CAPACIDADE FUNCIONAL DE IDOSOS ASSISTIDOS PELA ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMÍLIA EM UM BAIRRO DE TERESINA – PI.

Fernanda Nogueira Barbosa Lopes, Ingrid Tajra, Lilian Melo de Miranda Fortaleza

Resumo


OBJETIVO: Avaliar a capacidade funcional e analisar as características associadas à incapacidade dos idosos atendidos em uma equipe da Estratégia Saúde da Família em Teresina (PI). MÉTODOS:  Trata-se de um estudo transversal, descritivo de abordagem quantitativa. Para a avaliação das atividades básicas e instrumentais da vida diária foram empregados o índice de Katz e a escala de Lawton, respectivamente. Os dados coletados foram distribuídos e analisados no programa estatístico Statitical Package for the Social Sciences, versão 21.0. Realizou-se análise descritiva dos dados com os valores apresentados em frequências absolutas e porcentagens. Para associar o desfecho com os dados clínicos, sociodemográficos e econômicos, foi utilizado o Teste Exato de Fischer. Consideraram-se os valores de p<0,05 como significativos. O projeto recebeu anuência da Fundação Municipal de Saúde de Teresina e foi submetido e aprovado no Comitê de Ética em Pesquisa da Universidade Estadual do Piauí, conforme parecer nº 1.991.901. RESULTADOS: Foram entrevistados 37 idosos cuja idade variou de 60-92 anos, média 72,2 anos (DP ±7,4). Destes, 73% foram considerados independentes quanto à capacidade funcional para atividades diárias e 75,7% classificados como dependentes para atividades instrumentais. A independência para atividades básicas foi associada à faixa etária (p=0,003), assim idosos de 60-70 apresentam-se mais independentes. Idosos com idade ≥ 71 anos (p=0,035); do sexo feminino (p=0,023) e; idosos casados ou viúvos (p=0,013) apresentam-se maior dependência para atividades instrumentais. Não houve associação da capacidade funcional, para atividades básicas ou instrumentais da vida diária, com a presença de doenças crônicas não transmissíveis (p>0,05).


Palavras-chave


Idoso; Saúde do Idoso; Idoso com Deficiência Funcional; Saúde Coletiva

Texto completo:

PDF

Referências


Barbosa BR, Almeida JM, Barbosa MR, Rossi-Barbosa LAR. Avaliação da capacidade funcional dos idosos e fatores associados à incapacidade. Ciênc. Saúde Coletiva. 2014; 19 (8): 3317-25.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Sinopse do Censo Demográfico de 2010. 2011. https://censo2010.ibge.gov.br/sinopse/ (acessado em 01/Set/2016).

Pereira GN, Bastos GAN, Del Duca GF, Bós AJG. Indicadores demográficos e socioeconômicos associados à incapacidade funcional em idosos. Cad. Saúde Pública. 2012; 28 (11): 2035-42.

Ramos LR. Saúde Pública e envelhecimento: o paradigma da capacidade funcional. BIS, Bol. Inst. Saúde. 2009; (47): 40-41.

Lopes MVO, Araújo MFM, Moraes GLA. Avaliação do grau de dependência nas atividades de vida diária em idosos da cidade de Fortaleza - Ceará. Acta paul. enferm. 2006; 19(2): 201-06.

Albuquerque AG, Oliveira GSM, Silva VL, Nascimento CB. Capacidade funcional e linguagem de idosos não-participantes e participantes de grupos de intervenção multidisciplinar na atenção primária à saúde. Rev. CEFAC. 2012; 14(5): 952-62.

Camara FM, Gerez AG, Miranda MLJ, Velardi M. Capacidade funcional do idoso: formas de avaliação e tendências. Acta. Fisiátrica. 2008; 15(4): 249-56.

Guimarães LHCT, Galdino DCA, Martins FLM, Abreu SR, Lima M, Vitorino DFM. Avaliação da capacidade funcional de idosos em tratamento fisioterapêutico. Rev. Neurociências. 2004; 12(3): 130-3.

Araújo LAO, Bachion MM. Pograma Saúde da Família: perfil de idosos assistidos por uma equipe. Rev. bras. enferm. 2004; 57(5): 586-90.

Sistema de Informação da Atenção Básica (SIAB). População cadastrada na atenção básica – Teresina (PI). 2012. http://www2.datasus.gov.br/SIAB/index.php (acessado em 02/set/2016)

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Senso 2010. Rio de Janeiro: IBGE; 2010.

Folstein MF, Folstein SE, McHugh PR. “Mini-mental state. A practical method for grading the cognitive state of patients for the clinician. J Psychiatr Res. 1975; 12(3): 189-98.

Bertolucci PHF, Brucki SMD, Campacci SR, Juliano Y. O Mini-Exame do Estado Mental em uma população geral: impacto da escolaridade. Arq. Neuro-Psiquiatr. 1994; 52(1): 01-07.

Brucki SMD, Nitrini R, Caramelli P, Bertolucci PHF, Okamoto IH. Sugestões para o uso do mini-exame do estado mental no Brasil. Arq. Neuro-Psiquiatr. 2003; 61(3B): 777-81.

Katz S, Ford AB, Moskowitz RW, Jackson BA, Jaffe MW. Studies of illness in the aged. The index of ADL: a standardized measure of biological and psychosocial function. JAMA 1963; 185(12): 914-19.

Lino VTS, Pereira SRM, Camacho LAB, Ribeiro Filho ST, Buksman S. Adaptação transcultural da Escala de Independência em Atividades da Vida Diária (Escala de Katz). Cad. Saúde Pública. 2008; 24(1): 103-12.

Lawton MP, Brody EM. Assessment of older people: self-maintaining and instrumental activities of daily living. Gerontologist. 1969; 9: 179-86.

Santos RL, Virtuoso Júnior JS. Confiabilidade da versão brasileira da escala de atividades instrumentais da vida diária. Rev. Bras. Promoção da Saúde. 2008; 21(4): 290-96.

Brasil. Ministério da Saúde (MS). Conselho Nacional de Saúde. Resolução Nº466, de 12 de dezembro de 2012. Normas Regulamentadoras de Pesquisas Envolvendo Seres Humanos. Brasília: Diário Oficial da União, 2013; 12 dez.

Nunes DP, Nakatani AYK, Silveira EA, Bachion MM, Souza MR. Capacidade funcional, condições socioeconômicas e de saúde de idosos atendidos por equipes de Saúde da Família de Goiânia (GO, Brasil). Ciênc. saúde coletiva. 2010; 15(6): 2887-98.

Del Duca GF, Silva MC, Hallal PC. Incapacidade funcional para atividades básicas e instrumentais da vida diária em idosos. Rev. Saúde Pública. 2009; 43(5): 796-805.

Pilger C, Menon MH, Mathias TAF. Características sociodemográficas e de saúde de idosos: contribuições para os serviços de saúde. Rev. Latino-Am. Enfermagem. 2011; 19(5): 1230-8.

Ferreira OGL, Maciel SC, Costa SMG, Silva AO, Moreira MASP. Envelhecimento ativo e sua relação com a independência funcional. Texto contexto - enferm. 2012; 21(3): 513-8.

Pereira LC, Figueiredo MLF, Beleza CMF, Andrade EMLR, Silva MJ, Pereira AFM. Predictors for the functional incapacity of the elderly in primary health care. Rev. Bras. Enferm. 2017; 70 (1): 106-12.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Coordenação de População e Indicadores Sociais. Síntese de indicadores sociais: uma análise das condições de vida da população brasileira: 2015. Rio de Janeiro: IBGE; 2015.

Alvarenga MRM, Oliveira MAC, Faccenda O, Souza RA. Perfil social e funcional de idosos assistidos pela estratégia da saúde da família. Cogitare enferm. 2011; 16(3): 478-85.

Wichmann FMA, Couto NA, Areosa SVC, Montañés MCM. Grupos de convivência como suporte ao idoso na melhoria da saúde. Rev. Bras. Geriatr. Gerontol. 2013; 16 (4): 821-32.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Ministério do Planejamento Orçamento e Gestão. Ministério da saúde. Fundação Oswaldo Cruz. Coordenação de População e Indicadores Sociais. Pesquisa Nacional de Saúde 2013: percepção do estado de saúde, estilo de vida e doenças crônicas: Brasil, grandes regiões e unidades da federação. Rio de Janeiro: IBGE; 2014.

Cordeiro J, Del Castillo BL, Freitas CS, Gonçalves MP. Efeitos da atividade física na memória declarativa, capacidade funcional e qualidade de vida em idosos. Rev. bras. geriatr. gerontol. 2014; 17(3): 541-52.

Borges MRD, Moreira AK. Influências da prática de atividades físicas na terceira idade: estudo comparativo dos níveis de autonomia para o desempenho nas AVDs e AIVDs entre idosos ativos fisicamente e idosos sedentários. Motriz 2009; 15(3): 562-73.

Millán-Calenti JC, Tubío J, Pita-Fernández S, González-Abraldes I, Lorenzo T, Fernández-Arruty T, Maseda A. Prevalence of functional disability in activities of daily living (ADL), instrumental activities of daily living (IADL) and associated factors, as predictors of morbidity and mortality. Arch Gerontol Geriatr. 2010; 50(3): 306-10.




DOI: https://doi.org/10.18310/2446-4813.2017v3n4p310-324

DOI (PDF): https://doi.org/10.18310/2446-48132017v3n4.994g198

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


A revista Saúde em Redes foi classificada pelo Sistema Qualis-Periódico da CAPES no Quadriênio 2014/2016, período de sua criação, no estrato B1 na área de Ensino, no estrato B4 nas áreas de Enfermagem, Interdisciplinar, Psicologia, Saúde Coletiva e Serviço Social e no estrato B5 nas áreas de Geociências e Medicina II. Novidade 2019: a Saúde em Redes foi aprovada para indexação na Base LILACS.

Indexada no LatindexDiadorimDOAJ; COLECIONASUS