OFICINA DE CHÁS TERAPÊUTICOS: RELATO DE EXPERIÊNCIA EM UMA UNIDADE BÁSICA DE SAÚDE

Anaysa Cunha Alves, Gerlane dos Santos Bezerra, Kionaracarollynne Portela Macêdo Brito, Leonildo Santos do Nascimento Junior, Rafaela Gerbasi Nóbrega

Resumo


INTRODUÇÃO: A fitoterapia é reconhecida pela utilização de plantas medicinais e suas inúmeras formas farmacêuticas, sem o uso de princípios ativos isolados, possibilitando a ligação do homem com o ambiente, ingressando o poder da natureza para auxiliar o organismo a estabilizar as funções fisiológicas prejudicadas, reparando a imunidade e proporcionando a desintoxicação e o rejuvenescimento. Em 2006, foi publicada a Política Nacional de Medicina Tradicional e Regulamentação de Medicamentos Fitoterápicos (PNPMF) e no mesmo ano já havia sido criada a Política Nacional de Práticas Integrativas e Complementares no SUS (PNPIC), desenvolvendo-se como um dispositivo que reúne as diretrizes do SUS e um projeto inovador, trazendo as práticas de saúde não convencionais e a visão ampliada do processo saúde-doença, considerando o indispensável papel do usuário do serviço agente participante desta prática. A inserção de plantas medicinais na atenção básica possibilita aos profissionais de saúde outra forma de tratamento, favorecida pelos custos financeiros que são menores, a facilidade de acesso a essas plantas, o resgate do conhecimento popular dentre outras vantagens. DESCRIÇÃO DA EXPERIÊNCIA: Diante do contexto apresentado, as estagiárias do curso de Fisioterapia do Centro Universitário de João Pessoa - UNIPÊ realizaram uma oficina de chás em uma Unidade de Saúde da Família no município de Cabedelo, na Paraíba. O objetivo da atividade foi promover o uso racional de plantas medicinais na comunidade, orientando sobre benefícios, riscos existentes e possíveis danos relacionados a essa utilização através da oficina teórica e, através disso, proporcionar a construção coletiva de uma consciência sobre saúde, utilizando a fitoterapia como base desse contexto, ampliando a participação popular nos cuidados em saúde. Nessa perspectiva, a proposta da atividade foi convidar moradores que pudessem ser multiplicadores desse saber na comunidade. Com isso, foi oferecida uma oficina com o intuito de sensibilizar sobre os usos das plantas medicinais, assim como partilhar informações sobre as indicações, contraindicações e cuidados com as plantas. Após esse momento, foram entregues mudas das plantas discutidas aos participantes para que plantassem em suas residências, facilitando o acesso da comunidade. IMPACTOS: O uso de Plantas medicinais possibilita aos profissionais de saúde outras formas de tratamento com custos financeiros reduzidos e com menor possibilidades de provocar reações adversas. O projeto Oficina de Chás na USF - Oceania permitiu a disseminação do conhecimento popular aliado ao saber cientifico sobre a terapêutica com plantas medicinais. Essas práticas exercem aplicabilidades positivas na comunidade que enfrenta dificuldades para adquirir medicamentos industrializados. CONSIDERAÇÕES FINAIS: Dessa forma concluímos que a inserção das plantas medicinais de forma correta no cuidado a saúde pode ser uma alternativa eficaz na promoção e recuperação da saúde na comunidade.

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


A revista Cadernos de Educação, Saúde e Fisioterapia foi avaliada como B2 na área de Ensino, B3 na área de Serviço Social, B4 nas áreas de Saúde Coletiva, Interdisciplinar, Enfermagem e Educação Física e B5 na área de Medicina II e Arquitetura, Urbanismo e Design no QUALIS/CAPES - Quadriênio 2013-2016.