A BOCA FALA, OS ÓRGÃOS SARAM: OS TEMAS MAIS DISCUTIDOS EM UM GRUPO DE SAÚDE MENTAL NA ATENÇÃO BÁSICA

Bruno Moraes da Silva, Dulce Helena Hatzenberger

Resumo


Os grupos de saúde mental desenvolvidos na Atenção Básica se constituem em um dos principais dispositivos da reforma psiquiátrica. Apesar de se assemelharem na temática, os grupos de saúde mental podem se diferenciar na proposta de trabalho. A maioria dos grupos ainda está voltada para um olhar medicamentoso, focada principalmente em renovação de receitas médicas controladas. Esse trabalho teve como objetivo descrever os temas discutidos no grupo de saúde mental da Unidade de Saúde da Família Lomba do Pinheiro, na cidade de Porto Alegre. Esta pesquisa constituiu-se em um estudo exploratório com abordagem qualitativa e os dados foram coletados através de observação participante e anotações em diário de campo. O método utilizado para trabalhar as informações obtidas ao longo do processo de coleta de dados foi a análise de conteúdo, em sua modalidade de análise temática. O estudo apontou que os temas discutidos no grupo envolveram quatro categorias: família, sofrimento psíquico, rede de apoio e violência. Porém mais do que isso, foi possível identificar que, independente do assunto levantado pelos participantes, o grupo funciona como um dispositivo que contribui para a socialização e para a formação de uma rede de apoio mútuo, construída a partir da escuta e do compartilhamento de vivências. Deve-se encorajar cada vez mais os profissionais de saúde da Atenção Básica a trabalhar com grupos com proposta aberta de fala e de escuta, visto que demonstrou ser uma tecnologia de cuidado com diversas potencialidades.


Palavras-chave


Saúde Mental; Atenção Primária à Saúde; Promoção da Saúde

Texto completo:

PDF

Referências


¹ NUNES M, JUCÁ VJ, VALENTIM CPB. Ações de saúde mental no Programa Saúde da Família: confluências e dissonâncias das práticas com os princípios das reformas psiquiátrica e sanitária. Cadernos de Saúde Pública 2007; 23(10): 2375-84.

² SILVEIRA DP, VIEIRA ALS. Saúde Mental e Atenção Básica em saúde: analise de uma experiência no nível local. Ciência e saúde coletiva 2009; 14(1): 139-48.

³ MINOZZO, F. et al. Grupos de saúde mental na atenção primária à saúde. Fractal: Revista de Psicologia 2012; 24(2): 323-40.

⁴ DIAS VP, SILVEIRA DT, WITT RR. Educação em saúde: o trabalho de grupos em atenção primária. Rev. APS 2009; 12(2): 221-27.

⁵ BRASIL. Cadernos de Atenção Básica nº 34. Brasília: Ministério da Saúde; 2013.

⁶ MINAYO MC. O desafio do conhecimento: pesquisa qualitativa em saúde. 12.ed. São Paulo: Hucitec; 2010.

⁷ MORIN E. Os sete saberes necessários á educação do futuro. 2.ed. São Paulo: Cortez; 2000.

⁸ BARDIN L. Análise de conteúdo. Lisboa: Edições 70; 2002.

⁹ ROCHA IA. et al. A terapia comunitária como um novo instrumento de cuidado para saúde mental do idoso. Revista Brasileira de Enfermagem 2009; 62(5): 687-94.

¹⁰ LOPES ES, NERI A, PARK MB. Ser avós ou ser pais: os papéis dos avós na sociedade contemporânea. Textos sobre envelhecimento 2005; 8(2): 30-32.

¹¹ SANTOS V. A reforma psiquiátrica no Brasil. jul./ago. 2008. [Acesso em 15 out 2015]. Disponível em: http://www.hebron.com.br/Revista/n36/materia1.htm.

¹² KOGA M, FUREGATO ARF, SANTOS JLF. Opiniões da equipe e usuários sobre a atenção à saúde mental num programa de saúde da família. Revista Latino-Americana de Enfermagem 2006; 14(2): 163-69.

¹³ NASCIMENTO AM, BRAGA AB. Atenção em saúde mental: a prática do enfermeiro e do médico do Programa Saúde da Família de Caucaia – CE. Cogitare Enfermagem 2004; 9(1): 84-93.

¹⁴ SOUZA RC., CATENA MCM. Produção de sentidos acerca da família que convive com o doente mental. Revista Latino-Americana de Enfermage 2005; 13(2): 173-79.

¹⁵ BALLONE GJ. Transtorno de Estresse Pós-Traumático. [Acesso em 10 out 2015]. Disponível em: http://www.psiqweb.med.br.




DOI: https://doi.org/10.18310/2446-4813.2016v2n3p308-317

DOI (PDF): https://doi.org/10.18310/2446-48132016v2n3.768g113

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


A revista Saúde em Redes foi classificada pelo Sistema Qualis-Periódico da CAPES no Quadriênio 2014/2016, período de sua criação, no estrato B1 na área de Ensino, no estrato B4 nas áreas de Enfermagem, Interdisciplinar, Psicologia, Saúde Coletiva e Serviço Social e no estrato B5 nas áreas de Geociências e Medicina II.

Indexada no LatindexDiadorimDOAJ; COLECIONASUS