PROMOÇÃO DA SAÚDE PARA MÚSICOS NA COMUNIDADE: FORMAÇÃO DE VÍNCULO E ESTÍMULO À AUTONOMIA PARA O CUIDADO

Larissa Fregapani da Costa Vieira, Gabriella Simões Scarmagnan, Heloísa Cardoso Ecard Ilkiu, Jéssica de Oliveira, Ana Beatriz Gomes de Souza Pegorare, Fátima Del Fava, Laís Alves de Souza

Resumo


INTRODUÇÃO: A área da saúde não se limita a um único campo do saber e, por esse motivo, temos a concepção de que ela não é exclusivamente contemplada por atendimentos individuais prestados à população nas unidades básicas de saúde, clínicas ou hospitais. Ao integrar-se a outros setores da sociedade no desenvolvimento de ações, envolvendo a comunidade na qual a pessoa está inserida, desenvolve-se também a autonomia e a responsabilização para o cuidado da própria saúde. Para agir em âmbito coletivo é fundamental a criação de vínculos entre usuários, famílias e comunidade com a equipe de referência da unidade de saúde local. De acordo com a Política Nacional de Humanização, estabelecer parcerias também com outros setores, como escolas, creches, universidades, centros de assistência social e outras instituições/equipamentos sociais da região e organizações do movimento social/comunitário seria uma estratégia da equipe de Atenção Básica para favorecer a construção desses vínculos, com responsabilização de todos e maior resolutividade nas ações de saúde. Com o objetivo de desenvolver ações integradas entre uma Unidade Básica de Saúde da Família (UBSF) e equipamentos sociais, o projeto aqui relatado criou uma parceria com o projeto Som&Vida, que oferece aulas de música gratuitamente para a comunidade. DESCRIÇÃO DA EXPERIÊNCIA: O projeto foi elaborado e executado durante o estágio de Atenção Básica do curso de Fisioterapia da Universidade Federal de Mato Grosso do Sul, e teve como objetivos: criar ou reforçar vínculos entre o sistema de saúde e a comunidade; realizar promoção da saúde e prevenção dos agravos musculoesqueléticos que acometem os músicos do projeto e desenvolver interesse e autonomia no cuidado à saúde. Para isso foram realizadas atividades de educação em saúde e atividade física, às terças-feiras ao longo de sete semanas, direcionadas aos alunos de música, sendo aproximadamente 20 participantes frequentes, com média de idade de 11 anos. Os temas das atividades de educação em saúde foram determinados pelos próprios alunos de música em uma dinâmica realizada no primeiro dia de intervenção, através de questionário individual onde registraram temas de interesse. Os exercícios físicos buscaram melhorar o condicionamento cardiopulmonar, a respiração, a agilidade, a coordenação motora, o fortalecimento e o alongamento de músculos envolvidos na ação de tocar os diversos instrumentos. IMPACTOS: A proposta ofereceu aos alunos de música o aumento da concepção sobre a saúde e despertou interesse por ações de promoção da saúde e sobre recursos para melhorá-la ou mantê-la. O projeto também aproximou os alunos do projeto Som&Vida da equipe de referência da UBSF do bairro, gerando um maior contato entre eles e a unidade, o que aumenta a possibilidade de sucesso em ações futuras. CONSIDERAÇÕES FINAIS: A promoção da saúde pode ser resultado de ações coletivas e integradas entre o setor saúde e os equipamentos sociais de uma comunidade e são excelentes formas de criação de vínculo entre a comunidade e a equipe de saúde, bem como uma estratégia para empoderar a comunidade quanto ao cuidado com a saúde individual e da comunidade.

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


A revista Cadernos de Educação, Saúde e Fisioterapia foi avaliada como B2 na área de Ensino, B3 na área de Serviço Social, B4 nas áreas de Saúde Coletiva, Interdisciplinar, Enfermagem e Educação Física e B5 na área de Medicina II e Arquitetura, Urbanismo e Design no QUALIS/CAPES - Quadriênio 2013-2016.