A PRÁTICA PROFISSIONAL DO PSICÓLOGO FRENTE A ATENÇÃO BÁSICA DE SAÚDE

Marcelo Gonçalves da Silva, Fabiano Rocha Manica, Luciana Regina Prado Garcia Mariano

Resumo


Este estudo tem como objetivo discorrer sobre a atuação dos psicólogos na atenção básica de saúde, bem como compreender a dinâmica do Sistema Único de Saúde. Além de identificar a importância do psicólogo na atenção básica de saúde, iremos discorrer sobre a formação acadêmica em psicologia e suas limitações; bem como avaliar as atividades desenvolvidas pelos psicólogos. Trata-se de um estudo bibliográfico, onde foi possível identificar as principais ações do Sistema Único de Saúde – SUS, além de resgatar o seu histórico de luta, em seguida foi descrito sobre a atuação do psicólogo junto a Política Nacional de Humanização bem como a formação e currículo da graduação em psicologia. Por fim, destacou-se a Atenção Básica de Saúde, seus conceitos e práticas, bem como a atuação do psicólogo.


Palavras-chave


Políticas em saúde; Psicologia da saúde; Atenção Básica.

Texto completo:

PDF

Referências


Referências

Archanjo JVL. Política Nacional de Humanização: Reafrimando os princípios do SUS. 1st ed. Vitória: Universidade Federal do Espírito Santo; 2010.

Roncalli AG. O desenvolvimento das Políticas Públicas de Saúde no Brasil e a Contrução do Sistema Único de Saúde. In Pereira AC. Odontologia em saúde coletiva: planejando ações e promovendo saúde. Porto Alegre: Artmed; 2013. p. 1-27.

Benevides R, Passos E. Complexidade, transdisciplinaridade e produção de subjetivdade. In (Orgs) F&PGK. Cartografias e devires: a contrução do presente. Porto Alegre: UFRGS; 2003. p. 81-89.

Brasil. Política Nacional de Promoção da Saúde Brasília: Ministério da Saúde; 2006.

Brasil. Cadernos de atenção básica: diretrizas do NASF: Núcleo de Apoio a Saúde da Família Brásilia: Ministério da Saúde; 2010.

Spink MKPA. A prática profissional PSI na saúde pública: configurações históricas e desafios contemporâneos. In Spink MKP. A psicologia em diálogo com o SUS: Prátiva profissional e produção acadêmica. São Paulo: Casa do Psicólogo; 2003. p. 25-52.

Dimenstein M. O psicólogo nas unidades básicas de saúde: desafios para a formação e atuação profissionais. Estudos de Psicologia. 1998 jan/jun; 3(1).

Paulin T, Luzio CA. A psicologia na saúde pública, desafios para a atuação e formação profissional. REvista de Psicologia da UNESP. 2009.

Escorel S, Nascimento DR, Edler FC. As origens da reforma sanitária e so SUS. In Lima Nea(. Saúde e democracia: história e perspectivas do SUS. Rio de Janeiro: Fiocruz; 2005.

Brasil. Portaria nº 1.409, de 13 de junho de 2007. Institui comotê gestor da Política Nacional de Promoção da Saúde. Brasília: República Federativa do Brasil, Diário Oficial; 2007.

Carvalho SR. Saúde coletiva e promoção da saúde: sujeito e mudança. 2nd ed. São Paulo: Hucitec; 2007.

Campos GW, Barros RB, Castro AM. Avaliação de política nacional de promoção da saúde. Ciência & Saúde Coletiva. 2004; 9(3).

Dalbello-Araujo M. O cotidiano de uma equipe do Programa de Saúde da Família: um olhar genealógico sobre o controle social. 2005. Tese (Doutorado em Psicologia).

Traverso-Yépez MA. A interface psicologia social e saúde: perspectivas e desafios. Psicologia e Estudo. 2001 junho.

Brasil. Humaniza SUS: documento base para gestores e trabalhadores do SUS Brasíia: Ministério da Saúde; 2006.

Benevides R. A psicologia e o sistema único de saúde: quas interfaces? Psicol. Soc. 2005; 17(2).

Spink MJP. Sobre a promoção da saúde: tensões entre o risco na moddlidade da aventura e as estratégias contemporânias de biocontrole. In Jaco Vilela AM, Sato L(. Diálogos em Psicologia Social. Porto Alegre: Evangraf; 2007. p. 345-360.

Birman JA. Physis da saúde coletiva. PHYSIS: Saúde Coletiva. 2005; 15(11-16).

Paim JS, Almeida Filho N. Saúde coletiva: uma nova saúde pública ou campo aberto a novos paradigmas? Saúde Pública. 1988; 32.

Campos GWS. Saúde pública e saúde coletiva: campo e núcleo de saberes e práticas. Ciência e saúde coletiva. 2000; 5.

Bock AMB, Ferreira MR, Gonçalves MGM, Furtado O. Sílvia Lane e o projeto do "compromisso social da psicologia'. Psicologia & Sociedade. 2007; 19(Especial).

Yamamoto OH. Questão social e políticas públicas: revendo o compromisso da psicologia. In B AMB. Psicologia e o compromisso social. São Paulo : Cortez; 2003.

Gioia-Martins DF, Rocha Junior A. Práticas psicológicas em promoção da saúde. Psicologia: teoria e prática. 2001; 1(1).

Palha PF, Villa TCS. A descentralização como eixo norteador na organização e operacionalização dos princípios do Sistema Único de Saúde. REEUSP. 2001; 4(1).

Dimenstein M. O psicólogo e o compromisso social no contexto da saúde coletiva. Psicologia em estudo. 2001; 6(2).

Silva RC. A formação em psicologia para o trabalho na saúde pública. In Sato L. Psicologia e saúde: repensando práticas. São Paulo: Hucitec; 1992.

Andrade AN. Práticas psicológicas, espistemicídio e unidades básicas de saúde. Psicologia Política. 2007; 13(1).

Dimensteins M. A cultura profissional do psicólogo e o ideário individualista: implicações para a prática no campo da assistência pública à saúde. Estudos de Psicologis (UFRN). 2000; 5(1).

Gimeniz SR. Algumas características de usuários do setor de pediatria de um centro de saúde escola: subsidios para a atuação preentiva do psicólogo. Dissertação (Mestrado) - Instituto de Psicologia, Universidade de São Paulo. 1992.

Silva MG, Gomes M, Barros BP. A importância dos psicólogos junto à atenção básica de saúde. X Encontro da iniciação científica, VII Salão de pesquisa docente e V mostra de pós-graduação. 2015: p. 1-100.

Bernardes MEM. As ações na atividade educativa. (Mestrado em Educação) Faculdade de Educação, Universidade de São Paulo. 2000.

Carvalho LB, Bosi ML, Freire JC. A prática do psicóloco em Saúde Coletiva: um estudo no municipio de Fortaleza (CE). Psicologia Ciência e Profissão. 2009; 29(1).

Pires ACT, Braga TMS. O psciologo na saúde pública: formação e inseção profissional. Temas em Psicologia. 2009; 14(1).

Rutsatz SNB, Camara SG. O pscólogo na saúde pública: tregetória e percepções na conquista dete espaço. Aletheia. 2006 jan/jun;(23).

Ronzani TM, Rodrigues MC. O pscólogo na atenção primária à saúde: contribuições, desafios e redirecionamentos. Psicologia Ciência e Profissão. 2006; 26(1).

Bernardes MEM. Mediações simbólicas na atividade pedagógica: contribuições do enfoque histórico-cultural para o ensino e aprendizagem. Tese de Doutorado - USP. 2006.




DOI: https://doi.org/10.18310/2446-4813.2017v3n1p50-62

DOI (PDF): https://doi.org/10.18310/2446-48132017v3n1.806g135

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


A revista Saúde em Redes foi classificada pelo Sistema Qualis-Periódico da CAPES no Quadriênio 2014/2016, período de sua criação, no estrato B1 na área de Ensino, no estrato B4 nas áreas de Enfermagem, Interdisciplinar, Psicologia, Saúde Coletiva e Serviço Social e no estrato B5 nas áreas de Geociências e Medicina II. Novidade 2019: a Saúde em Redes foi aprovada para indexação na Base LILACS.

Indexada no LatindexDiadorimDOAJ; COLECIONASUS