PERFIL DA AVALIAÇÃO FISIOTERAPÊUTICA NO MÉTODO PILATES

Maria Yonç Silva Cabral, Rayane Félix Lïbo Monteiro, Andréa Costa de Oliveira, Maria de Carvalho Dantas Alves, Jader Pereira de Farias Neto

Resumo


INTRODUÇÃO: No Pilates aplicado à fisioterapia utiliza-se de avaliação cinético funcional, como forma de investigar a condição de saúde do paciente. No entanto, existe uma limitação consensual de quais aspectos, físicos ou de saúde, são importantes para descrever o estado de saúde dos pacientes, sobretudo sobre sua funcionalidade, fazendo-se necessário investigar o que está sendo avaliado. OBJETIVO: Caracterizar o perfil da avalia‹o cinético funcional realizada por fisioterapeutas no método Pilates. METODOLOGIA: Foi realizado um estudo transversal do período de Abril a Maio de 2016. Para seleção do número de fisioterapeutas entrevistados, foi usado o critério da pesquisa qualitativa, chamado de amostragem por redundância ou saturação amostral, no qual, o tamanho da amostra é definido pela suspensão da inclusão de novos participantes quando os dados obtidos passam a apresentar, na avaliação do pesquisador, uma certa redundância ou repetição, n‹o sendo relevante persistir na coleta. As informações foram obtidas pelo mecanismo de entrevistas com fisioterapeutas que trabalham com o método Pilates, sendo questionado o que é avaliado em seus pacientes e, consulta as fichas de avaliação. RESULTADO: Foram entrevistados 28 fisioterapeutas, nove fizeram sua formação na Phisio serv, 20 no HIB cursos, sendo que um destes também fez sua formação no Active Pilates. O tempo médio de atuação é de 3,875 anos, variando de 11 meses a 12 anos. Dentre eles sete fazem a avaliação em horário reservado com o paciente e um relatou n‹o realizar. Apenas um fisioterapeuta faz uso de instrumentos de avaliação validados. Foram listados 18 itens que são avaliados, os mais comuns e relatados por 100% da amostra foram, dor, flexibilidade, avaliação postural, uso de medicamentos e exames complementares, sendo que apenas três costumam solicitar exames. No entanto, itens como, o padrão respiratório e cinesiofobia são analisado por apenas um, a coordenação motora por dois e, a interação com familiares e amigos e se o paciente é acompanhado por outros profissionais de saúde por seis fisioterapeuta. CONCLUSÃO: Diante dos resultados é possível caracterizar itens considerados importantes na avaliação e a necessidade de inclusão de outros, ainda pouco frequentes. Além disso, evidencia-se a importância de uma avaliação criteriosa como forma de conhecer a condição de saúde do paciente.

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


A revista Cadernos de Educação, Saúde e Fisioterapia foi avaliada como B2 na área de Ensino, B3 na área de Serviço Social, B4 nas áreas de Saúde Coletiva, Interdisciplinar, Enfermagem e Educação Física e B5 na área de Medicina II e Arquitetura, Urbanismo e Design no QUALIS/CAPES - Quadriênio 2013-2016.