ESTRATÉGIAS E PRÁTICAS PARA A INTERDISCIPLINARIDADE NA FISIOTERAPIA - REFLETIR PARA AGIR INTEGRALMENTE EM SAÚDE

Thomaz da Cunha Figueiredo, Sabrina Libraga Justen, Nadiesca Taisa Filippin, Jonas Alƒxis Skupien, Alecsandra Pinheiro Vendrusculo,

Resumo


INTRODUÇÃO: É inegável a existência da complexidade a ser alcançada para a compreensão das relações humanas na sociedade atual, já que, torna-se objetivo comum entre as ciências, perceber o ser humano além de suas partes, isto é, através das interconexões que o compõe. Preocupadas com a formação do profissional da saúde, de modo generalista, humanista, crítico e reflexivo, essas diretrizes baseiam-se em uma formação que responde às necessidades de saúde percebidas através de análises sociais, biológicas e epidemiológicas e indicam uma concepção mais ampla, integral, que pode ser gerada, fundamentalmente, através da interdisciplinaridade. As DCN para os Cursos Universitários da área da saúde propõem, basicamente, princípios que estimulam atividades de interação do ensino-serviço em torno da conexão interdisciplinar de atitudes multidisciplinares e da constituição de programas de educação e promoção à saúde, pelo fortalecimento da autonomia do aluno, da atitude de facilitador e mediador do professor. Assim, transformando o discente em agente de mudanças sociais que preservem a singularidade do sujeito diante os distintos processos de vida, saúde, trabalho e adoecimento. A atenção primária é o que mais aproxima-se da assistência interdisciplinar almejada atualmente, mesmo que ainda pouco inseridos em equipes de saúde, fonoaudiólogos, fisioterapeutas, nutricionistas, terapeutas ocupacionais e outras categorias profissionais são fundamentais para a integralidade da assistência do usuário de saúde. Entretanto, através de quais estratégias, na teoria e na prática, poder-se-á atingir a intedisciplinaridade para a integralidade do cuidado em saúde? Quais metodologias utilizar? Nota-se, pela escassez de estudos, a necessidade da explanação do que vem sendo realizado dentro das instituições de ensino superior para o reconhecimento, aprimoramento e criação de abordagens que satisfaçam os princípios das DCN para os Cursos Universitários da área da saúde. Em virtude disso, este artigo tem por objetivo conhecer e debater sobre as estratégias e práticas do docente na busca da interdisciplinaridade para o pensar e agir em conjunto com o discente do curso de fisioterapia. OBJETIVO: Conhecer e debater sobre as estratégias e práticas do docente na busca da interdisciplinaridade para o pensar e agir em conjunto com o discente do curso de fisioterapia. METODOLOGIA: Estudo qualitativo, descritivo exploratório, aplicou-se um questionário, durante o mês de julho de 2014, composto por 11 questões abertas, aos 21 docentes fisioterapeutas do curso de Fisioterapia do Centro Universitário Franciscano, Santa Maria/RS, sendo que três das questões do questionário aplicado compuseram este artigo. Os dados foram interpretados por meio de análise de conteúdo, conforme Bardin (2002), e as respostas organizadas conforme categorização. RESULTADO: É preciso compreender que a Fisioterapia, enquanto campo de conhecimento da saúde, deve agregar-se e constituir-se das diversas vertentes epistemológicas do ser humano para promover e educar em saúde, prevenir doenças e reabilitar, a fim de garantir sua autonomia e respeito profissional frente às demais profissões. Profissional da saúde é aquele que domina técnicas e teorias, sim. Porém, essencialmente, é aquele toca a alma humana. CONCLUSÃO: A divulgação das estratégias e práticas para a interdisciplinaridade ainda são escassas e, assim, através dessas, acredita-se que o ensino poderá ser melhor orientado e dinâmico, e, consequentemente, dificuldades poderão ser minimizadas.

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


A revista Cadernos de Educação, Saúde e Fisioterapia foi avaliada como B2 na área de Ensino, B3 na área de Serviço Social, B4 nas áreas de Saúde Coletiva, Interdisciplinar, Enfermagem e Educação Física e B5 na área de Medicina II e Arquitetura, Urbanismo e Design no QUALIS/CAPES - Quadriênio 2013-2016.