OS (DES)ENCONTROS DA PESQUISA NO TEMPO-ESPAÇO AMAZÔNICO: UM ENSAIO SOBRE PRODUÇÃO DE CONHECIMENTO COMO ABERTURA À APRENDIZAGEM

Alcindo Antônio Ferla, Renata Flores Trepte, Júlio Cesar Schweickardt, Rodrigo Tobias de Sousa Lima, Ardigò Martino

Resumo


Narrativa da experiência do trabalho de campo de pesquisa avaliativa sobre o Programa Mais Médicos realizada no Município de São Gabriel da Cachoeira, no Estado do Amazonas. Por meio da narrativa, busca-se refletir sobre a necessidade de abertura à aprendizagem a partir da diversidade do local na metodologia das pesquisas que analisam contextos diversos, em particular no âmbito das análises de políticas públicas. A diversidade de situações encontradas no campo empírico é utilizada para refletir sobre aspectos operacionais, questões metodológicas e relações entre teoria e prática nas pesquisas sociais. Utilizando a metáfora do embrenhar, com sentido de estar em situação diversa do habitual, foram sendo analisadas questões singulares da pesquisa que destacam a contribuição do campo empírico de implementação de políticas no território amazônico para o fazer da pesquisa. Entre as questões que o empírico levantou para a pesquisa, quando colocado em diálogo transversal com a teoria e com a metodologia da pesquisa, está o desenvolvimento da atenção básica a partir do encontro entre perspectivas diversas dos profissionais do Programa e os profissionais vinculados anteriormente às equipes. Sugere-se que a pesquisa, para articular o geral e o específico, a teoria e as práticas, seja compreendida como educação permanente dos pesquisadores.


Palavras-chave


Programa Mais Médicos; pesquisas avaliativas; atenção básica em saúde; metodologia de pesquisa social

Texto completo:

PDF

Referências


Ferreira ABH. Pequeno Dicionário Brasileiro de Língua Portuguesa. 11 ed. totalmente rev. e ampl. Rio de Janeiro: Editora Civilização Brasileira S. A., 1964.

Nicoli MA, Martino A, Marta BL, Baptista GC, Guimarães CF, Sintoni F, Ferla AA. Não é só um problema de “satisfação dos usuários”: considerações sobre a participação dos usuários na avaliação da atenção básica. Saúde em Redes. 2016; 2(1): 23-42.

Nogueira ARB. Percepção e representação gráfica: a “geograficidade” nos mapas mentais dos comandantes de embarcações no Amazonas. Manaus: Edua, 2014.

Luz MT. Complexidade do campo da saúde coletiva: multidisciplinaridade, interdisciplinaridade e transdisciplinaridade de saberes e práticas – análise sócio-histórica de uma trajetória paradigmática. Saúde e Sociedade. 2009; 18(2): 304-311. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/sausoc/v18n2/13.pdf.

Ferla AA. Clínica em movimento: cartografias do cuidado. Caxias do Sul: EDUCS, 2007.

Merhy EE. Educação Permanente em Movimento - uma política de reconhecimento e cooperação, ativando os encontros do cotidiano no mundo do trabalho em saúde, questões para os gestores, trabalhadores e quem mais quiser se ver nisso. Saúde em Redes. 2015; 1(1): 07-14.

Schweickardt JC, Gentil G. A “manjuba” e o encanto: relação natureza-cultura na explicação da doença. Boletim Rede Amazônia. 2014; 3(1): 47-54.

Buchillet D. Os Índios da região do Alto Rio Negro: história, etnografia e situação fundiária. Laudo antropológico pela Procuradoria Geral da República. Brasília: Mimeo, 1997.

Alves-Mazzotti AJ. Usos e abusos dos estudos de caso. Cadernos de Pesquisa. 2006 set-dez; 36(129): 637-651.

Collar JM, Almeida-Neto JB, Ferla AA. Educação Permanente e o cuidado em saúde: ensaio sobre o trabalho como produção inventiva. Saúde em Redes. 2015; 1(4): 53-64.

Foucault M. Microfísica do Poder. 8ª Ed. Rio de Janeiro: Edições Graal, 1989.




DOI: https://doi.org/10.18310/2446-4813.2016v2n3p241-261

DOI (PDF): https://doi.org/10.18310/2446-48132016v2n3.773g118

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


A revista Saúde em Redes foi classificada pelo Sistema Qualis-Periódico da CAPES no Quadriênio 2014/2016, período de sua criação, no estrato B1 na área de Ensino, no estrato B4 nas áreas de Enfermagem, Interdisciplinar, Psicologia, Saúde Coletiva e Serviço Social e no estrato B5 nas áreas de Geociências e Medicina II. Novidade 2019: a Saúde em Redes foi aprovada para indexação na Base LILACS.

Indexada no LatindexDiadorimDOAJ; COLECIONASUS