TESTE RÁPIDO PARA SÍFILIS NO PRÉ-NATAL DA ATENÇÃO BÁSICA: AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL QUALITATIVA E EDUCAÇÃO PERMANENTE EM SAÚDE

Carmen Luísa Teixeira Bagatini, Ricardo Burg Ceccim, Rebel Zambrano Machado, Caren Serra Bavaresco

Resumo


Objetivo: Analisar fatores intervenientes na realização do teste rápido de sífilis no pré-natal como tarefa da atenção básica. Métodos: Estudo de caso quanti-qualitativo, analisando-se notificações de sífilis em gestantes, planos municipais de implantação do teste e avaliação institucional qualitativa. Dados epidemiológicos tabulados e entrevistas qualitativas categorizadas pela análise de conteúdo. Resultados: contribuíram a preparação de médicos, enfermeiros e dentistas - como equipe; a participação do Serviço de Atenção Especializada - como apoiador matricial, e a construção da linha de cuidado - interior da rede Cegonha. Dificultaram: rotatividade profissional, centralização no enfermeiro e baixa longitudinalidade da avaliação e formação no cotidiano. Conclusão: processo de trabalho das equipes, incluindo a composição em rede de saúde nos municípios, requerendo práticas pedagógicas de avaliação institucional qualitativa e educação permanente em saúde para que barreiras sejam rompidas e conexões sejam feitas, mesmo em programas pactuados no âmbito interfederativo bi ou tripartite e sob evidência epidemiológica.

Palavras-chave


Sífilis Congênita; Atenção Primária à Saúde; Avaliação em Saúde; Educação Continuada

Texto completo:

PDF

Referências


Brasil. Ministério da Saúde. Portaria GM/MS nº 1.459, de 24 de junho de 2011. Brasília, DF; 2011. Disponível em: . Acesso: 26 ago 2013.

Ministério da Saúde (Brasil). Orientações para a implantação dos testes rápidos de HIV e sífilis na atenção básica – Rede Cegonha. Brasília: Ministério da Saúde; 2013.

Ministério da Saúde (Brasil). Secretaria de Atenção à Saúde, Departamento de Atenção Básica. Atenção ao pré-natal de baixo risco. Brasília: Ministério da Saúde; 2012. (Cadernos de Atenção Básica, n. 32)

Ministério da Saúde (Brasil). Departamento de Informática do Sistema Único de Saúde (Datasus). Informações de Saúde: Cobertura Equipes Atenção Básica. Brasília, DF; 2014. Disponível em: . Acesso em: 26 ago 2014.

Machado RZ. A área social em crise e a crise de gestão na área social no Rio Grande do Sul: um estudo sobre a FGTAS. 1998 [dissertação]. Porto Alegre: UFRGS; 1998.

Brasil. Conselho Nacional de Saúde. Resolução nº 466, de 12 de dezembro de 2012. Aprova as diretrizes e normas regulamentadoras de pesquisas envolvendo seres humanos. Brasília, DF; 2012. Disponível em . Acesso em: 08 out 2014.

Domingues RMS, Saraceni V, Hartz ZMA, Leal MC. Sífilis congênita: evento sentinela da qualidade da assistência pré-natal. Revista de Saúde Pública. 2013; 47(1):147-157.

Saraceni V, Miranda AE. Relação entre a cobertura da Estratégia Saúde da Família e o diagnóstico de sífilis na gestação e sífilis congênita. Cadernos de Saúde Pública. 2012; 28(3):490-496.

Ceccim RB, Feuerwerker LMC. O quadrilátero da formação para a área da saúde: ensino, gestão, atenção e controle social. Physis – revista de saúde coletiva. 2004; 14(1):41-65.

Ceccim RB. Educação permanente em saúde: descentralização e disseminação de capacidade pedagógica na saúde. Ciência & saúde coletiva. 2005; 10(4):975-986.

Ceccim RB. Educação permanente em saúde: desafio ambicioso e necessário. Interface – comunicação, saúde, educação. 2004; 9(16):161-177.

Malta DC, Merhy EE. O percurso da linha do cuidado sob a perspectiva das doenças crônicas não transmissíveis. Interface – comunicação, saúde, educação. 2010; 14(34):593-605.

Campos GWS, Domitti AC. Apoio matricial e equipe de referência: uma metodologia para gestão do trabalho interdisciplinar em saúde. Cadernos de Saúde Pública. 2007; 23(2):399-407.

Ceccim RB, Ferla AA. Linha de cuidado: a imagem da mandala na gestão em “rede de práticas cuidadoras” para uma outra educação dos profissionais de saúde. In: Pinheiro R, Mattos RA. Gestão em redes: práticas de avaliação, formação e participação na saúde. Rio de Janeiro: Abrasco; 2006:165-184.

Marchionatti CRE. O relatório de gestão como instrumento de avaliação de acesso ao sistema de saúde. 2006 [dissertação]. São Leopoldo: Universidade do Vale do Rio dos Sinos; 2006.

Trad LAB, Castellanos MEB, Guimarães MCS. Acessibilidade à atenção básica a famílias negras em bairro popular de Salvador, Brasil. Revista de Saúde Pública. 2012; 46(6):1007-1013.

Sousa MGG. Avaliação do grau de implementação do Projeto Nascer – Maternidades em Pernambuco. 2006 [dissertação]. Brasília: Escola Nacional de Saúde Pública- Fiocruz; 2006.

Pinto CAG, Coelho IB. Cogestão do processo de trabalho e composição da agenda em uma equipe de atenção básica. In: Campos GWS, Guerrero AVP. Manual de práticas de atenção básica: saúde ampliada e compartilhada. São Paulo: Aderaldo & Rothschild; 2010:323-345.

Harzheim E. Reforma da atenção primária à saúde na cidade do Rio de Janeiro: avaliação dos primeiros três anos de Clínicas da Família – pesquisa avaliativa sobre aspectos de implantação, estrutura, processo e resultados das Clínicas da Família na cidade do Rio de Janeiro. Porto Alegre: Opas; 2013.

Franco TB, Merhy E. O reconhecimento de uma produção subjetiva do cuidado. In: Merhy E, Franco TB. Trabalho, produção do cuidado e subjetividade em saúde: textos reunidos. São Paulo: Hucitec; 2013:151-171.

Cunha EM, Giovanella L. Longitudinalidade/continuidade do cuidado: identificando dimensões e variáveis para a avaliação da atenção primária no contexto do sistema público de saúde brasileiro. Ciência & saúde coletiva. 2011; 16 (Suppl I):1029-1042.

Starfield B. Atenção primária: equilíbrio entre necessidades de saúde, serviços e tecnologias. Brasília: Ministério da Saúde; 2004.

Mendes EV. As redes de atenção à saúde. Brasília: Opas; 2011.




DOI: https://doi.org/10.18310/2446-4813.2016v2n1p81-95

DOI (PDF): https://doi.org/10.18310/2446-48132016v2n1.670g86

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


A revista Saúde em Redes foi classificada pelo Sistema Qualis-Periódico da CAPES no Quadriênio 2014/2016, período de sua criação, no estrato B1 na área de Ensino, no estrato B4 nas áreas de Enfermagem, Interdisciplinar, Psicologia, Saúde Coletiva e Serviço Social e no estrato B5 nas áreas de Geociências e Medicina II. Novidade 2019: a Saúde em Redes foi aprovada para indexação na Base LILACS.

Indexada no LatindexDiadorimDOAJ; COLECIONASUS