A IMPORTÂNCIA DOS ESTÁGIOS OBSERVACIONAIS PARA OS DISCENTES DO PRIMEIRO PERÍODO

Irllanna Ketley Santos do Nascimento, Luiza Beatriz Bezerra da Silva, Brisdeon Bruno Silva de Alencar, Hanna Louise Maceno Marinho, Danyelle Nóbrega de Farias

Resumo


INTRODUÇÃO: De acordo com as Diretrizes Curriculares Nacionais do Curso de Graduação em Fisioterapia as Instituições de Ensino Superior deverão criar mecanismos de aproveitamento de conhecimentos, adquiridos pelo estudante, através de estudos e práticas independentes, presenciais e/ou á distância, a saber: monitorias e estágios. Os estágios têm por objetivo aproximar o acadêmico da realidade de sua área de formação e o auxiliar a compreender diferentes teorias que regem o exercício profissional. Dessa forma, realizou-se três estágios observacionais, nos quais pode-se observar alguns serviços/ambientes de trabalho do fisioterapeuta e sua atuação nas mais diversas áreas, atenção básica, média e alta complexidade. DESCRIÇÃO DA EXPERIÊNCIA: Visitou-se as dependências de serviços vinculados ao Sistema Único de Saúde, assim, oportunizou-se refletir sobre o assunto ministrado em sala, ter contato com a execução de técnicas, as relações intra e interprofissionais, presenciar a interação com o paciente, e ainda, o contato com o prontuário. A primeira visita, que foi feita a um Centro de Reabilitação, quando os alunos conheceram um pouco mais do ambiente, recursos e técnicas utilizados pelo fisioterapeuta. Na segunda visita, á uma Unidade de Saúde da Família da capital, foi proporcionado uma vivência com o grupo de idosos, sendo, os estudantes, protagonistas da ação. A última visita, realizada em um Hospital de Trauma do município, foi importante para que os estudantes presenciassem a execução das técnicas por fisioterapeutas do serviço, entrassem em contato com diversos tipos de traumas e a partir do prontuário, refletissem sobre um dos temas abordados na sala de aula, a interdisciplinaridade. IMPACTOS: Ao entrar em contato com alguns dos principais recursos e equipamentos utilizados pelo profissional fisioterapeuta pôde-se vislumbrar o futuro profissional. A atividade proporcionou, aprender mais a respeito da profissão, estimulou a curiosidade em descobrir o universo acerca da fisioterapia, na prática fixou-se o que foi ofertado em sala, na teoria. Foram vivências gratificantes, pois, viu-se o quão humano é o trabalho dos profissionais da saúde, com ênfase no fisioterapeuta. Foi possível perceber as ações do profissional fisioterapeuta, antes, durante e após o processo da cura, ou seja, desde a promoção e prevenção até a fase da reabilitação, ampliando esse olhar ao vivenciar os três níveis de atenção. Impacto que ultrapassa o âmbito profissional e acadêmico, uma vez que permitiu em determinados serviços a criação de laços e assim, um crescimento pessoal, o que transcende o amadurecimento acadêmico. CONSIDERAÇÕES FINAIS: Portanto, considera-se necessário a experiência nos estágios, desde o início do curso, pois, proporciona uma maior segurança para os discentes a respeito da profissão. Os alunos podem assim, aprender a interagir mais, passar a ter um olhar mais profissional e humano, a se vislumbrar futuros campos de atuação. Então, acredita-se que as atividades extracurriculares são de extrema importância para a graduação por ampliar o conhecimento adquirido. Palavras-chave: Fisioterapia. Graduação. Estágios. Experiência Discente.

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


A revista Cadernos de Educação, Saúde e Fisioterapia foi avaliada como B2 na área de Ensino, B3 na área de Serviço Social, B4 nas áreas de Saúde Coletiva, Interdisciplinar, Enfermagem e Educação Física e B5 na área de Medicina II e Arquitetura, Urbanismo e Design no QUALIS/CAPES - Quadriênio 2013-2016.