ACOLHIMENTO DA FISIOTERAPIA NO PROGRAMA ACADEMIA DA CIDADE DE ARACAJU: RELATO DE EXPERIÊNCIA

João Ricardo Bispo de Jesus, Karine Santos Chaves, Pedro Vinicius Santos de Oliveira, Heloísa Suzane de Sá Matos, Mauricio Poderoso Lima Neto, Manuela Andrade de Albuquerque

Resumo


INTRODUÇÃO: No Brasil, a questão Saúde Pública vem se perpetuando ao longo de toda a sua história, alcançando o apogeu com a criação do Sistema Único de Saúde (SUS) pela Constituição de 1988 (Maia et al., 2015). Visando alcançar esta ordenança, é de suma importância a inclusão do fisioterapeuta nos programas de Saúde Pública em nível de atenção básica, pois as contribuições que este profissional pode promover para a população são inúmeras, não devendo ficar restrito somente ás ações reabilitadoras, mas também atuar em programas de prevenção, promoção da saúde e proteção específica. Estes profissionais estão habilitados a intervir na prevenção de doenças, tratamentos, na referência e contra referência, na educação e promoção á saúde, sendo esta última, a base prioritária em Saúde Pública. Mediante a isso, umas das formas que os fisioterapeutas operam para alcançar seu objetivo maior, são promovendo palestras que contenham temas variados sobre informações preventivas á saúde física e mental da população (Cogo et al., 2013; Freitas e Brasil, 2016. DESCRIÇÃO DA EXPERIÊNCIA: As ações de prevenção e promoção de Saúde nos Polos dos Conjuntos Sol Nascente e Castelo Branco do Programa Academia da Cidade de Aracaju/SE foram desenvolvidas uma vez por semana com início ás 6h da manhã e duração média de 1h. Inicialmente, os usuários foram acolhidos com a aferição de Pressão Arterial, Frequência cardíaca, Frequência Respiratória e medição de altura e peso corporal. Em seguida, um tema relacionando á saúde e bem estar, geralmente de acordo com o calendário do Ministério da Saúde, adequado ás necessidades dos polos, era abordado em palestra com auxílio de cartaz ilustrativo. Cartilhas autoexplicativas também foram distribuídas para fixar melhor o assunto. Após o debate, os usuários eram direcionados para as práticas corporais, atividades compostas de alongamento, fortalecimento de membros superiores e inferiores, treino de equilíbrio e estimulação cognitiva. Cada atividade era realizada dentro de três minutos, sempre respeitando o limite de cada indivíduo. Por fim, uma dinâmica de grupo era realizada com o objetivo de promover maior interação entre os usuários, bem como tirar dúvidas e relembrar o tema abordado no início do dia. IMPACTOS: Dificuldade na comunicação interpessoal de trabalho em grupo; Subjetividade relacionada ao entendimento da pesquisa; Pouca valorização dos gestores em relação aos trabalhos realizados com o grupo de idosos nos polos do Programa Academia da Cidade relacionados á Fisioterapia Preventiva. CONSIDERAÇÕES FINAIS: Os participantes apresentam melhoras nos aspectos relacionados ás alterações fisiológicas do envelhecimento como flexibilidade, força, equilíbrio e função cognitiva e aspectos relacionados com a vida interpessoal como integração, equidade e humanização.

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


A revista Cadernos de Educação, Saúde e Fisioterapia foi avaliada como B2 na área de Ensino, B3 na área de Serviço Social, B4 nas áreas de Saúde Coletiva, Interdisciplinar, Enfermagem e Educação Física e B5 na área de Medicina II e Arquitetura, Urbanismo e Design no QUALIS/CAPES - Quadriênio 2013-2016.