A CONSTRUÇÃO DE SENTIDOS PARA O FAZER INTERPROFISSIONAL EM SAÚDE A PARTIR DA APRENDIZAGEM NO PET-SAÚDE EM QUIXADÁ-CE

Mariza Maria Barbosa Carvalho, Raimunda Rosilene Magalhães Gadelha, Milena de Holanda Oliveira Bezerra, Ivna Zaíra Figueredo, Odete Andrade Girão Neta, Maria Tatiane Silva Ferreira, Vitória Oliveira da Silva, Tiago de Araújo de Souza

Resumo


INTRODUÇÃO: A educação articulada em sistema saúde-escola-comunidade, nascida de projetos que agregam valor ao trabalho e ao trabalhador em saúde, constitui dimensão importante para a formação de acadêmicos e profissionais envolvidos com a produção de saúde por meio da aprendizagem significativa. O Programa de Educação pelo Trabalho PET-Saúde enquanto produto de política pública instituído pela portaria Interministerial MS/MEC n. 1.802, de 26 de agosto de 2008 fomenta a formação permanente dos profissionais de saúde bem como de iniciação ao trabalho, estágios e vivências, dirigidos aos estudantes da área, de acordo com as necessidades do SUS. DESCRIÇÃO DA EXPERIÊNCIA: No contexto do ensino na saúde, participamos do PET-Saúde em 2015, fruto da articulação entre uma Instituição de Ensino Superior e os serviços de saúde, que envolveu professores e alunos dos cursos de Fisioterapia, Enfermagem, Psicologia e Farmácia, profissionais e preceptores da saúde no SUS/Quixadá-CE a fim de integrar ensino, serviço e comunidade, promover sentido a partir do fazer/aprender em equipe interdisciplinar, e preparar os futuros profissionais de saúde para o adequado enfrentamento das necessidades em saúde por meio da construção de sujeitos autônomos, críticos e reflexivos sobre sua ação na realidade social em saúde. As atividades se desenvolveram na rede de atenção básica e na rede de atenção psicossocial. A metodologia que prev a aprendizagem por meio do fazer/aprender em situação real do trabalho foi mediada pelo acompanhamento da rotina das unidades de saúde envolvidas, aprofundamento teórico a partir da problematização, da discussão sobre as situações reais encontradas e as normativas do SUS, e fóruns acerca das ações desenvolvidas e os resultados alcançados. IMPACTOS: Percebemos que a construção de grupos de trabalho aproximou as pessoas, possibilitou a transformação de vínculos já instituídos e a construção de sentido no campo de prática em equipe, compreendendo o trabalho interprofissional como a possibilidade da prática de um profissional se reconstruir na prática do outro, transformando ambas na intervenção do contexto onde estão inseridas, viabilizou a participação popular no planejamento e na execução das ações disseminando o conceito ampliado de saúde. Aprendemos que a atuação profissional fisioterapêutica não está centrada somente na técnica para a recuperação física, e que o fisioterapeuta é um profissional da saúde que integra o fazer nas ações primárias de saúde, reconhecendo que o agir em saúde requer uma postura ativa e crítica da realidade. CONSIDERAÇÕES FINAIS: A inclusão da dimensão política no projeto educacional PET-Saúde promove uma reorientação dos atuais modelos de atenção á saúde do SUS, assim como da formação de futuros profissionais da saúde, que retroalimentam esses modelos. A aprendizagem pelo trabalho, na nossa experiência, ocupou lugar privilegiado na formação e na vida de quem participou, pois o trabalho articulado ao ensino não é neutro em relação ao que provoca no sujeito; nos serviços de saúde, ele é potencialmente produtor de sentido, quando conta com a autonomia dos sujeitos para criar/recriar, fazer/desfazer o modo de produzir saúde e romper com a barreira da atuação do fisioterapeuta centrada somente na técnica e na recuperação física.

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


A revista Cadernos de Educação, Saúde e Fisioterapia foi avaliada como B2 na área de Ensino, B3 na área de Serviço Social, B4 nas áreas de Saúde Coletiva, Interdisciplinar, Enfermagem e Educação Física e B5 na área de Medicina II e Arquitetura, Urbanismo e Design no QUALIS/CAPES - Quadriênio 2013-2016.