LEVANTAMENTO DO PERFIL DO PESQUISADOR FISIOTERAPEUTA NOS PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO FÍSICA NO BRASIL

Henrique Santos Gama, Heitor Luiz Furtado, Marcelo Moraes e Silva

Resumo


INTRODUÇÃO: O Brasil vem experimentando um crescente considerável de seu sistema de produção científica, intermediado pela Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (CAPES). O sistema avaliativo e agrupamentos de áreas à realizada pela própria CAPES e se d‡ pela afinidade entre as áreas. A área 21 é atualmente composta por quatro subáreas que compreendem a Educação Física, Fisioterapia, Terapia Ocupacional e Fonoaudiologia. Ao destacar particularmente a Educação Física e Fisioterapia, podemos encontrar semelhanças tanto a nível de atuação profissional, bem como a nível acadêmico cientifico, principalmente pela entrada de fisioterapeutas nos programas de pós-graduação em Educação Física buscando tematizar suas pesquisas principalmente em matrizes cientificas alicerçadas nas ciências naturais. No entanto, algumas diferenças são perceptíveis no campo da produção científica, principalmente devido as matrizes cientificas na formação da graduação dos docentes. OBJETIVO: O objetivo deste estudo foi o de realizar um mapeamento dos pesquisadores Fisioterapeutas inseridos em Programas de Pós-Graduação em Educação Física autorizados pela CAPES, extraindo e analisando informações acerca de características, locais inserção nos programas, áreas de concentração e linhas de pesquisa e classificações temáticas nos enfoques de pesquisa. METODOLOGIA: Trata-se de uma pesquisa de abordagem quantitativa, de caráter exploratório e descritivo. Para obtenção dos dados e caracterização dos pesquisadores Fisioterapeutas, foram consultados os dados cadastrados na plataforma Sucupira, alimentada pela Capes. A partir da obtenção dos programas ativos, consultou-se os pesquisadores cadastrados em cada programa que possuíssem formação em fisioterapia. De posse destas informações, foi consultado o currículo de cada pesquisador na plataforma Lattes, a fim de extrair informações sobre a graduação, ano de obtenção do doutorado e produção acadêmica. RESULTADO: Existem atualmente 66 programas de pós-graduação na área 21, considerando as modalidades de mestrado, doutorado e mestrado profissionalizante. Dentre estes, 37 são programas da subárea Educação Física. Foram encontrados um número total de 736 pesquisadores cadastrados em programas de Pós-Graduação em Educação Física, sendo, dentre estes 64 docentes com graduação em Fisioterapia, o que corresponde à 8,69% dos pesquisadores totais, inseridos em 26 dos 37 programas de Educação Física. A maior parte dos pesquisadores está concentrada na Região Sudeste com 32 (50%) seguido da Região Sul com 19 (29,6%). Dentre os locais de obtenção do doutoramento dos pesquisadores 59 (92,1%), dos docentes realizaram no Brasil; 3 (4,6%) no Canadá; 1 (1,5%) na Inglaterra; e 1 (1,5%) em Portugal. Em relação a análise das linhas de pesquisa dos pesquisadores, podemos encaixá-los na divisão Biodinâmica, com predomínio dos estudos voltados para a área das ciências naturais. CONCLUSÃO: A inserção do pesquisador Fisioterapeuta vem ocorrendo em conjunto com o desenvolvimento e expansão da comunidade científica da área no Brasil, que atualmente procura um espaço de afirmação e ganha de relevância internacional. Além disso, observamos uma inclinação para a pesquisa na área da das ciências naturais, o que condiz também com a estruturação dos próprios Programas de Educação Física, que têm sobretudo uma tendência historicamente mais forte de desenvolvimento de pesquisa nesta área.

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


A revista Cadernos de Educação, Saúde e Fisioterapia foi avaliada como B2 na área de Ensino, B3 na área de Serviço Social, B4 nas áreas de Saúde Coletiva, Interdisciplinar, Enfermagem e Educação Física e B5 na área de Medicina II e Arquitetura, Urbanismo e Design no QUALIS/CAPES - Quadriênio 2013-2016.