USO DE INSTRUMENTOS ENQUANTO TECNOLOGIA PARA A SAÚDE

José Jeové Mourão Netto, Maria Socorro de Araújo Dias, Natália Frota Goyanna

Resumo


Objetivou-se discutir aspectos sobre o uso de instrumentos enquanto tecnologia para a saúde. Trata-se de um ensaio teórico, com uma abordagem qualitativa. Os instrumentos estão cada vez mais presentes no fazer dos profissionais de saúde. Podemos apontar quatro grupos de instrumentos: (1) os que servem para sistematizar registros, (2) os que se propõem a nortear processos, (3) os que buscam apresentar informações e (4) os que visam à avaliação. Há carência na literatura de instrumentos que dialoguem com a Promoção da Saúde, bem como métodos validados para desenvolvê-los. O uso de instrumentos pode contribuir para melhoria da qualidade dos serviços, uma vez que agilizam e normalizam o cuidado, porém o uso sem planejamento pode subtrair a singularidade da atenção e subsidiar uma disputa de energia entre o preenchimento dos impressos e a atenção fornecida aos clientes/pacientes.


Palavras-chave


Protocolos; Promoção da Saúde; Atenção à Saúde

Texto completo:

PDF

Referências


Nietsche EA. Tecnologia emancipatória: possibilidade para a práxis de enfermagem. Ijuí: Unijuí; 2000.

Merhy EE, Onoko R (Org.). Agir em Saúde: um desafio; 2002. Disponível em: . Acesso em: 11 abr 2016.

Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG). Núcleo de Estudos em Saúde Coletiva (NESCON). Protocolo de cuidados à saúde e de organização do serviço. Belo Horizonte: Coopmed; 2009.

Schneid S et al. Protocolos clínicos embasados em evidências: a experiência do Grupo Hospitalar Conceição. Revista AMRIGS, 2003; 47(2):104-14. Disponível em: . Acesso em: 11 abr 2016.

Mourão Netto JJ, Dias MAS, Goyanna NF. Promoção da saúde e a produção de instrumentos para o adolescente: revisão integrativa. Rev enferm UFPE on line, Agosto/2015; 9(Supl.7):9104-10.

Michaelis. Dicionário da Língua Portuguesa. 2009. Disponível em: . Acesso em: 11 abr 2016.

Michaelis. Dicionário da Língua Portuguesa. 2009. Disponível em: . Acesso em: 11 abr 2016.

Joventino ES, Oriá MOB, Sawada NO, Ximenes LB. Validação aparente e de conteúdo da escala de autoeficácia materna para prevenção da diarreia infantil do semi-árido cearense. Rev. Latino-Am. Enfermagem, 2013; 21(1):1-9. Disponível em: . Acesso em: 11 abr 2016.

Pasquali L. Instrumentos psicológicos: manual prático de elaboração. Brasília: LabPAM/IBAPP; 1999.

Pina JC, Mello DF, Lunardelo SR. Utilização de instrumento de registro de dados da saúde da criança e família e a prática do enfermeiro em atenção básica à saúde. Rev. Bras. Enferm, 2006; 59(3):270-73. Disponível em: . Acesso em: 11 abr 2016.

Conselho Regional de Enfermagem de São Paulo (Coren/SP). Guia para a construção de protocolos assistenciais de enfermagem; 2014. Disponível em: . Acesso em: 11 abr 2016.




DOI: http://dx.doi.org/10.18310%2F2446-4813.2016v2n1p65-72

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Creative Commons License
This work is licensed under a Creative Commons Attribution 3.0 License.

A revista Saúde em Redes foi classificada pelo Sistema Qualis-Periódico da CAPES no Quadriênio 2014/2016, período de sua criação, no estrato B1 na área de Ensino, no estrato B4 nas áreas de Enfermagem, Interdisciplinar, Psicologia, Saúde Coletiva e Serviço Social e no estrato B5 nas áreas de Geociências e Medicina II.

Indexada no LatindexDiadorimDOAJ; COLECIONASUS