DIFERENÇA NA LIMITAÇÃO DE ATIVIDADES EM INDIVÍDUOS DIAGNOSTICADOS COM HANSENÍASE

Vivian Taís Cunha de Souza, Elisvânia Barroso Carregosa, Sheila Schneiberg Valença Dias

Resumo


INTRODUÇÃO: Na hanseníase é observado níveis variados de comprometimento da funcionalidade. A escala Screening of Activity Limitation and Safety Awareness (SALSA) é um instrumento recomendado pelo Ministério da Saúde para avaliar limitação nas atividades diárias e consciência de risco durante a realização de algumas atividades. Na aplicação da escala é questionado sobre a dificuldade para executar as atividades, em caso de resposta positiva é interrogado se há pouca dificuldade, muita dificuldade ou não realiza a atividade. A pontuação final pontuação corresponde a níveis diferentes de limitação, classificados em leve, moderada, grave ou extremo. A SALSA foi desenvolvida usando como referência a Classificação Internacional de Funcionalidade, Incapacidade e Saúde (CIF), por isso avalia atividade através dos domínios mobilidade, autocuidado, trabalho com as mão e movimentos de destreza das mãos. O comprometimento físico na hanseníase é avaliado pelo grau de incapacidade da Organização Mundial de Saúde, o qual classificado em grau 0 (ausência de deformidades), grau 1 (diminuição ou perda da sensibilidade) ou grau 2 (alteração motora e estrutural). OBJETIVO: Comparar a diferença entre os domínios da escala SALSA em indivíduos diagnosticados com hanseníase. METODOLOGIA: Foi realizado um estudo transversal em dois ambulatórios de referência no município de Aracaju e Unidades Básicas de Saúde do município de Lagarto, localizados no estado de Sergipe. Foram coletados dados demográficos, realizada a avaliação do grau de incapacidade e aplicada a escala SALSA. O estudo recebeu aprovação do Comitê de Ética e Pesquisa da Universidade Federal de Sergipe. RESULTADO: Foram incluídos 54 indivíduos, 29 mulheres e 25 homens, com média de idade de 44,81 ±14,02 anos. No resultado da escala SALSA, 15 indivíduos (grupo 1) não relataram limitação nas atividades, dos quais 60% apresentaram grau 1 de incapacidade e nenhum apresentou grau 2. O grupo 2 foi composto por 26 indivíduos que relataram limitação leve ou moderada, entre eles 50% foram avaliados com grau 1 de incapacidade e 38,46% com grau 2. A limitação grave ou extrema foi relatada por 13 indivíduos (grupo 3), onde 53,85% tinham grau 1 de incapacidade e 46,15% grau 2. Quando comparados os 3 grupos houve aumento da pontuação em todos os domínios. A maior diferença entre os grupos ocorreu no domínio mobilidade, seguido do domínio trabalho com as mãos e movimentos de destreza das mãos. No domínio do autocuidado ocorreu menor diferença de pontuação entre os grupos. CONCLUSÃO: A escala SALSA é instrumento que fornece informações relevantes para identificar em quais atividades da vida diária há maior limitação entre pacientes com hanseníase. Os dados da avaliação podem auxiliar no planejamento do plano de tratamento.

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


A revista Cadernos de Educação, Saúde e Fisioterapia foi avaliada como B2 na área de Ensino, B3 na área de Serviço Social, B4 nas áreas de Saúde Coletiva, Interdisciplinar, Enfermagem e Educação Física e B5 na área de Medicina II e Arquitetura, Urbanismo e Design no QUALIS/CAPES - Quadriênio 2013-2016.