AVALIAÇÃO DOCENTE COMO INSTRUMENTO DE GESTÃO PARA O CURSO DE GRADUAÇÃO EM FISIOTERAPIA DO UNIFESO

Andrea Serra Graniço, Alba Barros Souza Fernandes, Raí dos Santos Oliveira, Vinícius Baltar de Araújo

Resumo


INTRODUÇÃO: A avaliação docente faz parte do Programa de Auto Avaliação Institucional do UNIFESO e tem por finalidade a avaliação continuada da prática pedagógica no cotidiano dos cursos de graduação. A implementação de um sistema de avaliação docente para monitorar a qualidade de ensino nas salas de aula envolve o enfrentamento de alguns desafios e, ao mesmo tempo, proporciona algumas oportunidades para todos os atores que participam do processo. Dessa forma, a avaliação docente é uma ferramenta extremamente potente para a gestão de um curso, oferecendo subsídio, inclusive, para avaliar a qualidade do currículo e sua implementação. OBJETIVO: Avaliar e refletir o resultado da avaliação e da auto avaliação docente realizada no Curso de Graduação em Fisioterapia no ano de 2017. METODOLOGIA: O Sistema de Avaliação do Desempenho Docente consiste em um conjunto de questões de múltipla escolha pertinentes ao cenário de inserção docente, permitindo apenas uma resposta. É realizada por adesão opcional, por questionário online, com duas vertentes: a auto avaliação do docente e a avaliação realizada pelo estudante. As dimensões avaliadas incluem: Avaliação (AV), Didático-Pedagógicas (ADP), Planejamento Pedagógico (PP), Normas Disciplinares Básicas (NDB) e Relação Acadêmica em Geral (RAG). Todo corpo docente e discente é convidado a responder o questionário para que a imagem projetada do docente pelo estudante seja contrastada com a percepção que o docente tem das suas práticas profissionais, gerando um auto-retrato. Apesar das questões serem objetivas, as respostas dos atributos são escalonadas para análise qualitativa, relacionada com a escala de Likert, permitindo registrar o nível de concordância ou discordância. RESULTADO: Dentre os itens avaliados no domínio AV, 79,31% dos docentes afirmaram que discutem o resultado do Teste de Progresso, enquanto que apenas 51,72% dos discentes confirmam este resultado. No domínio ADP, 100% dos docentes consideram-se claros quando explicam um assunto, mas apenas 65,7% dos estudantes concordaram; 72,4% dos docentes afirmaram exigir que o trabalho dos estudantes reproduza o que ensinaram, o que é percebido por 62,07% dos estudantes; 100% dos docentes dizem motivar o estudante para dar o melhor de si, mas apenas 58,61% dos discentes tem esta percepção. No domínio PP, 24,3% dos estudantes acham que os docentes não se preparam para o trabalho a ser realizado, porém, apenas 3,15% dos docentes corroboram com este resultado; 89,66% dos docentes consideram que o tempo previsto para a abordagem de cada assunto é suficiente enquanto que apenas 79,31% dos discentes concordam; enquanto que 96,55% dos docentes afirmam que valorizam a relação teoria/prática, 68,96% dos estudantes apresentam essa percepção. Nos domínios NDB e RAG, todas as questões avaliadas apresentam concordância entre as respostas de docentes e discentes. CONCLUSÃO: A análise dos resultados mostra que a avaliação individual do desempenho docente realizada pelos estudantes e a auto avaliação docente podem ser determinantes para promover condutas dialógicas e facilitadoras em um processo de educação permanente, de forma articulada com o currículo. Nota-se que, apesar das novas propostas pedagógicas apontarem para um perfil de docente facilitador, não autoritário e não detentor do saber, diversos resultados da auto avaliação não apontam para esta mudança cultural.

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


A revista Cadernos de Educação, Saúde e Fisioterapia foi avaliada como B2 na área de Ensino, B3 na área de Serviço Social, B4 nas áreas de Saúde Coletiva, Interdisciplinar, Enfermagem e Educação Física e B5 na área de Medicina II e Arquitetura, Urbanismo e Design no QUALIS/CAPES - Quadriênio 2013-2016.