PROMOÇÃO DA SAÚDE EM CABELEIREIROS: IDENTIFICAÇÃO DE FATORES DE RISCO OCUPACIONAIS E SEU IMPACTO NA QUALIDADE DE VIDA

Danielle Cristine de Oliveira Duarte, Cíntia Ferreira de Oliveira, Joyce Antunes Alves, Thayara da Silva Ferreira, Kenia Alexandrina da Cruz, Karla Kristine Dames da Silva

Resumo


INTRODUÇÃO: Os cabeleireiros estão expostos a riscos ocupacionais: físicos, químicos, biológicos, ergonômicos e acidentes de trabalho em geral, além de outros aspectos que colaboram para o estresse ocupacional e piora da qualidade de vida, como jornada de trabalho extensa, ritmos acelerados e exigências organizacionais. Desta maneira, observa-se a necessidade cada vez maior da implementação de estratégias que visem a promoção da saúde desses trabalhadores. OBJETIVO: Identificar fatores de risco que interferem na qualidade de vida de cabeleireiros e criar estratégias para prevenir e/ou minimizar esses efeitos na saúde desses trabalhadores. METODOLOGIA: Este estudo obteve a aprovação do comitê de ética e pesquisa do IFRJ e assinatura dos participantes do Termo de Consentimento Livre e Esclarecido. Foi realizada a análise de possíveis riscos ocupacionais, segundo relato dos trabalhadores, avaliação da qualidade de vida através do SF-36 e do risco ergonômico através do Checklist de Couto. RESULTADO: Foram avaliados um total de 15 cabelereiros, sendo 10 do sexo feminino e 5 do masculino. Foram identificados os seguintes riscos ocupacionais em químicos e físicos, além do risco ergonômico. Destes, apenas 20% usam equipamento de proteção individual mais completo (máscara, óculos e luvas), em relação às condições de trabalho 87% afirmam a presença de ruído (não medido por decibelímetro), a minoria classificou como ótima a temperatura (20%) e a iluminação (27%), evidenciando que estes fatores físicos podem influenciar na saúde dos trabalhadores. Com relação ao estresse ocupacional, 100% dos trabalhadores relata exercer a atividade acima do seu limite, 53% dos participantes mencionaram que esse tipo de trabalho provoca desgaste emocional, 80% destes destaca o relacionamento com o cliente como fator importante para o desgaste, a multiplicidade de solicitações de clientes (87%) e o pequeno número de pausas (73%). No SF-36 destacaram os seguintes domínios: limitação por aspectos físicos e dor com (27%); e limitação por aspectos emocionais com (20%). O Check-list de Couto apontou 60% dos cabeleireiros com alto risco ergonômico, o que significa elevado risco para desenvolvimento de doenças, especialmente em MMSS. A partir destes resultados, utilizou-se estratégias de educação em saúde como técnicas para amenizar o efeito relacionados ao estresse, fadiga muscular, desconforto e dor, além de uma cartilha com alguns dos exercícios realizados. Os trabalhadores relataram alívio dos sintomas após a realização das atividades. CONCLUSÃO: Os resultados demonstraram importantes riscos ocupacionais químicos, físicos e ergonômicos aos quais os cabeleireiros estão expostos durante a atividade laborativa. A importância da utilização de estratégias que tornem esse profissional corresponsável por sua saúde por meio de orientações para alívio e implementação de pausas em sua jornada, podem minimizar os sintomas e prevenir de agravos à saúde desta população.

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


A revista Cadernos de Educação, Saúde e Fisioterapia foi avaliada como B2 na área de Ensino, B3 na área de Serviço Social, B4 nas áreas de Saúde Coletiva, Interdisciplinar, Enfermagem e Educação Física e B5 na área de Medicina II e Arquitetura, Urbanismo e Design no QUALIS/CAPES - Quadriênio 2013-2016.