Educação em saúde mental: ação da reforma psiquiátrica no Brasil

Autores

  • Mariane Brusque Radke Psicóloga Organizacional (Programa de Compliance), Porto Alegre, RS.
  • Ricardo Burg Ceccim Universidade Federal do Rio Grande do Sul

DOI:

https://doi.org/10.18310/2446-4813.2018v4n2p19-36

Palavras-chave:

Saúde Mental, Atenção Básica, Educação Permanente em Saúde, Reforma Psiquiátrica, Reforma Sanitária

Resumo

Os processos de reforma sanitária e psiquiátrica ocorridos no Brasil indicaram a necessidade de ampliação da rede de atenção básica, assim como da rede de atenção psicossocial. No interesse de uma atenção à saúde mental que diga respeito aos processos de subjetivação, ao cuidado em liberdade e ao acesso às ações de saúde nos territórios da vida, sinalizamos a construção da saúde mental coletiva em reversão ao modelo biomédico e manicomial. Nenhum processo de mudança se faz sem correspondente e adequado processo educativo, assim traçamos um inventário da educação em saúde mental em busca da efetiva ação de formação de quadros com saber técnico e compromisso ético com o desafio projetado pelas reformas no setor da saúde. Escolhemos para o inventário o período de quinze anos de aprovação da lei reforma psiquiátrica brasileira (2001-2016) e, com base nos relatórios da política nacional de saúde, traçamos um perfil dos projetos nacionais de educação em saúde mental. Este artigo sumariza uma pesquisa que realizou um mapeamento inicial, à guisa de inventário, das iniciativas educativas e formativas de âmbito nacional, segundo nove relatórios de gestão abrangentes do ano de 2001-2002, gestão 2003-2006, gestão 2007-2010, gestão 2011-2014 e anos 2015-2016. Foram localizadas mais de dez modalidades de ação, de cursos a projetos de base territorial em educação permanente, destinados a médicos, psicólogos e enfermeiros a equipes multiprofissionais, ao pessoal de nível superior e ao pessoal de nível médio, aos estudantes de graduação e às interações universidade – sociedade. Muito ainda há por estudar, restou evidente o compromisso com a formação e desenvolvimento a que designamos por educação em saúde mental frente aos desafios de transformação das práticas de atenção e gestão para a atenção e reabilitação psicossocial.

Biografia do Autor

Mariane Brusque Radke, Psicóloga Organizacional (Programa de Compliance), Porto Alegre, RS.

Psicóloga, especialista na área de educação permanente em saúde, mestre em Saúde Coletiva.Psicóloga Organizacional (Programa de Compliance), Porto Alegre, RS.

Ricardo Burg Ceccim, Universidade Federal do Rio Grande do Sul

Especialista em Saúde Pública, Mestre em Educação em Saúde, Doutor em Psicologia Clínica, Pós-Doutor em Antropologia Médica. Professor Titular de Educação e Ensino da Saúde, UFRGS. Professor orientador no Programa de Pós-Graduação em Educação, UFRGS.

Referências

CECCIM R.B. Equipe de saúde: a perspectiva entredisciplinar na produção de atos tera-pêuticos. In: PINHEIRO R; MATTOS R.A, organizadores. Cuidado: as fronteiras da inte-gralidade. Rio de Janeiro: Abrasco, 2004, p. 259-278.

AYRES J.R.C.M. Organização das ações de atenção à saúde: modelos e práticas. Saúde e sociedade. 2009, v. 18, n. supl. 2, p. 11-23.

BRASIL. Ministério da Saúde. Política Nacional de Atenção Básica – PNAB. Série Pac-tos Pela Saúde 2006, v. 4. Brasília, 2006.

BRASIL. Ministério da Saúde. Portaria GM nº 2.488, de 21 de outubro de 2011. Aprova a Política Nacional de Atenção Básica, estabelecendo a revisão de diretrizes e normas para a organização da Atenção Básica, para a Estratégia Saúde da Família (ESF) e o Programa Agentes Comunitários de Saúde. Diário Oficial da União, 2011.

BRASIL. Lei Federal n° 10.216, de 6 de abril de 2001. Dispõe sobre a proteção e os di-reitos das pessoas portadoras de transtornos mentais e redireciona o modelo assistencial em saúde mental. Brasília: Diário Oficial da União, 2001.

BRASIL. Ministério da Saúde. Portaria GM nº 3.088, de 23 de dezembro de 2011. Insti-tui a rede de atenção psicossocial para pessoa com sofrimento e/ou transtorno mental e com necessidades decorrentes do uso de crack, álcool e outras drogas no âmbito do Sistema Úni-co de Saúde. Diário Oficial da União, 2011.

BRASIL. Ministério da Saúde. Portaria GM n° 198, de 13 de fevereiro de 2004. Institui a Política Nacional de Educação Permanente em Saúde como estratégia do Sistema Único de Saúde para a formação e o desenvolvimento de trabalhadores para o setor e dá outras provi-dências. Diário Oficial da União, 2004.

BRASIL. Ministério da Saúde. Portaria GM nº 1.996, de 20 de agosto de 2007. Dispõe sobre as diretrizes para a implementação da Política Nacional de Educação Permanente em Saúde. Diário Oficial da União, 2007.

CECCIM R.B. Residência em Saúde Mental: interface da Luta Antimanicomial. In: PAULON S; FAGUNDES S, organizadores. 25 anos da Reforma Psiquiátrica no Rio Grande do Sul. Porto Alegre: Alergs, 2018. (no prelo)

FAGUNDES S. Os municípios e a desinstitucionalização em saúde mental coletiva. In: CAMPOS F.B; LANCETTI A, organizadores. Experiências da Reforma Psiquiátrica – SaúdeLoucura – n. 9. São Paulo: Hucitec, 2010. p. 203-231.

FAGUNDES S. Saúde Mental Coletiva: construção no Rio Grande do Sul. In: BEZER-RA Jr. B; AMARANTE P, organizadores. Psiquiatria sem Hospício. Rio de Janeiro: Relu-me-Dumará, 1992, p. 57-68.

CECCIM R.B; CARVALHO-DA-SILVA M.C. Educação do lugar: saúde mental e pe-dagogia da cidade. Saúde em Redes. 2015, v. 1, n. 3, p. 7-19.

FLORES C.R; WAGNER D.R. Um mapa e um inventário da pesquisa brasileira sobre arte e educação matemática. Educação Matemática e Pesquisa. 2014, v. 16, n. 1, p. 243-258.

PRADO G.V.T; MORAIS J.F.S. Inventário: organizando os achados de uma pesquisa. EntreVer. 2011, v. 1, n. 1, p. 137-154.

CABALLERO R.M.S. Pedagogia das vivências corporais: educação em saúde e cultu-ras de corpo e movimento. 2015. Tese (doutorado) – Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Programa de Pós-Graduação em Educação. Porto Alegre: UFRGS, 2015.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Ações Programáticas Estratégicas. Coordenação-Geral de Saúde Mental, Álcool e outras Drogas. Saúde Mental no SUS: cuidado em liberdade, defesa de direitos e rede de atenção psicosso-cial. Relatório de Gestão 2011‐2015. Brasília: MS, 2016.

BRASIL. Portaria Conjunta nº 1, 24 de fevereiro de 2010. Homologa o resultado do processo de seleção dos projetos que se candidataram ao Programa Nacional de Bolsas para Residências Multiprofissionais e em Área Profissional da Saúde, e dá outras providências, Brasília/DF, 2010a.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Ações Programáticas Estratégicas. Coordenação¬Geral de Saúde Mental, Álcool e outras Drogas. Saúde Mental no SUS: as novas fronteiras da Reforma Psiquiátrica. Relatório de Gestão 2007-¬2010. Brasília: MS, 2011.

BRASIL. Ministério da Saúde e Ministério da Educação. Portaria Conjunta nº 6, 17 de setembro de 2010. Institui no âmbito do Programa de Educação pelo Trabalho para a Saúde, o PET-Saúde/Saúde Mental, Brasília: 2010.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Ações Programáticas Estratégicas. Coordenação-Geral de Saúde Mental. Saúde Mental no SUS: acesso ao tratamento e mudança do modelo de atenção. Relatório de Gestão 2003-2006. Brasília: MS, 2007.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Relatório de Gestão da Secretaria de Atenção à Saúde – 2015-março/2016. Brasília: MS, 2016.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Políticas de Saúde. O desafio de construir e implementar políticas de saúde - Relatório de Gestão 2000-2002. Brasília: MS, 2002.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Gestão do Trabalho e da Educação na Saú-de. Grupo Hospitalar Conceição. Fundação Osvaldo Cruz. Projeto Caminhos do Cuidado: formação de agentes comunitários de saúde, auxiliares e técnicos em enfermagem da saúde da família – em saúde mental ênfase em crack, álcool e outras drogas. Brasília: MS/GHC/FIOCRUZ, 2013.

FERLA A.A; DALL’ALBA R; ANDRES B; LEAL M.B; BARNART F; ASSIMOS R; MONTENEGRO C; TREPTE R.F; DENARDIN N; ALBERTI G.F. Vivências e Estágios na Realidade do SUS: educação permanente em saúde e aprendizagem de uma saúde que requer integralidade e trabalho em redes colaborativas. Revista Eletrônica de Comunicação, Informação e Inovação em Saúde. 2013, n. 7, n. 4.

FIGUEIREDO A.S et al. VER-SUS como um colaborador para a saúde mental: relato de experiência. In: Anais da Mostra de Pesquisa em Ciência e Tecnologia 2017. Anais... For-taleza (CE) DeVry Brasil - Damásio - IBMEC, 2017. Disponível em: . Acesso em: 04/07/2017.

FORTES S; TÓFOLI F; GOLDFARB E. Capacitando equipes interdisciplinares para o cuidado integrado de saúde mental na atenção primária: o curso de Babel no Rio de Janeiro. In: Comunidade de Práticas, Relato de Experiência, Ministério da Saúde, 2013. Disponível em <https://cursos.atencaobasica.org.br/relato/5611> Acesso em 03.05.2017

MELO J.J; SCHAEPPI P.B; SOARES G; PASSOS E. Acesso e compartilhamento da experiência na gestão autônoma da medicação: o manejo cogestivo. In: BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Ações Programáticas Estratégi-cas. Saúde Mental. Brasília: MS, 2015. (Caderno HumanizaSUS; v. 5).

NASCIMENTO M.L. Em defesa de uma gestão compartilhada da medicação em psiqui-atria. Physis. 2012, v. 22, n. 1, p. 275-290.

ONOCKO-CAMPOS R.T; PASSOS E; PALOMBINI A.L; SANTOS D.V.D; STEFA-NELO S; GONÇALVES L.L.M; ANDRADE P.M; BORGES L.R. A Gestão Autônoma da Medicação: uma intervenção analisadora de serviços em saúde mental. Ciência & Saúde Coletiva. 2013, v. 18, n. 10, p. 2889-2898.

PALOMBINI A.L. Utópicas cidades de nossas andanças: flânerie e amizade no acompa-nhamento terapêutico. Fractal. 2009, v. 21, n. 2, p. 295-318.

BRANDALISE F; ROSA G.L. “Velhas estradas, caminho novo”: acompanhamento terapêutico no contexto da reforma psiquiátrica. Cadernos Brasileiros de Saúde Mental. 2009, v. 1, n. 1.

PINTO H.A; FERLA A.A; CECCIM R.B; RAMOS A.F; MATOS I.B; BARBOSA M.G; STÉDILE N.L.R; ZORTEA A.P. Atenção básica e educação permanente em saúde: cenário apontado pelo Programa Nacional de Melhoria do Acesso e da Qualidade da Aten-ção Básica. Divulgação em Saúde para Debate. 2014, v. 51, p. 145 -160.

MARCOLINO T.Q; LOURENÇO G.F; REALI A.M.M.R. “Isso eu levo para a vida”: aprendizagem da prática profissional em uma comunidade de práticas. Interface – comunica-ção, saúde, educação. 2017, v. 21, n. 61, p. 411-420.

Downloads

Publicado

2018-12-20

Edição

Seção

Artigos Originais