EDUCAÇÃO POPULAR REORIENTANDO A PRÁTICA PROFISSIONAL EM SAÚDE: RELATO DE EXPERIÊNCIA

Kaliny Oliveira Dantas, Daiana de Sousa Mangueira, Edilane Mendes de Lima, Michelle Martins Duarte, Mariele de Sousa Marques

Resumo


INTRODUÇÃO: Segundo a Política Nacional de Educação Popular em Saúde- PNEPS, instituída pelo Ministério da Saúde em novembro de 2013,a Educação Popular é apresentada como referência prática e estratégia política e metodológica para as ações e serviços de saúde, pois interage não só apenas no que diz respeito á educação em saúde, mas, sobretudo no delineamento de princípios éticos orientadores de novas posturas no cuidado, na gestão, na formação e na participação social em saúde. Na área da saúde, movimentos e coletivos vem promovendo reflexões e ações num processo de diálogo entre serviços, movimentos populares e espaços acadêmicos, para contribuir com a execução da PNEPS. DESCRIÇÃO DA EXPERIÊNCIA: O curso de Formação Educação Popular: fundamentos e princípios desenvolvido pelo VEPOP-SUS - Vivências de Extensão em Educação Popular e Saúde no SUS, projeto de pesquisa e extensão da Universidade Federal da Paraíba - UFPB, foi realizado no período de 02 de março a 11 de maio de 2017, tendo 10 encontros semanais com duração de 2 horas onde num primeiro momento, eram suscitadas questões geradoras sobre o tema proposto para serem discutidas em grupo e explanadas posteriormente. No segundo momento, professores, acadêmicos ou representantes de comunidades, aprofundavam a reflexão dentro do tema e ao final abria-se o espaço para os questionamentos, pontuações e problematização. Foram abordados temas como: "Educação Popular: Os fundamentos na obra de Paulo Freire", "Conjuntura atual da Saúde no país e seus desafios para os militantes do SUS", "Mobilização Popular", "Participação Popular: o olhar da comunidade sobre isso", "A construção compartilhada do conhecimento como princípio do trabalho social". IMPACTOS: Vivenciar essa experiência na perspectiva da educação popular nos proporcionou uma visão mais crítica e ampliada da saúde pública e uma reflexão da nossa prática profissional a partir de um olhar mais humanizado através da valorização do diálogo, da construção de vínculo baseados na amorosidade e da construção do conhecimento compartilhado com horizontalidade. Seguindo a filosofia da Educação Popular que opera em prol da construção da justiça social estimulando o indivíduo a problematizar sua realidade incitando seu protagonismo e autonomia, podemos nos desprender do modelo de cuidado em saúde focado no assistencialismo, rompendo então com as relações de dependência e submissão que inibem no indivíduo a capacidade de conhecer e enfrentar sua realidade e seu problema como ator principal. Nesse sentido, podemos como futuros profissionais de saúde, contribuir para a suprir de maneira integral as reais necessidades de saúde dos usuários, individuais e coletivas, em seu sentido mais amplo. CONSIDERAÇÕES FINAIS: A criação e fortalecimento de espaços de formação, estudantes e atores sociais na perspectiva da Educação Popular pode contribuir de forma significativa reorientando ações em saúde. A característica de práxis da Educação Popular, no sentido da ação-reflexão-ação, coloca-a como estratégia singular para os processos que buscam o cuidado, a formação, produção de conhecimentos, a intersetorialidade e a democratização do SUS.

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


A revista Cadernos de Educação, Saúde e Fisioterapia foi avaliada como B2 na área de Ensino, B3 na área de Serviço Social, B4 nas áreas de Saúde Coletiva, Interdisciplinar, Enfermagem e Educação Física e B5 na área de Medicina II e Arquitetura, Urbanismo e Design no QUALIS/CAPES - Quadriênio 2013-2016.