A GESTÃO PENITENCIÁRIA NA QUALIDADE DE VIDA PROFISSIONAL DO SERVIDOR PENITENCIÁRIO

Iarani Augusta Galúcio Lauxen, Rosimar Souza dos Santos Borges, Márcio Borges Silva

Resumo


O presente artigo tem por objetivo refletir sobre os possíveis fatores de risco no trabalho do Servidor Penitenciário, no tocante ao tratamento penal e as perspectivas da gestão penitenciária para qualidade de vida profissional do trabalhador. O espaço de trabalho onde o Servidor Penitenciário desenvolve suas atividades no tratamento penal pode tornar-se um ambiente vulnerável aos mais diversos sintomas que possam afetar a sua saúde e a qualidade de vida. O universo penitenciário por sua natureza pode apresentar um ambiente de hostilidades, sofrimento humano, conflitos interpessoais e impactos dos limites institucionais para o exercício profissional, por se tratar de uma instituição total, onde a natureza das suas características podem afetar a todos que convivem neste universo. A gestão das instituições penais quase sempre está voltada para as demandas relativas à segurança e disciplina penitenciária. Para realização do estudo, utilizou-se como método a revisão de literatura sobre a temática, além de busca de artigos em sites, como google acadêmico, BVS-Bireme, MEDLINE, PubMed entre outros. Os resultados encontrados ressaltam para o papel da gestão penitenciária na garantia de espaços de trabalho que promovam saúde e reduzam riscos psicossociais e vulnerabilidades no trabalho penitenciário, visto que a saúde e a qualidade de vida do trabalhador penitenciário não dependem exclusivamente da sua condição como indivíduo ou mesmo das condições desfavoráveis disponibilizadas pela instituição. Depende, sim, de um jogo movimentado na relação e na forma como um e outro fator integram o espaço organizacional.


Palavras-chave


Servidor penitenciário; Qualidade de vida; Instituições Penais

Texto completo:

PDF

Referências


- RODRIGUES, Marcus V. C. Qualidade de vida no trabalho: evolução e análise no nível gerencial. Petrópolis, Editora Vozes, 1999.

- MORETTI, Silvinha. Qualidade de vida no trabalho x autorealização humana. Disponível em:http://www.ergonomia.ufpr.br. Acesso 30 jul.2016.

- GUIMARÃES, L.A.M. Atualizações em qualidade de vida no trabalho. Apostila do Programa de Mestrado em Psicologia da Universidade Católica Dom Bosco (UCDB), 2005.

- BRASIL, BRASÍLIA. Lei nº 7.210 de 11 de Julho de 1984. Lei de Execuções penais. Disponível em: http://bd.camara.gov.br. Acesso em: Acesso em 15 de Mai, 2016.

- BONEZ, A. et al. Saúde mental de agentes penitenciários de um presídio catarinense. Psicol. Argum, v.31, n.74, p. 507-17, 2013. http://dx.doi.org/10.7213/psicol.argum.31.074

- TSCHIEDEL, R. M.; MONTEIRO, J. K. Prazer e sofrimento no trabalho das agentes de segurança penitenciária. Estud. psicol.(Natal), v. 18, n. 3, p. 527-35, 2013. http://dx.doi.org/10.1590/S1413-94X2013000300013

- CHIES, L.A.B. A prisionalização do agente penitenciário: um estudo sobre os encarcerados sem pena. Cadernos de Direito, 2001.

- CARLOTTO, M. S. Síndrome de burnout: o estresse ocupacional do professor. Canoas: ed. ULBRA; 2010.

- Couto, H. de A., & Moraes, L. F. R. Limites do homem. Revista Proteção, 2000.

- Vaez, Elaine Cristina Vaz. Qualidade de vida profissional em assistentes sociais da cidade Campo Grande. Dissertação – Universidade Católica Dom Bosco, Campo Grande. Mestrado em psicologia, 2007.

- MORGAN, G. Imagens da Organização. Tradução Cecília Whitaker Bergamini. Roberto Coda. 1.ed.- São Paulo: Atlas, 2007.

- COSTA, Selma. Visão estratégica de recursos humanos. ULBRA EAD, 2014.

- CARLOTTO, M. S. & Câmara, S. G. Análise da produção científica sobre a Síndrome de Burnout no Brasil. Revista Psico, PUCRS, 39(2), 152-158, 2008.




DOI: https://doi.org/10.18310/2446-4813.2017v3n3p256-263

DOI (PDF): https://doi.org/10.18310/2446-48132017v3n3.880g164

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


A revista Saúde em Redes foi classificada pelo Sistema Qualis-Periódico da CAPES no Quadriênio 2014/2016, período de sua criação, no estrato B1 na área de Ensino, no estrato B4 nas áreas de Enfermagem, Interdisciplinar, Psicologia, Saúde Coletiva e Serviço Social e no estrato B5 nas áreas de Geociências e Medicina II.

Indexada no LatindexDiadorimDOAJ; COLECIONASUS