AVALIAÇÃO DA MORTALIDADE E INTERNAÇÕES POR CONDIÇÃO SENSÍVEL À ATENÇÃO PRIMÁRIA EM MENORES DE 5 ANOS, ANTES E DURANTE O PROGRAMA MAIS MÉDICOS, NO MARAJÓ-PARÁ-BRASIL.

Vânia Barroso Carneiro, Paulo de Tarso Ribeiro Oliveira, Maria do Socorro Castelo Branco Bastos, Eric Campos Alvarenga

Resumo


Objetivou-se avaliar os indicadores de mortalidade e internações hospitalares por condição sensível à atenção primária (ICSAP) em crianças menores de 5 anos, entre 2011 a 2014/15 na região do Marajó-Pará- Brasil, período de implantação do Programa Mais Médicos em todos os municípios desta região, demonstrando a evolução da série histórica dos indicadores estudados.  Os resultados indicaram que o PMMB foi potencialmente relevante para a redução das ICSAP e mortalidade na faixa etária estudada, especialmente por gastroenterites infecciosas e suas complicações. A expansão e consolidação da ESF na região do Marajó, possibilitada pelo Programa Mais Médicos, com aumento considerável da cobertura populacional, está contribuindo para a redução da hospitalização e mortalidade em menores de 5 anos.


Palavras-chave


Estratégia Saúde Família; Atenção Primária; Estudo série histórica

Texto completo:

PDF

Referências


Peres EM. O Programa Saúde Da Família no enfrentamento das desigualdades sociais. Rev Aquichan. 2007;7:64–76.

Brasil. Ministério da Saúde. Saúde da Família: uma Estratégia para a reorientação do modelo assistencial. 1997. 36 p.

Brasil. Ministério da Saúde. Portaria no 648/2006: Política Nacional de Atenção Básica. Diário Oficial da União. 2006. 110 p.

Viana ALDD, Poz MRD. A Reforma do Sistema de Saúde no Brasil e o Programa de Saúde da Família. Physis Rev Saúde Coletiva. 2005;15(2):225–64.

Silva LMV. Avaliaçäo do processo de descentralizaçäo das açöes de saúde. Ciênc saúde coletiva. 1999;4(2):331–9.

Cruz MM da. Avaliação de Políticas e Programas de Saúde: contribuições para o debate. Caminhos para análise das políticas de saúde. 1° ed. Rio de Janeiro; 2011. p. 180–98.

Alfradique ME, Bonolo PDF, Dourado I, Lima-Costa MF, Macinko J, Mendonça CS, et al. Ambulatory care sensitive hospitalizations: elaboration of Brazilian list as a tool for measuring health system performance (Project ICSAP-Brazil). Cad saude publica / Minist da Saude, Fund Oswaldo Cruz, Esc Nac Saude Publica. 2009;25(6):1337–49.

Carvalho LA, Bonifácio D, Souza Maria de F, Vilas Boas MI. A gestão do SUS e as práticas de monitoramento e avaliação: possibilidades e desafios para a construção de uma agenda estratégica. Cien Saude Colet. 2012; 17:901–11.

Turci MA, Lima-Costa MF, Bonolo PDF, Oliveira VB, Macinko J. Avaliação do impacto das ações do programa de saúde da família na redução das internações hospitalares por condições sensíveis à atenção básica em adultos e idosos- Projeto ICSAP. 2013. p. 262.

Brasil. Ministério da Saúde. Caderno de diretrizes, objetivos, metas e indicadores de 2013-2015 – Edição 2013 [Internet]. 2013. 153 p. Available from: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/caderno_diretrizes_objetivos_2013_2015.

Brasil. Ministério da Saúde. Portaria no221/2008: Lista brasileira de internações por condições sensíveis à atenção primária (ICSAP). Diário Oficial da União. 2008.

Sousa A, Hill K, Dal Poz MR. Sub-national assessment of inequality trends in neonatal and child mortality in Brazil. Int J Equity Health. 2010; 9:21.

Macinko J, Guanais FC, de Fátima M, de Souza M. Evaluation of the impact of the Family Health Program on infant mortality in Brazil, 1990-2002. J Epidemiol Community Health. 2006;60(1):13–9.

Brasil. Fiocruz. Comissão Nacional sobre Determinantes Sociais da Saúde. Relatório final. 2016. 256 p.

Conill EM. A historical and conceptual model for Primary Health Care: challenges for the organization of primary care and the Family Health Strategy in large Brazilian cities. Cad saude publica / Minist da Saude, Fund Oswaldo Cruz, Esc Nac Saude Publica. 2008;24(1):7–16.

Brasil. Lei no 12.871 de 22 de outubro de 2013. Institui o Programa Mais Médicos, altera as Leis no 8.745, de 9 de dezembro de 1993, e no 6.932, de 7 de julho de 1981, e dá outras providências. Diário Oficial da União. 2013; 22 out.

Barbosa MJ de S, Cruz WC, Souza EJL De, Félix ODL. Relatório Analítico do Território do Marajó. Belém; 2012. p. 79.

Latorre MRDO, Cardoso MRA. Análise de séries temporais em epidemiologia: uma introdução sobre aspectos metodológicos. Rev Bras Epidemiol. 2001;4(3):145–52.

Brasil. Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada, Secretaria de Planejamento e Investimentos Estratégicos. Objetivos de Desenvolvimento do Milênio: Relatório Nacional de Acompanhamento. 2014. 208 p.

Sousa A, Hill K, Dal Poz MR. Sub-national assessment of inequality trends in neonatal and child mortality in Brazil. Int J Equity Health. 2010; 9:21.

Rasella, Davide, Rosana Aquino, and Mauricio L. Barreto. Reducing childhood mortality from diarrhea and lower respiratory tract infections in Brazil. Pediatrics. 2010: 534-540.

Teles C, Medina MG. Hospitalizations of children due to primary health care sensitive conditions in Pernambuco State, Northeast Brazil. Cad Saude Publica. 2015;31(4):744–54.

Oliveira BRG De, Viera CS, Collet N, Lima RAG De. Causas de hospitalização no SUS de crianças de zero a quatro anos no Brasil. Rev Bras Epidemiol. 2010;13(2):268–77.

Ferreira JBB, Borges MJG, Santos LL, Forster AC. Internações por condições sensíveis à atenção primária à saúde em uma região de saúde paulista, 2008 a 2010. Epidemiol e Serviços Saúde. 2014;23(1):45–56.

Scheffer M. Demografia médica no Brasil (Vol. 2). Conselho Federal de Medicina e Conselho Regional de Medicina do Estado de São Paulo. 2013. 256 p.




DOI: https://doi.org/10.18310/2446-4813.2016v2n4p360-371

DOI (PDF): https://doi.org/10.18310/2446-48132016v2n4.778g122

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


A revista Saúde em Redes foi classificada pelo Sistema Qualis-Periódico da CAPES no Quadriênio 2014/2016, período de sua criação, no estrato B1 na área de Ensino, no estrato B4 nas áreas de Enfermagem, Interdisciplinar, Psicologia, Saúde Coletiva e Serviço Social e no estrato B5 nas áreas de Geociências e Medicina II. Novidade 2019: a Saúde em Redes foi aprovada para indexação na Base LILACS.

Indexada no LatindexDiadorimDOAJ; COLECIONASUS