EFEITOS DA VENTOSATERAPIA E ENDERMOTERAPIA NA FLEXIBILIDADE MUSCULAR DOS ISQUIOTIBIAIS

Fernanda Alves Dionisio, Jonathas Rafael Gon‚Alves Luna Freire da Silva, Maria Letêcia de Melo Lima, Maria Luêza da Silva Simíes, Eva Laressa Cavalcante Leite Santos, Caêna Marinho Patriota, Eduardo Henrique Dias Araòjo, Nicia Farias Braga Maciel

Resumo


INTRODUÇÃO: A manutenção dos parâmetros da flexibilidade se faz necessário, tendo em vista as alterações decorrentes da redução da ADM, com o passar do tempo as físicas tendem a tensionar e enrijecer lentamente, fazendo com que o movimento perca a flexibilidade e a espontaneidade, deixando o corpo mais exposto à traumas. Como forma de tratamento com escopo na liberação miofascial, a ventosaterapia é uma das técnicas bastante utilizada, que estimula a dilatação dos vasos sanguíneos melhorando a circulação. Já a endermoterapia, também utilizada na liberação das fibras, Ž capaz de realizar massagens profundas, através da sucção, e uma mobilização intensa da pele e tela subcutânea, permitindo uma melhora na circulação sanguínea. OBJETIVO: O objetivo primário foi analisar os efeitos da vacuoterapia na flexibilidade durante o movimento de extensão ativa do joelho em mulheres sedentárias, por conseguinte, os secundários foram comparar os efeitos da ventosaterapia e endermoterapia na liberação miofascial e avaliar por meio da biofotogrametria computadorizada o ângulo de extensão ativa do joelho. METODOLOGIA: A pesquisa foi realizada na Clínica Escola de Fisioterapia do Unipê. Realizou-se a liberação miofascial dos músculos isquiotibiais em 30 mulheres, divididas igualmente em três grupos distintos, a saber: grupo endermoterapia (G1), grupo ventosaterapia (G2) e Grupo controle (GC). Os critérios de inclusão foram: mulheres sedentárias, com encurtamento nos músculos isquiotibiais, e que n‹o estivesse realizando nenhuma técnica de flexibilidade muscular, nos últimos três meses. A avaliação foi realizada através da biofotogrametria computadorizada, para isso, cada participante foi posicionada em decúbito dorsal, para assim avaliar o membro inferior, desse modo foram delimitados três pontos anatômicos: trocânter maior do fêmur, epicôndilo lateral do fêmur e maléolo lateral. Após a colocação adequada, a participante foi instruída a realizar o movimento ativo de extensão do joelho para ser efetuado o primeiro registro fotográfico, posteriormente foi deslocada a outra maca para iniciar a intervenção proposta no tempo de cinco minutos. Em seguida era pedido que realizasse novamente o movimento inicial para registro fotográfico final. RESULTADO: Na análise do grupo controle, pode-se constatar que n‹o houve diferenças significativas. Já no G1, submetido à aplicação da Endermoterapia, pode-se observar diferenças no ângulo analisado (média = 5,7). Fato semelhante ocorreu no G2, ao detectar um aumento significativo do ângulo de extensão ativa do joelho, após aplicação da técnica de ventosaterapia (média= 7,2). Sendo assim, no que diz respeito à avaliação intergrupo, foi observado uma diferença significativa dos grupos de intervenção com relação ao controle, como também entre o grupo endermoterapia e ventosaterapia. Demonstrando a eficácia da ventosaterapia na liberação miofascial e aumento da flexibilidade muscular do isquiotibiais. CONCLUSÃO: Mediante a análise feita, constatou-se parâmetros iniciais e finais da amplitude de movimento durante a extensão ativa do joelho por meio da biofotogrametria computadorizada com o auxílio do software kinovea¨. Por meio dos dados comparativos encontrados nos grupos avaliados, o uso da ventosaterapia se sobressaiu, atingindo resultados relevantes e satisfatórios. Porém o ganho na endermoterapia também foi positivo, nessa perspectiva o recurso da ventosaterapia mostrou-se, além de eficaz, acessível e ótimo custo-benefício.

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


A revista Cadernos de Educação, Saúde e Fisioterapia foi avaliada como B2 na área de Ensino, B3 na área de Serviço Social, B4 nas áreas de Saúde Coletiva, Interdisciplinar, Enfermagem e Educação Física e B5 na área de Medicina II e Arquitetura, Urbanismo e Design no QUALIS/CAPES - Quadriênio 2013-2016.