PERFIL CARDIOPULMONAR DOS PACIENTES EM ATENDIMENTOS NA CLÍNICA ESCOLA DE FISIOTERAPIA DO UNIFESO

Vincius Baltar de Araújo, Letícia Pedone Cavalcanti, Matheus dos Santos Pimentel, Karla da Costa Braz, Flavia Mazzoli Rocha, Audrey Borghi Silva

Resumo


INTRODUÇÃO: A capacidade funcional, habilidade para realizar atividades cotidianas, reduz ao longo do processo de envelhecimento. A reabilitação cardiopulmonar tem um papel importante na prevenção e/ou recuperação da capacidade funcional do indivíduo, em especial do idoso. OBJETIVO: Identificar possível alteração na função cardiorrespiratória em voluntários submetidos a tratamento fisioterapêutico na Clínica-Escola, nos âmbitos ortopédicos e neurológicos com função cardiopulmonar preservada ou assintomáticos, comparando-os com pacientes submetidos à fisioterapia cardiopulmonar. METODOLOGIA: Vinte e seis voluntários, de ambos os sexos, com idade mínima de 30 anos, em atendimento na Clínica-Escola de Fisioterapia foram divididos em dois grupos: Grupo CP, submetido à fisioterapia cardiopulmonar (n=13) e Grupo NO, submetido à fisioterapia neuro-ortopédica (n=13). A distribuição dos pacientes nos grupos experimentais obedeceu ao atendimento atual na Clínica-Escola. O perfil dos voluntários (índice de massa corporal-IMC, idade e presença de comorbidades), o pico de fluxo expiratório (PFE), as pressões máximas inspiratória e expiratória (PImax e PEmax, respectivamente) e a capacidade funcional (teste de caminhada de seis minutos-TC6M) foram avaliados em ambos os grupos. RESULTADO: Ambos os Grupos (CP e NO) foram compostos por voluntários de perfis semelhantes com predominância do sexo feminino, além de semelhança em relação à idade, ao IMC e à presença de doença cardiovascular (em 100% dos voluntários). Observamos diferença significativa de PFE, PImáx e PEmax entre os Grupos CP e NO, estando todos os valores melhores no Grupo CP. Adicionalmente, os valores encontrados de PFE, PImáx e PEmax no Grupo NO estavam abaixo dos valores preditos. A distância percorrida no TC6M n‹o diferiu entre os grupos, estando em valores aceitáveis no Grupo CP, mas baixos no Grupo NO (em relação aos valores preditos). CONCLUSÃO: A avaliação cardiopulmonar se faz indispensável em pacientes idosos em atendimento fisioterapêutico de qualquer especialidade, sendo importante ferramenta para a detecção precoce de alterações cardiopulmonares, que por vezes existem, mas ainda assintomáticas.

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


A revista Cadernos de Educação, Saúde e Fisioterapia foi avaliada como B2 na área de Ensino, B3 na área de Serviço Social, B4 nas áreas de Saúde Coletiva, Interdisciplinar, Enfermagem e Educação Física e B5 na área de Medicina II e Arquitetura, Urbanismo e Design no QUALIS/CAPES - Quadriênio 2013-2016.