AVALIAÇÕES DE QUALIDADE DOS CURSOS DE FISIOTERAPIA NAS GRANDES REGIÕES DO BRASIL SEGUNDO O EXAME NACIONAL DE DESEMPENHO DOS ESTUDANTES

Rodrigo Della Méa Plentz, Graciele Sbruzzi, Paula Caballero Moyano

Resumo


INTRODUÇÃO: O crescimento exponencial dos cursos de graduação de fisioterapia no Brasil na última década pode ter acarretando em desigualdades em relação a qualidade avaliada pelo MEC através do Exame Nacional de Desempenho dos Estudantes (ENADE). OBJETIVO: Conhecer o resultado do desempenho dos cursos de Fisioterapia ao longo do tempo em rela‹o ao ENADE no que diz respeito às instituições e grandes regiões do País. METODOLOGIA: Estudo retrospectivo e descritivo, acessado em junho de 2017, com base em dados ENADE disponíveis no site do INEP, http://portal.inep.gov.br/conceito-enade, período de 2004 a 2013, os resultados dos conceitos variam de 5 à 1, sendo cinco o valor mais elevado e, são apresentados de forma descritiva e em porcentagem. RESULTADO: quanto as grandes regiões do País: 2004(n=292) Norte (NO)= 13 (5: 0%, 4: 7,7%, 3: 15.4%, 2: 15,4%, 1: 0%, SC: 61,5%), Nordeste(NE)= 39 (5: 2,6%, 4: 12,8%, 3: 20,5%, 2: 2,6%, 1: 0%, SC: 61,5%), Sudeste(SE)= 173 (5: 2,3%, 4: 6,9%, 3: 34,1%, 2: 20,2%, 1: 0%, SC: 36,4%), Sul= 52 (5: 1,9%, 4: 21,2%, 3: 26,9%, 2: 7,7%, 1: 1,9%, SC: 40,4%). Centro Oeste(CO): 20 (5: 0%, 4: 20%, 3: 30%, 2: 10%, 1: 0%, SC: 40%), 2007 (399 cursos) NO= 23 (5: 4,3%, 4: 0%, 3: 34,8%, 2: 17,4%, 1: 0%, SC: 43,5%); NE= 69 (5: 2,9%, 4: 8,7%, 3: 27,5%, 2: 11,6%, 1: 2,9%, SC: 46,4%); SE= 211 (5: 2,8%, 4: 11,4%, 3: 46%, 2: 11,8%, 1: 0%, SC: 28%); Sul= 66 (5: 3%, 4: 30,3%, 3: 39,4%, 2: 7,6%, 1: 0%, SC: 19,7%); CO: 30 (5: 3,3%, 4: 10%, 3: 40%, 2: 10%, 1: 0%, SC: 36,7%); 2010 (n=448) NO= 26 (5: 3,8%, 4: 3,8%, 3: 26,9%, 2: 42,5%, 1: 11,5%, SC: 11,5%); NE= 91 (5: 3,3%, 4: 8,8%, 3: 29,6%, 2: 27,5%, 1: 2,2%, SC: 28,6%); SE= 215 (5: 3,3%, 4: 14,9%, 3: 32,5%, 2: 30,7%, 1: 7%, SC: 11,6%); Sul= 75 (5: 2,7%, 4: 14,7%, 3: 40%, 2: 28%, 1: 1,3%, SC: 13,3%); CO: 41 (5: 7,3%, 4: 0%, 3: 34,1%, 2: 220%, 1: 7,3%, SC: 29,3%), 2013 (n=372) NO= 22 (5: 0%, 4: 9,1%, 3: 45,5%, 2: 40,9%, 1: 0%, SC: 4,5%), NE= 79 (5: 5,1%, 4: 15,2%, 3: 50,6%, 2: 25,3%, 1: 3,8%, SC: 0%), SE= 170 (5: 3,5%, 4: 28,2%, 3: 34,1%, 2: 21,8%, 1: 2,9%, SC: 9,5%), Sul= 64 (5: 6,3%, 4: 37,5%, 3: 45,3%, 2: 9,4%, 1: 1,6%, SC: 0%),CO: 37 (5: 2,7%, 4: 32,4%, 3: 29,7%, 2: 32,4%, 1: 2,7%, SC: 5,5%). CONCLUSÃO: Observou-se crescimento de 50% no número de cursos de fisioterapia no período entre 2004 e 2010, sendo que em 2013 verificou-se diminuição de 16% em relação ao período anterior. A maioria dos cursos estão concentrados na região Sudeste e a menor na Região Norte em todos períodos avaliados. Quanto ao desempenho no ENADE verificou-se uma pequena porcentagem de cursos com nota cinco, sendo a maioria com nota três, destaca-se ainda um número elevado de cursos com baixo desempenho concentrados nas regiões Norte e Nordeste.

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


A revista Cadernos de Educação, Saúde e Fisioterapia foi avaliada como B2 na área de Ensino, B3 na área de Serviço Social, B4 nas áreas de Saúde Coletiva, Interdisciplinar, Enfermagem e Educação Física e B5 na área de Medicina II e Arquitetura, Urbanismo e Design no QUALIS/CAPES - Quadriênio 2013-2016.