rio de Janeiro: CEPESC-IMS/UERJ/ABRASCO. 2008. P. 243-260.

BRASIL. Ministério da Saúde. Portaria GM nº 1.654, de 21 de outubro de 2011. Aprova a Política Nacional de Atenção Básica, estabelecendo a revisão de diretrizes e normas para a organização da Atenção Básica, para a Estratégia Saúde da Família (ESF) e o Programa de Agentes Comunitários de Saúde (PACS). Brasília, 2011.

GERHARDT, Tatiana Engel et al. Determinantes sociais e práticas avaliativas de integralidade em saúde: pensando a situação de adoecimento crônico em um contexto rural. In: PINHEIRO, Roseni; MARTINS, Paulo Henrique (Orgs). Avaliação em saúde na perspectiva do usuário: abordagem multicêntrica. Rio de Janeiro: CEPESC / IMS-UERJ; Recife: Editora Universitária UFPE; São Paulo: ABRASCO; 2009. p. 287-98.

ESPERIDIÃO, Monique Azevedo; TRAD, Leny Alves Bomfim. Avaliação de satisfação de usuários: considerações teórico-conceituais. Cadernos de Saúde Pública, Rio de Janeiro, v. 22, n. 6. P. 1267-1276, jun. 2006.

BOLZAN, Luís Carlos et al. Ouvidoria ativa: a inovação das pesquisas de satisfação na ouvidoria-geral do SUS. In: Congresso Consad de Gestão Pública (5 : Brasília : 2012) [Anais.] Brasília: 2012.

BRASIL. Ministério da Saúde. Relatório Preliminar da Pesquisa de Satisfação com Cidadãos Usuários e não Usuários do SUS. Brasília, 2012b.

BRASIL. Ministério da Saúde. Portaria nº 648, de 28 de março de 2006. Aprova a Política Nacional de Atenção Básica, estabelecendo a revisão de diretrizes e normas para a organização da Atenção Básica para o Programa Saúde da Família (PSF) e o Programa Agentes Comunitários de Saúde (PACS). Brasília, 2006.

COHN, Amélia. A Reforma Sanitária Brasileira Após 20 anos do SUS: reflexões. Cadernos de SaúdePública, Rio de Janeiro, v. 25, n. 7, p. 1614-1619, jul. 2009.

ARAÚJO, Maria Alix Leite; LEITÃO, Glória da Conceição Mesquita. Acesso à consulta a portadores de doenças sexualmente transmissíveis: experiências de homens em uma unidade de saúde de Fortaleza, Ceará, Brasil. Cadernos de Saúde Pública, Rio de Janeiro, v.21, n. 2, p. 396-404, 2005.

GOMES, Romeu; NASCIMENTO, Elaine Ferreira do, ARAÚJO, Fábio Carvalho de. Por que os homens buscam menos os serviços de saúde do que as mulheres? As explicações de homens com baixa escolaridade e homens com ensino superior. Cadernos de Saúde Pública, v.23, n.3, p. 565-74, 2007.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Política Nacional de Atenção Integral à saúde do homem. Brasília, 2008.

GEERTZ, Clifford. A interpretação das culturas. Rio de Janeiro: LTC, 1989.213p.




DOI: https://doi.org/10.18310/2446-4813.2015v1n4p15-26

DOI (PDF): https://doi.org/10.18310/2446-48132015v1n4.640g60

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


A revista Saúde em Redes foi classificada pelo Sistema Qualis-Periódico da CAPES no Quadriênio 2014/2016, período de sua criação, no estrato B1 na área de Ensino, no estrato B4 nas áreas de Enfermagem, Interdisciplinar, Psicologia, Saúde Coletiva e Serviço Social e no estrato B5 nas áreas de Geociências e Medicina II. Novidade 2019: a Saúde em Redes foi aprovada para indexação na Base LILACS.

Indexada no LatindexDiadorimDOAJ; COLECIONASUS