INTERDISCIPLINARIDADE NO ENSINO E PRÁTICA DA FISIOTERAPIA: DEFINIÇÃO, OBSTÁCULOS E BENEFÍCIOS NA PRÁTICA PROFISSIONAL DO FISIOTERAPEUTA

Thomaz da Cunha Figueiredo, Sabrina Libraga Justen, Jonas Alƒxis Skupien, Nadiesca Taisa Filippin, Alecsandra Pinheiro Vendrusculo

Resumo


INTRODUÇÃO: O mundo globalizado clama, cada vez mais, por profissionais da área da saúde capazes de atuar com praticidade e eficiência sobre problemas que afligem a sociedade. Assim, a interdisciplinaridade denominada, basicamente, como o saber aliado à prática em que pensamentos e atitudes, conteúdos e processos implicam na integração de diversas áreas com o foco de propor soluções a problemas anteriormente fragmentados, pode ser uma estratégia no cenário acadêmico de reorientação do ensino, de ruptura do modelo de ensino disciplinar. "O conceito-ação interdisciplinaridade" ainda é compreendido de definição e efetivação complicada por, de certa maneira, estar em transformação, oportuniza oferecer uma visão/ação integral acerca da perspectiva do processo saúde-doença e quando associada aos diversos conhecimentos possivelmente pode trazer benefícios na promoção da qualidade de vida da coletividade. Portanto, cresce a preocupação com a integração dos saberes em vista da conquista do conhecimento e atuação holística na área da saúde, sendo imprescindível o reconhecimento dessa prática e postura profissional através dos docentes no ensino superior. Com isso, este trabalho buscou demonstrar como os docentes de um do curso de Fisioterapia de uma instituição particular do interior do estado do Rio Grande do Sul (RS) definem a interdisciplinaridade, quais as dificuldades na efetivação da interdisciplinaridade na universidade e os benefícios dessa para o futuro profissional fisioterapeuta clínico. OBJETIVO: identificar como docentes do curso de graduação em Fisioterapia do Centro Universitário Franciscano trabalham o conceito da interdisciplinaridade na teoria para aplicação na futura prática do fisioterapeuta. METODOLOGIA: Compreende um estudo transversal, qualitativo e descritivo exploratório, no qual aplicou-se um questionário composto por 11 questões abertas, cujo tema central versou sobre "Interdisciplinaridade no ensino para a prática", sendo que do público-alvo de 21 docentes, seis aceitaram participar da pesquisa. RESULTADO: Percebe-se que o movimento interdisciplinar, primordialmente, solicita profissionais com princípios solidificados com visão crítico-social, técnica, intersubjetiva, dialógica e respeituosa ao outro, em que cada profissional de saúde deve tanto articular-se aos demais, como promover articulação intersetorial. Nota-se no pensamento desses docentes que tanto usuários, quanto profissionais da saúde, no caso, fisioterapeutas, são os grandes beneficiados por uma atitude mais global, de conceitos e práticas contra-hegemônicas que valorizem a integralidade, o cuidado humanizado e a promoção da saúde. CONCLUSÃO: Diante da diversidade sociocultural que se apresenta na universidade é necessário a implementação de medidas para que o ensino acadêmico abarque a óptica da integralidade do ser humano, transformando o currículo, coeso e interligado, inserindo metodologias ativas de ensino, por meio de práticas e teorias criativas, reequilibrando a postura do docente frente a interdisciplinaridade, a partir da possibilidade de conhecimento da interdisciplinaridade e de seus benefícios e obstáculos.

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


A revista Cadernos de Educação, Saúde e Fisioterapia foi avaliada como B2 na área de Ensino, B3 na área de Serviço Social, B4 nas áreas de Saúde Coletiva, Interdisciplinar, Enfermagem e Educação Física e B5 na área de Medicina II e Arquitetura, Urbanismo e Design no QUALIS/CAPES - Quadriênio 2013-2016.