INTERPROFISSIONALIDADE NA ATENÇÃO PRIMÁRIA EM SAÚDE E NA ÓPTICA DISCENTE

Isaías Vicente Santos, Erivaldo Santos de Lima, Augusto César Alves de Oliveira, Alberto Monteiro Peixoto, Sandra Adriana Zimpel, Ana Marlusia Alves Bomfim, Ana Raquel Carvalho Mourão

Resumo


INTRODUÇÃO: Interprofissionalidade é definida por Rocha, Barreto e Moreira (2016) e Barreto et all (2012) como processo pelo qual os profissionais podem refletir e desenvolver formas de práticas que forneçam uma resposta integrada e coerente com as necessidades do usuário, sua família e comunidade, envolvendo uma interação longitudinal e a partilha de conhecimentos entre os profissionais, organizados para resolver ou explorar uma variedade de questões de educação e de cuidados continuamente, buscando estimular a participação da comunidade. Ressaltando as mudanças nas Diretrizes Curriculares Nacionais (DCNs) dos cursos de graduação em Saúde, que favorece a uma maior relação entre o ensino, prática profissional e comunidade, bem como a compreensão da organização dos serviços, gerenciamento, papéis das equipes multiprofissionais no cuidado, lógica matricial e entendimento dos determinantes sociais no processo saúde-doença, que são algumas das características de extrema importância para a formação acadêmic. DESCRIÇÃO DA EXPERIÊNCIA: O eixo Saúde e Sociedade ocorre de forma longitudinal nos Projetos Políticos Pedagógicos nos cursos de graduação da Universidade Estadual de Ciências da Saúde de Alagoas, pois está presente do primeiro ao último ano de graduação. Os discentes do curso de Fisioterapia, Enfermagem, Terapia Ocupacional e Fonoaudiologia dividem a mesma sala de aula, as mesmas práticas e o planejamento de um mesmo cuidado. Nessa perspectiva, os alunos realizaram diversas visitas a algumas comunidades de Maceió, com o objetivo de unir os conceitos teóricos com a prática. Os acadêmicos puderam vivenciar a realidade do Sistema Único de Saúde, como também a conhecer as equipe da Estratégia de Saúde da Família (ESF). Foi possível ainda a visualização do modelo de Atenção Primária como apresentado em sala de aula, que por sua vez seguem os princípios e preceitos do SUS e além de contar com uma equipe interdisciplinar, com foco na garantia de que a saúde esteja mais acessível ao indivíduo, famílias e comunidades, o que favorece a criação de um vínculo - que é extremamente importante no cuidado - entre os usuários, discentes e a equipe de profissionais (Enfermeiros, Fisioterapeutas, Terapeutas Ocupacionais, Médicos, Cirurgiões-dentistas, Técnicos, entre outros). IMPACTOS: As vivências contribuíram para a formação dos acadêmicos , visto que houve a articulação da teoria com a prática e formação crítica de pensamentos políticos e científicos. Ainda nessa perspectiva, foi possível compreender a importância do trabalho interdisciplinar para a efetivação dos princípios doutrinários do SUS, a citar, equidade, universalidade e integralidade. CONSIDERAÇÕES FINAIS: A inserção de acadêmicos da Saúde no contexto de sua futura prática profissional, perpassando pela tríade ensino-serviço-comunidade colabora com o desenvolvimento e aprimoramento de habilidades adquiridas em sala de aula. A exemplo disso, é o contato que é estabelecido com o outro, seja o profissional, o discente ou usuário do serviço, favorecendo a humanização, o trabalho em equipe e o exercício da alteridade, que muitas vezes se perdem no contexto curativista e biomédico.

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


A revista Cadernos de Educação, Saúde e Fisioterapia foi avaliada como B2 na área de Ensino, B3 na área de Serviço Social, B4 nas áreas de Saúde Coletiva, Interdisciplinar, Enfermagem e Educação Física e B5 na área de Medicina II e Arquitetura, Urbanismo e Design no QUALIS/CAPES - Quadriênio 2013-2016.