A IMPORTÂNCIA DA INTERPROFISSIONALIDADE NA ATENÇÃO À CRIANÇA COM MICROCEFALIA: UM RELATO DE EXPERIÊNCIA DA FISIOTERAPIA

Ricardo Rodrigues da Silva, Elis Regina Vitor da Silva, Higor Felipe Parente de Araújo, Amanda Raíssa Neves de Amorim

Resumo


INTRODUÇÃO: O Projeto Extensão e Pesquisa de Atuação Interprofissional na Atenção á Saúde das Crianças com Síndrome da Infecção Congênita Causada pelo Zika vírus e Combate ao mosquito Aedes Aegypti foi criado na Universidade Potiguar (UnP) em Natal - RN no ano de 2015, e tem como fio condutor a integração do ensino-serviço-comunidade em um exercício de fomento ás estratégias de atividade em equipe, com inclusão dos cursos de graduação da área da saúde da Universidade Potiguar, numa modalidade pioneira no estado do Rio Grande do Norte, considerando que a escassez de material na área se faz necessária e incentivadora a produção científica nesta. DESCRIÇÃO DA EXPERIÊNCIA: Os métodos desenvolvidos pelo projeto incluem a avaliação global dos pacientes semanalmente, com a visão clínica de todos os cursos envolvidos, num atendimento conjunto. As sessões de fisioterapia são baseadas na estimulação precoce e treino dos padrões motores duas vezes na semana, antecedidas pelas sessões de fonoaudiologia. Em conexão o alunado envolvido traça e discute as condutas terapêuticas respeitando os escopos profissionais, contudo introduzindo uma ótica ampla do caso da criança, e ainda promove uma atuação psicossocial familiar com assistência social, psicológica e ainda odontológica ás responsáveis pelos infanti. IMPACTOS: Os resultados obtidos são perenes, visto a continuidade do projeto, beneficiando as crianças atendidas, contudo os alcances atingidos vão desde um melhor desenvolvimento profissional/pessoal inerente a atuar em equipe e entender melhor o paciente de forma integral, vivenciar os desafios pioneiros de atuar sobre a Microcefalia, após a epidemia no Brasil nos anos 2015 - 2016 gerando um foco também de pesquisa com intuito de contribuição á classe acadêmica, e um avanço no desenvolvimento neuropsicomotor, com ganho das crianças pela atuação fisioterapêutica. CONSIDERAÇÕES FINAIS: A atuação interprofissional se faz fundamental e necessária para a promoção e prevenção em saúde, assim como o entendimento do processo da síndrome microcefálica, com efeitos ainda sendo pesquisados. Contudo já é citado e orientado pelo Ministério da Saúde a estimulação precoce nesses pacientes. A fisioterapia, como grande participadora ativa não só reabilitadora mas como provedora da saúde do indivíduo contribui e pesa em demasia quando interposta participando da atuação á criança com Microcefalia, baseando-se no atraso neuropsicomotor destas em detrimento da fisiopatologia da síndrome. Portanto não só contribuindo, mas sendo parte, quando somada á força dos demais cursos envolvidos (Medicina, Odontologia, Fonoaudiologia, Psicologia, Nutrição, Enfermagem, e Serviço Social) e suas práticas na atenção destas crianças, os universitários se desenvolvem, aprimorando-se e já com olhar voltado á integralidade e interprofissionalidade com uma sensibilidade no tocante ao humano como também um benefício á sociedade, com visão clínica-psicossocial dos pacientes e de seu meio familiar resultando em avanços clínicos e acadêmicos.

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


A revista Cadernos de Educação, Saúde e Fisioterapia foi avaliada como B2 na área de Ensino, B3 na área de Serviço Social, B4 nas áreas de Saúde Coletiva, Interdisciplinar, Enfermagem e Educação Física e B5 na área de Medicina II e Arquitetura, Urbanismo e Design no QUALIS/CAPES - Quadriênio 2013-2016.