ESTIMULANDO A APLICAÇÃO DE METODOLOGIAS ATIVAS: UM RELATO DE EXPERIÊNCIA - PECHA KUCHA""

Vanda Cristina Galvão Pereira, Julio Celestino Pedron Romani, Cíntia Raquel Bim, Rubneide Barreto Silva Gallo

Resumo


INTRODUÇÃO: O cenário da educação vem ordenando inovações para que a construção da aprendizagem do aluno seja significativa e que o desenvolvimento de competências aconteça durante toda a formação. Assim, a utilização das metodologias ativas é encorajada como parte integrante do processo de ensino-aprendizagem, favorecendo a construção progressiva da autonomia do estudante, inclusive na educação superior. Entre estas metodologias, encontramos a “Pecha Kucha”, que por definição significa a arte das apresentações concisas por imagem e tem como principal objetivo a proatividade, pois busca transmitir uma ideia central de maneira sintética e rápida (20 slides X 20 segundos cada), tendo sido utilizada no ensino para revisão de aula, treinamento da capacidade de síntese, socialização e relato de experiências para aulas de campo. DESCRIÇÃO DA EXPERIÊNCIA: Durante o I Fórum de Ensino em Fisioterapia do Paraná, promovido pela Associação Brasileira de Ensino em Fisioterapia do Paraná – ABENFISIO PR, com o tema “O ENSINO DE FISIOTERAPIA NO ESTADO DO PARANÁ: ONDE ESTAMOS E PARA ONDE VAMOS? ” foi proposta a realização de uma oficina sobre “Pecha Kucha”, propiciando a integração entre acadêmicos e professores, com sua demonstração. Para isso, os conteúdos foram: apresentação da dinâmica; b) construção da apresentação; c) apresentação dos resultados. IMPACTOS: A oficina de Pecha Kucha teve a participação de 11 pessoas, dentre elas acadêmicos e professores. CONSIDERAÇÕES FINAIS: Os pontos fortes dessa atividade, destacados pelo grupo, foi a criatividade, necessidade de dominar o conteúdo e controle das emoções. Os pontos fracos destacados foram o domínio do tempo, emoções e a possibilidade de discussão somente após a explanação.

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


A revista Cadernos de Educação, Saúde e Fisioterapia foi avaliada como B2 na área de Ensino, B3 na área de Serviço Social, B4 nas áreas de Saúde Coletiva, Interdisciplinar, Enfermagem e Educação Física e B5 na área de Medicina II e Arquitetura, Urbanismo e Design no QUALIS/CAPES - Quadriênio 2013-2016.