INTERNAÇÕES HOSPITALARES POR ACIDENTES DE TRABALHO: PERFIL DAS NOTIFICAÇÕES ENTRE AS REGIÕES DO PAÍS

Amanda de Jesus Santos, Andresa de Moura Cerqueira, Bruna Portela Neri, Kionna Bernardes Oliveira Santos

Resumo


INTRODUÇÃO: A ocorrência de hospitalizações por acidentes de trabalho no Brasil é significativa, repercutindo constantemente sobre a saúde de inúmeros trabalhadores e refletindo negativamente na geração de notórios impactos socioeconômicos. Os acidentes de trabalho podem ocorrer tanto no local de trabalho, principal causa das hospitalizações, como no trajeto para casa e vice-versa, resultando em lesões que podem ou n‹o provocar perdas funcionais. Tendo em vista que a necessidade de atendimentos à vítima, que variam desde os cuidados mais simples aos mais precisos e dispendiosos, que podem cursar com hospitalizações, os acidentes culminam em gastos que sobrecarregam o SUS, e muitas vezes a Previdência Social. Ao mesmo tempo, nos encontramos diante de outro problema, as subnotificações das ocorrências, que concorrem para ocultar a dimensão real com que os acidentes ocorrem e limitar o estabelecimento de medidas preventivas e apropriadas. OBJETIVO: O estudo teve como objetivo descrever a ocorrência de hospitalizações por acidentes de trabalho nas regiões do Brasil. METODOLOGIA: Foi realizado um estudo de casuística com base no Sistema de Internações Hospitalares (SIH/SUS), referente ao período entre 2010-2014. Para efeito de análise foram considerados acidentes de trabalho aqueles ocorridos no local do trabalho ou a serviço da empresa e no trajeto para o trabalho. Frequências absolutas e relativas foram utilizadas para descrição. RESULTADO: As notificações hospitalares por acidentes de trabalho no Brasil demonstraram sobreposição dos acidentes no local de trabalho no total de internações (340), quando comparados aos de trajeto (80). Falando de gênero, verificou-se que os homens constituem o grupo mais afetado, ao passo que o acometimento da faixa etária entre 20-29 anos foi mais expressiva. No que se refere ao quesito raça/cor, a maioria dos trabalhadores acidentada foi da raça/cor branca. Em relação ao número de ocorrências de cada região, Sudeste (47%) e Nordeste (35%) destacaram-se quanto ao número de hospitalizações, enquanto Norte (4%) e Centro Oeste (4%) tiveram menor número. CONCLUSÃO: As hospitalizações por acidentes de trabalho apontam para um sério problema de saúde pública no Brasil. Vitimando um número considerável de trabalhadores, os acidentes de trabalho tem se revelado promotor de altos custos previdenciários e de saúde. No período investigado houve redução nas notificações das internações em que se pese as subnotificações. Dada a relevância do problema no país, diversos órgãos atentam para a proteção e a saúde do trabalhador. Entre os quais estão os CERESTs, visando o controle e redução de riscos, prevenção de doenças e acidentes, e principalmente a promoção da saúde de trabalhadores. Assim, a capacitação de trabalhadores, estudos em segurança do trabalho, notificação dos acidentes, além da participação dos empregadores na emissão do CAT, mostram-se fundamentais no sentido da redução de acidentes ocupacionais e consequentemente para evitar hospitalizações. Ademais, a adoção de medidas preventivas e cumprimento de normas de segurança são essenciais para a garantia do bem-estar daqueles que também sãos dignos de direitos e garantias enquanto cidadão, os trabalhadores.

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


A revista Cadernos de Educação, Saúde e Fisioterapia foi avaliada como B2 na área de Ensino, B3 na área de Serviço Social, B4 nas áreas de Saúde Coletiva, Interdisciplinar, Enfermagem e Educação Física e B5 na área de Medicina II e Arquitetura, Urbanismo e Design no QUALIS/CAPES - Quadriênio 2013-2016.