AVALIAÇÃO DO DESENVOLVIMENTO MOTOR EM CRIANÇAS COM MICROCEFALIA ASSOCIADA AO VÍRUS ZIKA - RELATOS DE CASO

Amanda Raíssa Neves de Amorim, Janice Souza Marques

Resumo


INTRODUÇÃO: A microcefalia caracteriza-se por uma malformação congênita em que o cérebro n‹o se desenvolve de maneira adequada. O perímetro cefálico dos recém-nascidos é menor que dois desvios-padrão da média por idade e sexo podendo levar a alterações cerebrais e problemas no desenvolvimento neurológico. Segundo a literatura, esse grupo demandará de ações precoces de intervenção, considerando-se os múltiplos riscos para alterações globais do desenvolvimento infantil com elevado impacto no funcionamento adaptativo deste. OBJETIVO: Analisar o desenvolvimento motor de crianças com microcefalia associada ao vírus Zika; Avaliar o desenvolvimento motor dessas crianças utilizando a escala de Alberta Infant Motor Scale (AIMS); Associar a presença de distúrbios do desenvolvimento neuropsicomotor e sua relação com o atraso nas aquisições motoras. METODOLOGIA: Trata-se de um estudo descritivo realizado na clínica escola da Universidade Potiguar - UnP. A amostra foi formada por cinco crianças, com provável diagnostico de Microcefalia associada ao vírus Zika submetidas ao tratamento fisioterapêutico na instituição. Os dados foram coletados nas fichas de avaliação e prontuários dessas crianças e aplicação da escala Alberta Infant Motor Scale (AIMS). As crianças foram avaliadas individualmente em um espaço adequado, com duração de vinte minutos cada avaliação. A coleta foi realizada no mês de Abril de 2017. RESULTADO: Foram avaliadas quatro crianças, de ambos os sexos, com até 18 meses de idade em acompanhamento fisioterapêutico na clínica escola da Universidade Potiguar. Segundo informações coletadas no prontuário, estes casos apresentaram resultados dos testes negativos para outras infecções congênitas que provocam a microcefalia (sífilis, rubéola e citomegalovírus) e as mães apresentaram sintomas compatíveis com a infecção pelo vírus Zika, durante o primeiro ou segundo trimestre de gestação. Todas as crianças avaliadas apresentaram atraso no desenvolvimento motor significativo quando relacionado aos padrões típicos esperados para sua faixa etária. Foi observado que esses atrasos acontecem independentes do sexo e da idade dessas crianças. Todas elas apresentam manutenção de alguns reflexos primitivos, o que influencia diretamente na aquisição de alguns padrões motores, apresentam alterações no tônus (Hipertonia) e ausência das reações de proteção e equilíbrio. CONCLUSÃO: Como mostra o estudo, a utilização da escala AIMS na avaliação fisioterapêutica, pode-se quantificar os atrasos no desenvolvimento motor e relaciona-los a idade, comprovando essas alterações em crianças com microcefalia associada ao vírus Zika. O estudo verificou que existe uma padronização quando ao tônus, padrão postural e padrões motores já adquiridos entre as quatro crianças avaliadas. Entretanto, é necessária a realização de outras pesquisas com delineamento longitudinal, para o acompanhamento da trajetória do desenvolvimento dessa população, com um maior número da amostra.

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


A revista Cadernos de Educação, Saúde e Fisioterapia foi avaliada como B2 na área de Ensino, B3 na área de Serviço Social, B4 nas áreas de Saúde Coletiva, Interdisciplinar, Enfermagem e Educação Física e B5 na área de Medicina II e Arquitetura, Urbanismo e Design no QUALIS/CAPES - Quadriênio 2013-2016.