A ASSOCIAÇÃO ENTRE A QUALIDADE DO SONO E ACIDENTES DE TRÂNSITO EM MOTORISTAS DE TÁXI

Daisy Satomi Ykedamarcos Apollo Costa da Silva

Resumo


INTRODUÇÃO: Trabalhadores que tem atividades laborais em horários irregulares geralmente são submetidos e privados de sono. A diminuição das horas de sono e sua má qualidade podem trazer várias consequências para o desempenho cognitivo e motor dessas pessoas (NIELSON et al., 2010). O risco de acidentes de trânsito também está associado com motoristas sonolentos (VALENT et al., 2010). Neste contexto, podem-se enquadrar os motoristas de táxi, que pelo excesso de horas trabalhadas e pela exposição a inúmeros perigos, podem se transformar em trabalhadores estressados (VOGEL et al., 2010). Motoristas de táxi pelo seu trabalho exaustivo compromete não somente sua saúde, mas também a segurança de todos aqueles que transitam nas vias públicas, dentre eles, os próprios passageiros e os pedestres que circulam por essas vias de locomoção (VOGEL et al., 2010). OBJETIVO: Neste contexto, o presente estudo teve como objetivo verificar a associação da qualidade do sono com os acidentes de trânsito de taxistas. METODOLOGIA: A amostra foi composta por 23 motoristas de táxi. Os dados foram coletados por meio da aplicação de questionário sócio demográfico e em seguida foram aplicados quatro questionários, três voltados ao sono e um relacionado ao nível de estresse nos quais eles estavam envolvidos. O índice de qualidade do sono de Pittsburgh (PSQI-BR) para avaliação da qualidade do sono dos taxistas. A Escala de Epworth, que é um instrumento desenvolvido para observar a ocorrência da sonolência diurna. A Escala de Berlin é um instrumento que estima a chance dos participantes de desenvolver síndrome da apneia obstrutiva. Ao final, foi aplicado o Questionário de estresse de LIPP, que permite verificar se a pessoa manifesta estresse. Ao término da coleta de dados foram entregues cartilhas de higiene do sono. Os dados foram analisados pela correlação de Pearson. Os resultados foram descritos em média e desvio padrão sendo considerados significantes valores com p. < 0,05. RESULTADO: Dos 23 questionários aplicados, todos eram do sexo masculino com média de idade de 44 ± 11 anos, com 8 ± 6 anos de profissão, trabalham em média 11 ± 2,4 horas/dia, dormem 7,0 ± 1,1 horas por noite e 16 (70%) deles j‡ tiveram envolvimento em acidentes de trânsito. As principais queixas relacionadas ao trabalho são: dores na coluna (24%) e fatores psicológicos (15%), somente 8% n‹o apresentavam queixas. E 12 (52%) apresentaram algum grau de estresse. Sobre a Qualidade do Sono: 6 (26%) apresentaram m‡ qualidade do sono ou distúrbio do sono. 11 (48%) motoristas apresentaram sonolência excessiva diurna e 9 (39%) apresentaram alto risco de Apneia Obstrutiva do Sono. Verificou-se correlações fortes entre as variáveis acidentes de trânsito e eficiência do sono (r=-0,7) e entre acidentes de trânsito e latência do sono (r=0,7). CONCLUSÃO: Este estudo revela que há correlação entre a qualidade de sono dos motoristas de táxi e o envolvimento em acidentes de trânsito. Aqueles com menor eficiência do sono e maior latência do sono, são os que mais se envolveram em acidentes de trânsito.

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


A revista Cadernos de Educação, Saúde e Fisioterapia foi avaliada como B2 na área de Ensino, B3 na área de Serviço Social, B4 nas áreas de Saúde Coletiva, Interdisciplinar, Enfermagem e Educação Física e B5 na área de Medicina II e Arquitetura, Urbanismo e Design no QUALIS/CAPES - Quadriênio 2013-2016.