PET-SAÚDE/VIGILANCIA EM SAÚDE E A INFLUÊNCIA NA FORMAÇÃO PROFISSIONAL

Jaqueline Simonatto, Diego da Silva Machado, Dayane Aparecida Moisés Caetano, Suzi Rosa Miziara Barbosa

Resumo


INTRODUÇÃO: Apesar das diretrizes curriculares nacionais (DCN) dos cursos de graduação, preconizarem estratégias inovadoras no processo ensino-aprendizagem e flexibilização curricular sua implantação caminha a passos lentos e a experiência vivenciada demonstra a fragilidade de sua implantação. O Programa de Educação para o Trabalho, demonstra a finalidade de formar profissionais em saúde com aptidão para o trabalho em equipe, com ênfase na integralidade, no cuidado, e tendo a formação científica como mola propulsora do ensino e aprendizagem. DESCRIÇÃO DA EXPERIÊNCIA: As atividades foram desenvolvidas por acadêmicos dos cursos de graduação das áreas de saúde da UFMS, junto as preceptoras do serviço que coordenavam as ações de promoção a saúde dos Agentes de Combate a Endemias (ACE) de Campo Grande - MS e a tutora que orientava os alunos. Durante a estruturação das atividades, detectou-se um descompasso entre a teoria de sala e a prática, resultantes do processo de formação dos membros da equipe. Estes impactavam diretamente no processo de trabalho e impossibilitavam a implantação das ações para atingir ao objetivo proposto. Assim, estratégias para superar as dificuldades embasaram-se em estudos sobre núcleo e campo, equipe multidisciplinar, discussões sobre estruturas curriculares e a flexibilização desta, assim como a integração ensino-serviço. IMPACTOS: A maior integração acadêmica e multiprofissional no PET- Saúde. Compreendeu-se a distinção de trabalho em equipe e multiprofissional, objetivos e preceito petianos. Estudou-se conceitos de interdisciplinaridade, integralidade e intersetorial a fim de tentar tornar mais fácil a convivência dos alunos. Possibilitou a reflexão e discussão sobre o processo de formação profissional, perpassando pela integração acadêmica e multiprofissional com o serviço e os reflexos sobre a comunidade. CONSIDERAÇÕES FINAIS: A forma de trabalho em equipe proposto pelo PET-Saúde é de maneira integrada e exige conhecimento e valorização do trabalho do outro. A construção de consensos denota ser a maneira mais adequada para o desenvolvimento de ações integralizadas, sendo, portanto necessário que a equipe se organize e tome medidas para impedir que estes problemas adquiram maiores proporções.

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


A revista Cadernos de Educação, Saúde e Fisioterapia foi avaliada como B2 na área de Ensino, B3 na área de Serviço Social, B4 nas áreas de Saúde Coletiva, Interdisciplinar, Enfermagem e Educação Física e B5 na área de Medicina II e Arquitetura, Urbanismo e Design no QUALIS/CAPES - Quadriênio 2013-2016.