VALORES DE REFERÊNCIAS OBTIDAS E PREVISTAS DE PRESSÃO RESPIRATÓRIA MÁXIMAS EM ADULTOS JOVENS

Valeska Christina Sobreira de Lyra, Andrƒa Carla Brandìo da Costa dos Santos, Juliana de Oliveira Silva, Viviane Vasconcelos Vieira, Pollyana Soares de Abreu Morais, Maria Elma de Souza Maciel Soares, Natçlia Herculano

Resumo


INTRODUÇÃO: A força dos músculos respiratórios (FMR) é definida como a máxima pressão gerada durante uma inspiração ou expiração contra uma via aérea completamente ocluída a um volume pulmonar específico. A mesma pode ser avaliada por vários métodos, dentre eles a avaliação por meio das medidas estáticas como a pressão inspiratória máxima (Pimáx.) e pressão expiratória máxima (Pemáx.), realizada por meio de um manovacuômetro. Essas medidas sofrem influência de vários fatores como sexo, idade, peso, altura e tabagismo, sendo encontrados na literatura vários valores de referência. OBJETIVO: Comparar os valores das pressões respiratórias máximas obtidas em adultas jovens sedentárias com os valores previstos por uma equação de referência proposta para a população brasileira. METODOLOGIA: Trata-se de uma pesquisa de campo, de caráter descritivo e transversal, contou com a participação de 25 mulheres sedentárias com idades entre 20 e 30 anos, alunas do Curso de Fisioterapia do Centro Universitário de João Pessoa- UNIPÊ que não apresentassem problemas cardiorrespiratórios e músculo-esqueléticos. A pressão inspiratória máxima (Pimáx) e a pressão expiratória máxima (Pemáx) foram medidas com o indivíduo na posição sentada utilizando um manovacuômetro Ger-Ar¨, um bucal achatado e um clipe nasal, segundo o protocolo do Jornal Brasileiro de Pneumologia e Tisiologia. Foi aplicado o Questionário Internacional de Atividade Física (IPAQ), versão curta, para determinar o nível de atividade física. A análise estatística foi realizada por meio do teste t de Student para os dados femininos, com nível de significância de 5%. RESULTADO: A média de idade foi de 21,8 anos (± 1,55) e após aplica‹o do IPAQ, 5 voluntárias foram consideradas sedentárias e 20 insuficientemente ativas. Os resultados mostraram diferena significativa entre os valores obtidos da Pimáx e Pemáx e os valores previstos pela equação de referêcia brasileira com valor p. < 0,0001 para ambas as pressões. CONCLUSÃO: Sendo assim, a equação proposta para a equação brasileira subestimou os valores de Pimáx e Pemáx para a amostra avaliada. Há uma necessidade de novos estudos, a fim de determinar valores de referência mais precisos para as diferentes populações brasileiras, tendo em vista a diferença dos seus dados antropométricos e aspectos sociais diferentes.

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


A revista Cadernos de Educação, Saúde e Fisioterapia foi avaliada como B2 na área de Ensino, B3 na área de Serviço Social, B4 nas áreas de Saúde Coletiva, Interdisciplinar, Enfermagem e Educação Física e B5 na área de Medicina II e Arquitetura, Urbanismo e Design no QUALIS/CAPES - Quadriênio 2013-2016.