SÍNDROME DE BURNOUT E FATORES DE ESTRESSE EM ACADÊMICOS DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM FISIOTERAPIA DO UNIFESO - TERESÓPOLIS/RJ

Johnatas Dutra Silva, Bruna Braga Lage, Karoline Mello de Assis, Vanessa Lima Omatsu, Natalia da Conceição Verissimo

Resumo


INTRODUÇÃO: Ao ingressar na universidade, os acadêmicos enfrentam novos desafios diferentes dos da Época escolar, passando por um momento de transição que devem se adaptar a um novo estilo de vida. Estes fatores quando n‹o bem administrados, podem prejudicar a homeostase dos discentes e exercer influência direta na vida social, pessoal e, sobretudo, na trajetória acadêmica, podendo acarretar complicações físicas ou psicológicas. O estresse na área acadêmica tem sido alvo de estudo crescentes nos últimos anos, tendo em vista que o estudante muitas vezes encontra-se despreparado para lidar com situações estressantes e que isso pode trazer repercussões importantes na sua vida pessoal e acadêmica. O conceito de Burnout em acadêmicos se caracterizada pelo sentimento de estar exausto em virtude das exigências do estudo, pelo desenvolvimento de uma atitude cênica e distanciada com relação ao estudo e caracterizada pela percepção de estarem sendo incompetentes como estudantes. OBJETIVO: O objetivo deste estudo foi identificar a ocorrência de Síndrome de Burnout e situações indutoras de estresse nos acadêmicos no Curso de Fisioterapia do Centro Universitário Serra dos Órgãos/RJ. METODOLOGIA: Este estudo foi desenvolvido com estudantes do curso de graduação em Fisioterapia do UNIFESO matriculados no currículo anualizado. Como instrumento de pesquisa, utilizou-se um questionário para identificação de dados demográficos, variáveis escolares e fatores de estresse percebidos no ensino. Para acessar Burnout, utilizou-se a versão modificada do Maslach Burnout Inventory - MBI que foi adaptada para o uso em estudantes, onde são avaliados três domínios: Exaustão Emocional (EE), Descrença (D) e Eficácia Profissional (EP). A Síndrome de Burnout é caracterizada por altos índices de EE e D e baixos níveis de EP. Para avaliação da percepção do estudante em relação a sua saúde, foi utilizado o questionário de saúde geral (QSG-12). Este trabalho foi aprovado pelo CEP via plataforma Brasil com o parecer de número 1.623.514. RESULTADO: A amostra caracterizou-se por 94 alunos dos 4 anos do currículo anual, sendo 25 homens (26,5%) e 69 mulheres (73,5%), com idade média de 24 ± 3,02 variando entre 18 a 35 anos de idade. Quando aplicada a MBI, em relação ao desenvolvimento de Burnout, 6,6% dos alunos do primeiro ano apresentam pontuações que caracterizam a síndrome, 8% dos alunos do segundo ano, 27,5% dos alunos do terceiro ano e 10% dos alunos do quarto ano de Fisioterapia. Em relação ao QSG-12, n‹o houve diferença significativa entre os grupos avaliados, entretanto, os alunos do terceiro ano apresentaram índices mais elevados comparados aos demais anos do curso, demonstrando uma correlação com o inventário de Burnout. CONCLUSÃO: Os resultados apresentados mostram que, o comprometimento emocional dos alunos variou conforme o ano avaliado, sendo o terceiro ano, o que antecede ao estágio supervisionado obrigatório, o mais afetado e com índices maiores de desenvolvimento da síndrome de Burnout. Estes resultados são importantes para o desenvolvimento de políticas acadêmicas voltadas para acompanhamento da saúde emocional dos estudantes.

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


A revista Cadernos de Educação, Saúde e Fisioterapia foi avaliada como B2 na área de Ensino, B3 na área de Serviço Social, B4 nas áreas de Saúde Coletiva, Interdisciplinar, Enfermagem e Educação Física e B5 na área de Medicina II e Arquitetura, Urbanismo e Design no QUALIS/CAPES - Quadriênio 2013-2016.