ANÁLISE HISTÓRICA SOBRE A INSERÇÃO DA PROMOÇÃO DE SAÚDE NA PRÁTICA DO FISIOTERAPEUTA

Naiara do Nascimento Brito, Tiago da Rocha Oliveira, João Kelson Araujo da Silva, Luan Sales de Alencar, Gaussianne de Oliveira Campelo, Auriane Coutinho da Silva, Rodrigo Amorim Oliveira Nunes

Resumo


INTRODUÇÃO: Em 1986 a Carta de Ottawa apresentou ao mundo a Promoção da Saúde. E no Brasil, ocorreu a VIII Conferência Nacional de Saúde que culminou, em 1988, na criação do Sistema Único de Saúde. A partir disso, buscou-se adaptar o exercício dos profissionais da saúde para o trabalho na Atenção Básica, com ênfase na Promoção da Saúde. OBJETIVO: Analisar historicamente os fatos que conduziram à inserção da promoção de saúde na prática do fisioterapeuta. METODOLOGIA: Consistiu numa pesquisa bibliográfica em bancos de dados on-line e publicações do Conselho Federal de Fisioterapia. RESULTADO: Desde sua regulamentação, a Fisioterapia tem se disseminado como ciência da reabilitação. O próprio cenário que fomentou a criação do Decreto-Lei nº 938 estava voltado para a reabilitação neurológica, tendo em vista o grande número de brasileiros sequelados por poliomielite ou acidente vascular cerebral, incluindo o presidente da República à época. Paulatinamente, a Fisioterapia se constituiu como saber e prática especializada em recuperar a funcionalidade que anteriormente o sujeito dispunha. Com o novo conceito de saúde, centrado na qualidade de vida, a prática desse profissional precisou ser re-significada. Assim, alguns fisioterapeutas começaram a se inserir em serviços de atenção básica e a recente criação dos NASF ofereceu uma nova oportunidade de atuação para este profissional. Entretanto, a Atenção Básica exige um trabalho voltado para a Promoção da Saúde e a inserção do fisioterapeuta nessa lógica ainda está em construção. CONCLUSÃO: Existe um longo caminho a ser percorrido pela profissão para sua consolidação na Promoção de Saúde.

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


A revista Cadernos de Educação, Saúde e Fisioterapia foi avaliada como B2 na área de Ensino, B3 na área de Serviço Social, B4 nas áreas de Saúde Coletiva, Interdisciplinar, Enfermagem e Educação Física e B5 na área de Medicina II e Arquitetura, Urbanismo e Design no QUALIS/CAPES - Quadriênio 2013-2016.