ANÁLISE DAS ALTERAÇÕES POSTURAIS EM UM GRUPO DE IDOSOS: UM ESTUDO A PARTIR DA ESCOLA DE POSTURAS

Genilda Urbano de Castro Quirino, Nadiedja Fátima das Chagas Costa, Rachel Cavalcanti Fonseca, Rayane Marques Estevam

Resumo


INTRODUÇÃO: Postura é o alinhamento corporal correto que promove eficiência fisiológica e biomecânica máxima, diminuindo o estresse e a sobrecarga sofrida pelos efeitos da gravidade. A postura está associada com a coordenação, equilíbrio e controle corporal. O processo natural do envelhecimento traz alterações posturais para o indivíduo, sendo necessário o estudo dessas mudanças e das consequências que podem acarretar para o idoso, como disfunções biomecânicas e dependência funcional, podendo resultar em quedas e até mortes acidentais. Vários fatores individuais podem influenciar essas alterações, como anomalias congênitas e/ou adquiridas, má postura, obesidade, alimentação inadequada, atividades físicas sem orientação e/ou inadequadas, distúrbios respiratórios, desequilíbrios musculares, frouxidão ligamentar e doenças psicossomáticas. Tais fatores justificam a importância do papel do Fisioterapeuta na avaliação e tratamento destas alterações, as quais podem comprometer a funcionalidade desta população. OBJETIVO: Verificar a incidência de alterações posturais e estruturais na coluna vertebral dos idosos que frequentam o Instituto de Previdência dos Servidores Municipais de Cabedelo- IPSEMC, durante a realização da Oficina de Postura, aplicada pelos alunos do 7º Período do curso de Fisioterapia do UNIPÊ. METODOLOGIA: Os usuários avaliados foram 25 idosos do Instituto de Previdência dos Servidores Municipais de Cabedelo (IPSEMC), entre 50 e 80 anos, com a média de 65,32 anos, sendo 22 mulheres e 3 homens, n‹o foram estabelecidos critérios de exclusão para o grupo. O instrumento utilizado foi a ficha de avaliação postural, elaborada pela instituição do UNIPÊ, e aplicada pelos alunos da Escola de Postura, onde verificou-se através de exame físico alterações como escoliose, hiperlordose cervical e lombar, hipercifose torácica. Os usuários mantinham-se na posição ortotástica para a análise das alterações posturais enquanto os alunos observavam. RESULTADO: Os resultados obtidos de acordo com as avaliações dos usuários foram observados que 80% dos idosos tinham escoliose, 38% possuíam hipercifose dorsal e 28% hiperlordose lombar, no qual cada um possuía mais de uma alteração postural. Isso nos mostra que, ao decorrer do tempo e do envelhecimento natural do ser humano, estas pessoas estão propensas a adquirir patologias degenerativas associadas a essas alterações. CONCLUSÃO: É importante destacar a necessidade de orientar os idosos quanto ao processo natural do envelhecimento e suas alterações, principalmente na estrutura osteomioarticular. As alterações posturais se destacam neste público, muitas vezes causada pela falta de consciência da postura corporal adquirida com a idade, além das mudanças causadas pela própria senescência e a falta de exercício para um melhor fortalecimento dos músculos, incrementando força e flexibilidade. O rápido processo de envelhecimento da população e, consequentemente, o crescente aumento da população idosa, traz a necessidade de uma atenção maior neste aspecto, cabendo ao Fisioterapeuta adotar medidas preventivas e curativas que envolvam a coluna vertebral.

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


A revista Cadernos de Educação, Saúde e Fisioterapia foi avaliada como B2 na área de Ensino, B3 na área de Serviço Social, B4 nas áreas de Saúde Coletiva, Interdisciplinar, Enfermagem e Educação Física e B5 na área de Medicina II e Arquitetura, Urbanismo e Design no QUALIS/CAPES - Quadriênio 2013-2016.