CLASSIFICAÇÃO INTERNACIONAL DE FUNCIONALIDADE, INCAPACIDADE E SAÚDE: PERFIL DE SUJEITOS ATENDIDOS PELOS ESTAGIÁRIOS DE FISIOTERAPIA EM SAÚDE COLETIVA

Lisiane Lisboa Carvalho, Tania Cristina Malezan Fleig, Eboni Marilia Reuter, Miriam Beatris Froemming, Sabrina Luciane Camara Guerreiro, Vinicius Bernhardt Pasa, Cássio Henrique Zuge, Patricia Macedo Eichenberg

Resumo


INTRODUÇÃO: O curso de Fisioterapia, através dos Estágios na Saúde Coletiva no município de Santa Cruz do Sul, RS, foi pioneiro na inserção do fisioterapeuta nos Programas de Saúde da Família, com a implantação do programa de educação, promoção e reabilitação em saúde na comunidade. Neste campo, busca-se trabalhar com ferramentas que avaliem o sujeito de forma global, reconhecendo a sua interação com o meio. OBJETIVO: O objetivo foi traçar o perfil de funcionalidade a partir da Classificação Internacional de Funcionalidade, Incapacidade e Saúde (CIF), dos sujeitos assistidos pelos estagiários da fisioterapia junto à cinco equipes de Saúde da Família. METODOLOGIA: Foram coletados os dados de 100 sujeitos atendidos em 2015 e 119 em 2016. Serão apresentados, em frequência relativa, os dois códigos com maior ocorrência em cada domínio da classificação. RESULTADO: Os resultados mostram predominância feminina (67%), prevalente neste sexo os domínios de função do corpo (b), nas categorias dor (51%) e mobilidade das articulações (50%); estruturas do corpo (s), extremidade inferior - perna e pé (38%) e sistema cardiovascular (31%); atividade e participação (d) nas categorias tarefas domésticas (45%), levantar e carregar objetos (36%). No sexo masculino os mesmos domínios representados nas respectivas categorias (b) pressão sanguínea e mobilidade das articulações (46% cada); (s) extremidade inferior - perna e pé (40%) e sistema cardiovascular (28%); (d) nas categorias andar (51%), levantar e carregar objetos (43%). Na classificação da CIF há prevalência dos fatores ambientais que impactam sobre a funcionalidade, destacando-se como facilitadores as categorias profissionais da saúde (80%) e família imediata (61%), sendo as barreiras representadas nas categorias família imediata (17%) e atitudes individuais de membros da família imediata (15%). Os resultados demonstram similaridade nas categorias identificadas como prevalentes quanto ao sexo, em todos os domínios. Quanto aos fatores ambientais, nota-se o percentual superior de facilitadores quando comparados às barreiras, sendo a família imediata identificada em ambas as situações. CONCLUSÃO: Estes dados permitem que os estagiários de fisioterapia reorganizem suas atividades juntamente com as equipes, nas diversas faixas etárias, tanto nas disfunções relacionadas ao trabalho e causas externas quanto nas doenças crônicas, podendo promover ações terapêuticas preventivas, buscando garantir o aprimoramento da atenção multiprofissional e interdisciplinar junto às equipes de saúde que assistem à comunidade adstrita.

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


A revista Cadernos de Educação, Saúde e Fisioterapia foi avaliada como B2 na área de Ensino, B3 na área de Serviço Social, B4 nas áreas de Saúde Coletiva, Interdisciplinar, Enfermagem e Educação Física e B5 na área de Medicina II e Arquitetura, Urbanismo e Design no QUALIS/CAPES - Quadriênio 2013-2016.